Menu
2019-06-21T18:30:26+00:00
Marina Gazzoni
Marina Gazzoni
Jornalista formada pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e com MBA em Informação Econômico-Financeira e Mercado de Capitais no Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Foi editora de Economia do G1 e repórter de O Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo e do portal IG.
CARREIRA E EMPREENDEDORISMO

O homem dos pontos: depois de montar Multiplus e Livelo, Eduardo Gouveia investe em programa de hotéis

Executivo volta de ano sabático como investidor da Allpoints, uma empresa que criou uma rede de fidelidade para hotéis e promete bater de frente com a Booking e seus parceiros – a Multiplus e o Smiles.

22 de junho de 2019
5:44 - atualizado às 18:30
Eduardo Gouveia
Eduardo Gouveia foi presidente de Multiplus, Alelo, Cielo e Livelo. Ele acaba de investir na Allpoints, startup que criou rede de fidelidade para hotéis - Imagem: Divulgação

Na primeira conversa que tive com Eduardo Gouveia, em um restaurante em São Paulo em 2011, ele literalmente desenhou em um guardanapo o fluxo de caixa da Multiplus, da qual era presidente. Tudo porque eu não conseguia entender como uma empresa que vende pontos, criada um ano antes a partir do programa de milhagem da então TAM Linhas Aéreas, faturava R$ 1 bilhão.

Cinco anos depois, Gouveia me explicava como a Livelo, a empresa de fidelidade do Banco do Brasil e do Bradesco na qual ele foi o primeiro presidente, pretendia enfrentar justamente a Multiplus e a Smiles. Na nossa última conversa, alguns dias atrás, ele me contou sobre sua nova empreitada na indústria de fidelidade. Ele acaba de se tornar sócio da Allpoints, uma companhia focada no ramo de hotelaria e que tem ambições de ser líder global.

O nosso papo foi por telefone – Gouveia estava na Croácia, curtindo os últimos dias de uma viagem à Europa. Depois de ser presidente de Multiplus, Alelo, Livelo e, por fim, da Cielo, tirou um ano sabático a partir de novembro do ano passado. Recusou três ofertas para voltar a ser presidente de empresas e aproveitou para colocar a leitura em dia e mergulhar no ambiente de fintechs de Londres. Agora volta ao Brasil com o propósito de investir em negócios que vão surfar na onda de transformação digital da economia.

O primeiro investimento foi a Allpoints – uma fatia de 5% por valor não revelado, que pode subir para 10% em 12 meses – junto com Leandro Barankiewicz e Clayton Pedro, ex-executivos de empresas como 99 e Dotz. A intenção deles é oferecer “smart money”, ou seja, não apenas dinheiro na conta dos empreendedores, mas conhecimento e experiência que podem ajudar seus pupilos a alçar voos mais altos.

Um quarto de hotel com pontos

A Allpoints é uma rede de fidelidade focada em hotelaria. Em três anos de operação conseguiu cerca de 6 milhões de usuários cadastrados. A empresa oferece pontos para quem reservar o hotel no site. Posteriormente, eles podem ser trocados por diárias em outros hotéis parceiros.

Olhando superficialmente, não parece muito diferente de benefícios para hotelaria de empresas como Multiplus e Smiles. O CEO da Allpoints, Marcelo Bicudo, me explicou a diferença: “Hoje uma diária em um hotel no Rio de Janeiro sai por 30 mil pontos na Multiplus e Smiles. Na Allpoints o mesmo hotel sai por 6 mil pontos. O poder de compra do cliente é maior”.

Marcelo Bicudo, CEO da Allpoints - Imagem: Divulgação

As parcerias de Multplus e Smiles ocorrem por meio de parcerias com site como Booking, Expedia, Hoteis.com. Esses sites chegam a cobrar 40% de comissão dos hotéis para divulgação dos serviços em suas redes, segundo Bicudo, o que onera o serviço ao cliente e corta a margem do estabelecimento. “Hoje 90% dos hotéis do mundo são independentes (ou seja, não fazem parte de redes). Eles não têm programas de fidelidade, nem grandes bandeiras, e isso criou uma relação de dependência de intermediários como Booking e Expedia”, explicou.

O desejo dos hotéis é de criar um relacionamento direto com os hóspedes e reduzir custos com intermediários. Na Allpoints, a proposta é pagar 5% do valor da reserva na forma de pontos ao cliente final. A monetização do programa de fidelidade é pelo “spread” entre o custo do ponto recebido e o trocado pelos hotéis. Eles conseguem até 90% de descontos nas diárias, aproveitando oportunidades para evitar a ociosidade do negócio. Afinal, virar a noite com o quarto vazio é prejuízo para o hotel. Com essa proposta, a Allpoints fechou reservas que somaram R$ 1 bilhão no ano passado, número que estima dobrar este ano.

Ponto que rende 100% do CDI

Com a chegada dos novos sócios, a Allpoints já se prepara para lançar novidades. Uma delas é colocar os pontos do programa para render. Nesse sentido, é uma estratégia idêntica ao da Nuconta, do Nubank, ou dos CDBs com liquidez diária. O ponto na conta vai “render” 100% do CDI. Por exemplo: quem tem 1.000 pontos terá um saldo de 1.065 um ano depois se o CDI acumular uma variação de 6,5% em 12 meses.

A Allpoints também busca sistemas já usados pelas concorrentes para crescer, como os clubes de assinaturas que dão pontos e vantagens para seus membros. Outro projeto é criar cartões de benefícios que dão pontos que valem diárias de hotéis para oferecer ao departamento de recursos humanos das empresas.

E as fintechs?

Além da Allpoints, Gouveia disse que está de olho em outros negócios para investir, especialmente nas áreas de educação e saúde. “Penso em investir em umas cinco a sete empresas. Sempre negócios que eu possa contribuir para fazer crescer”, disse.

E as fintechs? O ex-CEO da Cielo não está de olho no burburinho que os meios de pagamento vivem? Pois bem. Ao menos por enquanto esse segmento terá de ficar de fora do radar. Ele ainda está sob contrato com a Cielo e não pode participar de projetos que compitam com a empresa até o fim do ano.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Débito e crédito

Luiz Frias: o empresário da mídia que virou bilionário com as maquininhas

Conheça o herdeiro da Folha de S.Paulo e entusiasta da internet que revolucionou mercado de meios de pagamentos no Brasil com a PagSeguro

Ações para uma vida

Conheça os 5 maiores investimentos da carteira do bilionário Warren Buffett

Em junho deste ano, a holding de Warren Buffett detinha na carteira ações de 47 companhias. Mas cinco delas representavam 69% do total em valor de mercado. Confira quais são as queridinhas do “oráculo de Omaha”

QUER GANHAR DINHEIRO?

5 estratégias para lucrar na bolsa olhando apenas os gráficos

Quem souber interpretar esses movimentos pode ter insights valiosos sobre a tendência de preços.

Impasse sem fim

Hoje não? Hoje sim. Parlamento britânico volta a adiar votação sobre acordo do Brexit

Foi um duro golpe para primeiro-ministro Boris Johnson, que poderá se ver obrigado a pedir à União Europeia o adiamento da saída do Reino Unido

Sócios na bolsa

Banco do Brasil atrai mais de R$ 7 bilhões em recursos de pessoas físicas em oferta de ações

Uma parcela de 30% da emissão do Banco do Brasil foi destinada ao varejo, embora a demanda fosse suficiente para cobrir o total da oferta, de R$ 5,8 bilhões

O melhor do Seu Dinheiro

MAIS LIDAS: Um novo modelo para o concurso público

Durante um bom tempo, se você digitasse “Banco do Brasil” no Google, a primeira palavra sugerida para a busca seria “concurso”. Ainda hoje o termo aparece bem à frente nas pesquisas do site do que “investimentos”, por exemplo. A estabilidade de uma carreira no serviço público continua sendo a aspiração de muita gente, ainda mais […]

Governança corporativa

Após vender Via Varejo, GPA dá novo passo para migrar ações ao Novo Mercado da B3

Pão de Açúcar publicou o primeiro aviso da oferta pública de aquisição (OPA) da Almacenes Éxito, que possui ações listadas na Colômbia, dentro da reestruturação das operações do grupo francês Casino na América Latina

Maquininhas de cartão

Luz verde! UBS inicia cobertura de ações da Stone com recomendação de compra

O preço-alvo para as ações da Stone, que são negociadas na Nasdaq, foi definido em US$ 42, o que representa um potencial de alta da ordem de 23%

Briga política

Bolsonaro quer processar deputado que o chamou de ‘vagabundo’

Em áudio vazado de uma reunião interna da legenda, o líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir, também disse que vai “implodir” o presidente Jair Bolsonaro

Smartphone

Com iPhone 11 mais barato, Apple volta a atrair fila de lançamento

Preços do iPhone 11 ainda são salgados e variam entre R$ 5 mil e R$ 9,6 mil, mas estão um pouco abaixo de 2018, quando a Apple lançou o modelo XR por pelo menos R$ 5,2 mil

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements