Menu
2019-08-15T12:08:40+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

Goldman Sachs vê Brasil como um emergente defensivo

Apesar da turbulência que atinge os emergentes neste 2019, GS avalia que há espaço para Brasil manter desempenho positivo em relação aos pares. Banco mantém Ibovespa em 106 mil pontos no fim do ano

15 de agosto de 2019
10:19 - atualizado às 12:08
Bandeira do Brasil com moedas na frente
Imagem: Positiffy/Shutterstock

Depois de avaliar o desempenho dos ativos brasileiros nas últimas semanas, que foram particularmente ruins para os mercados emergentes, o Goldman Sachs avalia que o Brasil está se tornando um mercado mais “defensivo”.

Para o GS, essa dinâmica do Brasil, que tem resistido bem a um quadro de menor crescimento global e problemas na Argentina, aliado a uma fraca base de partida (baixo crescimento ou mesmo recessão no semestre) sugere que os ativos brasileiros devem ter performance melhor que a dos pares ao longo do segundo semestre.

“Estamos mais otimistas com o mercado de ações, seguido pelo câmbio e juros locais e um pouco menos positivos com relação ao crédito soberano”, diz o relatório.

 

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Perguntas e respostas do GS

  • O Brasil é uma história suficientemente idiossincrática para se descolar do quadro de risco global?
  • Não, mas o mercado se tornou uma história de defesa relativa.

 

  • Quando o fluxo externo finalmente vai ingressar no Brasil?
  • Fluxos estão correlacionados com o quadro mais amplo de movimento de recursos para emergentes que, por sua vez, são direcionados pela melhora no crescimento global.

 

  •  Ainda há valor nos ativos brasileiros?
  • A moeda não parece cara, mas as ações e o mercado de juros já estão embutindo reformas e juros básicos (Selic) menores. Crescimento será o maior “driver” a partir de agora.

 

  • O Ibovespa pode subir mais?
  • Mantemos nosso alvo de 106 mil pontos para o fim do ano, mas vemos potencial de 114 mil pontos em 12 meses.

 

  • A reforma da Previdência será um catalisador?
  • Acreditamos que uma melhora fiscal de cerca de 3% (relativa à média dos emergentes) já está no preço. Com a reforma tributária sendo o passo seguinte, enxergamos melhor relação risco/retorno em ações que no mercado de crédito.
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Dados do Tesouro

União honra R$ 442,6 milhões e dívidas de governos estaduais em setembro

Nos primeiros nove meses de 2019, o governo federal precisou desembolsar R$ 5,695 bilhões para honrar dívidas garantidas pela União de quatro Estados

Papo reto

Para Sabesp, metas definidas pelo relator no marco do saneamento são difíceis de atender

Entre os pontos tidos como difíceis de cumprir está o limite de 25% para subdelegações pelo prestador de serviços

Falando em projetos...

Na reforma da Previdência dos militares, contribuições devem aumentar mais rápido que o proposto pelo governo

Segundo relatório da Câmara, a cobrança que hoje é de 7,5% passará a 9,5% já no ano que vem, chegando a 10,5% em 2021

Gestoras

JGP lista 6 fatores que devem impulsionar a economia e empurrar a bolsa para cima em 2020

Gestora acredita que migração de renda fixa para ações vai continuar dando força ao Ibovespa. Carta de setembro também faz uma defesa do teto de gastos

novidade lá fora

Google anuncia Pixel 4, celular que promete controle por gestos sem tocar na tela

Em evento nos EUA, companhia apresentou uma série de produtos novos, incluindo a segunda geração de seu alto-falante inteligente, o Nest Mini, e o notebook Pixelbook Go; ações sobem

no topo

PAN, BMG e Bradesco lideram ranking de reclamações contra bancos do BC

Pan registrou índice de 149,58. Em segundo lugar, aparece o BMG (82,33) e, em terceiro, o Bradesco (24,16)

vamos fala das teles

Na esteira de notícias sobre possível venda da Oi, presidente da dona da Vivo diz que ficarão no Brasil as teles capazes de investir

Christian Gebara reiterou o plano trienal de investimentos da Telefônica, que prevê chegar a aportes de R$ 9 bilhões em 2019

dinheiro no bolso

Receita paga nesta terça-feira (15) restituições do 5º lote do Imposto de Renda 2019

Consulta para saber se a declaração foi liberada poderá ser feita acessando a página da Receita na internet, pelo Receitafone 146, informando o CPF e a data de nascimento

lupa no país

FMI reduz previsão de crescimento do PIB do Brasil em 2020 para 2%

Projeção anterior era de 2,4%; fundo alterou também a previsão para este ano: de 0,8% para 0,9%; dados constam em relatório divulgado hoje, também trazendo expectativas para a economia global

caso de justiça

Operação da PF mira Luciano Bivar, do PSL

Operação Guinhol apura supostas fraudes na aplicação de recursos destinados a candidaturas femininas em Pernambuco

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements