Menu
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Análise

Decepção ou desalinhamento de expectativas na fala de Bolsonaro?

Esperado discurso em Davos gera críticas negativas de parte do mercado por não trazer “novidades” com relação à agenda de reformas

22 de janeiro de 2019
17:32 - atualizado às 13:58
Jair Bolsonaro Davos 22 01 19
Presidente Jair Bolsonaro durante Sessão Plenária do Fórum Econômico Mundial. - Imagem: Alan Santos/PR

Para parte do mercado e outros observadores da economia brasileira, o esperado discurso de Jair Bolsonaro no Fórum Econômico Mundial, em Davos (Suíça), foi mais um típico caso de “a montanha pariu um rato”.

O problema parece estar na questão das expectativas. Sem novidades relevantes no front econômico doméstico e com um carregado noticiário político negativo para a família Bolsonaro, todas as fichas estavam depositadas nessa apresentação do “novo Brasil” ao mercado financeiro internacional.

Mas a fala do presidente foi “mais do mesmo” na visão de um público que já “comprou” a carta de intenções do novo governo com relação a reformas e ajustes. E a fala de Bolsonaro foi mesmo uma reafirmação de princípios e vetores que serão perseguidos por sua equipe.

Particularmente creio que não poderia ser muito diferente. Ainda assim, o presidente poderia ter sido mais enfático nas suas colocações sobre economia e reformas, mas não existe “se” na história.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Há uma natural ansiedade com relação ao detalhamento das reformas, que empresas serão privatizadas, como fica o sistema tributário e afins. A “barra” de expectativas com relação ao governo está bem elevada, por assim dizer, e parece difícil que as “realidades” que venham a ser produzidas no curto prazo serão capazes de satisfazer ou aplacar essa agonia.

Assistimos a mais um clássico descasamento de tempos. O tempo do mercado, que tenta antecipar o futuro auscultando o presente, e o tempo da política, que varia conforme o cenário.

Com 22 dias no cargo e ainda tateando a “máquina do Executivo”, Bolsonaro e sua equipe parecem estar tomando conhecimento da abissal diferença imposta por Brasília entre fazer planos e “mudar a realidade”.

Até o vice e presidente em exercício, Hamilton Mourão, entrou em cena para dizer que lá em Davos “o cara fala do geral” e que o detalhamento acontece quando vai se discutir com o Congresso.

Mais “eventos decepcionantes” devem acontecer, pois o presidente entra de licença médica ao voltar da Suíça e seu aval é necessário para o desenho final da reforma da Previdência que se planeja apresentar ao Congresso no início do ano legislativo em fevereiro.

O que governo pode tentar fazer nesse ínterim é coordenar melhor as expectativas, o que exigirá um esforço de comunicação com o mercado e com a população, algo que faz falta desde a campanha eleitoral.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

IR 2019

Plantão do IR: honorários advocatícios podem ser deduzidos do imposto de renda?

A repórter Julia Wiltgen conversou com o advogado tributarista Samir Choaib, da Choaib, Paiva e Justo Advogados, e respondeu às principais dúvidas dos leitores do Seu Dinheiro

IR 2019

Plantão do IR: como declarar indenização trabalhista no imposto de renda?

A repórter Julia Wiltgen conversou com o advogado tributarista Samir Choaib, da Choaib, Paiva e Justo Advogados, e respondeu às principais dúvidas dos leitores do Seu Dinheiro

IR 2019

Plantão do IR: como adicionar corretagem e emolumentos ao preço médio de uma ação?

A repórter Julia Wiltgen conversou com o advogado tributarista Samir Choaib, da Choaib, Paiva e Justo Advogados, e respondeu às principais dúvidas dos leitores do Seu Dinheiro

Topa?

Um modelo de empresa para concorrer com a agiotagem

Bolsonaro sancionou a criação da Empresa Simples de Crédito (ESC) buscando estimular financiamento para micro e pequenas empresas

Pra gaveta!

Cade arquiva processos contra seis bancos que investigavam abuso no crédito consignado

Conselho livrou dos processos os bancos Bradesco, Santander, Caixa, Itaú, BRB e Banrisul

Agora o bicho pega!

Rodrigo Maia cria comissão especial que vai analisar a reforma da Previdência

Colegiado será composto por 34 membros e 34 suplentes e deve ser oficialmente instaurado pelo presidente da Casa na quinta-feira

Vai acelerar?

Governo promete intensificar reuniões com partidos para discutir a reforma da Previdência

Líder do governo na Câmara ignora críticas à articulação na votação da reforma e diz que comentários são um sinal de busca por diálogo

Acertando os detalhes

Ministério de Minas e Energia define cálculo de compensação à Petrobras na cessão onerosa

Ao todo, serão devolvidos à empresa US$ 354,4 milhões pelo gasto em equipamentos e US$ 7,7 bilhões no gasto com plataformas

Dados do BC

Entrada de dólares supera a saída em US$ 1,63 bilhões no acumulado do ano até 18 de abril

Para efeitos de comparação, em igual período do ano passado, o resultado era positivo em US$ 11,311 bilhões

Pior desempenho para março desde 2017

Arrecadação de impostos em março cai e soma R$ 109,854 bilhões, diz Receita

Queda real (já descontada a inflação) foi de 0,58% na comparação com o mesmo mês de 2018; em relação a fevereiro deste ano, baixa foi de 5,24%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu