Menu
2019-11-11T14:13:31-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Entrevista

Lula solto não tem impacto sobre reformas, diz Lucas de Aragão, da Arko Advice

Segundo cientista político, mercado está mais ansioso com possíveis desdobramentos do que com a soltura do ex-presidente em si. Agenda de reformas depende do governo e do Congresso

11 de novembro de 2019
14:13
Bolsonaro e Lula
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O mercado está mais ansioso com os possíveis desdobramentos da soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva do que com fato de sua liberdade em si. A avaliação é do cientista político e sócio da Arko Advice, Lucas de Aragão.

Procurei Lucas depois de perder a conta de quantos relatórios e conversas já tive em diferentes fóruns para tentar entender esse receio do mercado com o “Lula livre”, um evento, em tese, bastante esperado.

Segundo Aragão, estamos no momento das expectativas e ansiedades que levantam algumas dúvidas. Vamos a elas:

  • Teremos impactos na agenda de reformas? Haverá mudança nesse movimento de busca por um Estado mais enxuto, de privatizações e política fiscal responsável?
  • A soltura de Lula terá impacto nas eleições municipais de 2020?
  • E se essa soltura, tentando olhar mais adiante, abre caminho para candidatura do próprio Lula ou fortalece o PT ou alguma candidatura de mesma corrente em 2020?

“Essas são as ansiedades do mercado e é nisso que o mercado está reagindo ou pode reagir. Agora, no fato, como analista político, digo aos meus clientes, acho que não tem impacto”, diz Aragão.

Ainda de acordo com ele, essa questão das expectativas depende da ansiedade de cada um, depende das informações e da capacidade analítica de cada um. Por isso há uma dispersão de avaliações com relação ao tema.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Não impacta no fato

Para Aragão, a soltura de Lula não tem impacto na agenda de reformas do governo. Essa agenda só poder ser impactada pelos erros do próprio governo, pela má vontade do Congresso e por uma falta de comunicação do governo com o Congresso e com a sociedade.

“Não acho que vai ser o Lula o arquiteto do fracasso das reformas se ele vier a acontecer”, pondera Aragão.

Segundo ponto do especialista é que Lula não será candidato em 2022. Mesmo que Sergio Moro seja declarado suspeito pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o que anularia condenações, o ex-presidente tem outros processos que devem caminhar até 2022, deixando-o como candidato “ficha suja” até as eleições presidenciais.

Para Aragão, a grande pergunta é se o Bolsonaro vai conseguir aprovar as reformas, se o Congresso vai se motivar para aprovar. E aqui entra a capacidade de interlocução do governo com a sociedade e com o Congresso.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

PRIVATIZAÇÃO

Privatização da Eletrobras será discutida no 1º semestre, diz Ferreira Júnior

“É a primeira vez que o Brasil vai fazer uma operação desse tamanho, temos que ir com calma”, disse durante palestra na Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ).

ESTÁ DE SAÍDA

Oi anuncia saída de Eurico Teles da presidência

A saída ocorre no mesmo dia em que a companhia foi alvo da 69ª fase da Operação Lava Jato e que investiga supostos repasses financeiros que teriam sido realizados pela Oi / Telemar em favor de empresas do grupo Gamecorp/Gol

Oferta de ações

XP vende ação acima da faixa indicativa no IPO e estreia na Nasdaq valendo R$ 62 bilhões

Preço por ação da XP na oferta realizada na bolsa americana foi definido em US$ 27, acima do teto da faixa estipulada, que variava de US$ 22 a US$ 25, segundo a Broadcast/Estadão

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Rodada decisiva no jogo das tarifas

Além dos números da economia e das empresas, entender pelo menos um pouco sobre relações internacionais tornou-se fundamental para os investidores desde o início da guerra comercial entre Estados Unidos e China. A disputa, que está mais para um jogo de cartas do que para uma guerra propriamente dita, é acompanhada com tensão pelo mercado porque […]

Jogo tenso

Com as cartas da guerra comercial ainda na mesa, o Ibovespa e as bolsas globais fecharam em queda

O Ibovespa teve a segunda baixa consecutiva, refletindo o clima de cautela que tomou conta dos ativos globais nesta terça-feira. Lá fora, os mercados ficaram de olho nas movimentações da guerra comercial — e, ao menos por enquanto, não há nada definido entre EUA e China

DE OLHO NO GRÁFICO

Sinal amarelo para o S&P 500 e 16 ações para ficar de olho

Neste vídeo, eu analiso o S&P 500, o Ibovespa e outros indicadores americanos e indica 16 ações brasileiras para ficar de olho. A contagem regressiva para o fechamento de minha Última Imersão a preço de Black Friday está terminando. Garanta aqui o seu acesso

BANCO

Presidente do BB diz que não há nenhuma negociação sobre venda do banco para concorrente

Ele destacou que “é mentira” que o Banco do Brasil esteja negociando seu controle com outro grupo econômico. “Isso nunca passou por nossa cabeça”, disse Novaes

NOVIDADES À VISTA

Marfrig lança marca própria de hambúrgueres vegetais

Além dos investimentos na parte de produtos de origem vegetal, a Marfrig quer trazer mais dinheiro para o caixa da empresa. A empresa confirmou no começo deste mês que fará uma oferta subsequente de ações (follow-on)

Altas e baixas

Gol, Azul, Itaú e Banco do Brasil: os destaques do Ibovespa nesta terça-feira

O setor aéreo liderou as perdas do Ibovespa nesta terça-feira, com as ações da Gol e da Azul fechando em queda. Itaú e Banco do Brasil também caíram

AÇO E ALUMÍNIO

‘Já foi sobretaxado aço e alumínio? Então, não tem o que discutir’, diz Bolsonaro

Trump escreveu no Twitter no último dia 2, sobre a intenção de aumentar tarifas sobre aço e alumínio de Brasil e Argentina, como forma de compensar a desvalorização da moeda desses países

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements