Menu
2019-04-04T13:58:37+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Análise

Decepção ou desalinhamento de expectativas na fala de Bolsonaro?

Esperado discurso em Davos gera críticas negativas de parte do mercado por não trazer “novidades” com relação à agenda de reformas

22 de janeiro de 2019
17:32 - atualizado às 13:58
Jair Bolsonaro Davos 22 01 19
Presidente Jair Bolsonaro durante Sessão Plenária do Fórum Econômico Mundial. - Imagem: Alan Santos/PR

Para parte do mercado e outros observadores da economia brasileira, o esperado discurso de Jair Bolsonaro no Fórum Econômico Mundial, em Davos (Suíça), foi mais um típico caso de “a montanha pariu um rato”.

O problema parece estar na questão das expectativas. Sem novidades relevantes no front econômico doméstico e com um carregado noticiário político negativo para a família Bolsonaro, todas as fichas estavam depositadas nessa apresentação do “novo Brasil” ao mercado financeiro internacional.

Mas a fala do presidente foi “mais do mesmo” na visão de um público que já “comprou” a carta de intenções do novo governo com relação a reformas e ajustes. E a fala de Bolsonaro foi mesmo uma reafirmação de princípios e vetores que serão perseguidos por sua equipe.

Particularmente creio que não poderia ser muito diferente. Ainda assim, o presidente poderia ter sido mais enfático nas suas colocações sobre economia e reformas, mas não existe “se” na história.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Há uma natural ansiedade com relação ao detalhamento das reformas, que empresas serão privatizadas, como fica o sistema tributário e afins. A “barra” de expectativas com relação ao governo está bem elevada, por assim dizer, e parece difícil que as “realidades” que venham a ser produzidas no curto prazo serão capazes de satisfazer ou aplacar essa agonia.

Assistimos a mais um clássico descasamento de tempos. O tempo do mercado, que tenta antecipar o futuro auscultando o presente, e o tempo da política, que varia conforme o cenário.

Com 22 dias no cargo e ainda tateando a “máquina do Executivo”, Bolsonaro e sua equipe parecem estar tomando conhecimento da abissal diferença imposta por Brasília entre fazer planos e “mudar a realidade”.

Até o vice e presidente em exercício, Hamilton Mourão, entrou em cena para dizer que lá em Davos “o cara fala do geral” e que o detalhamento acontece quando vai se discutir com o Congresso.

Mais “eventos decepcionantes” devem acontecer, pois o presidente entra de licença médica ao voltar da Suíça e seu aval é necessário para o desenho final da reforma da Previdência que se planeja apresentar ao Congresso no início do ano legislativo em fevereiro.

O que governo pode tentar fazer nesse ínterim é coordenar melhor as expectativas, o que exigirá um esforço de comunicação com o mercado e com a população, algo que faz falta desde a campanha eleitoral.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Blog da Angela

Juízo ao entrar e muito cuidado ao sair (não se trata de namoro, mas da Bolsa)

A ditadura militar havia acabado, uma Nova República fora instaurada no ano anterior e o governo Sarney empenhava-se para debelar a inflação com o primeiro programa de estabilização monetária de que se tinha notícia. Nada daria errado naquele 1986.

Leve recuperação

Ibovespa abre em leve alta, dividido entre otimismo local e cautela no exterior

O mercado mostra-se otimista em reação à possibilidade de anúncio da liberação dos saques do FGTS. No entanto, o exterior ainda negativo traz pressão ao Ibovespa

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Vista sua galocha na corrida do ouro

Veja os destaques do Seu Dinheiro nesta manhã

estratégias para emplacar novo embaixador

Aliados querem mudar comissão que vai sabatinar Eduardo

Primeira alteração seria tornar o senador Flávio Bolsonaro, irmão de Eduardo, titular do colegiado

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Entrevista

‘Teremos um ciclo melhor do que o de 2006 e 2007’

Para o presidente do banco americano JPMorgan no Brasil, José Berenguer Neto, o ciclo de entusiasmo no mercado brasileiro tem potencial para ser maior do que o observado há mais de uma década

na expectativa

Governo quer reduzir alíquota do IR para máximo de 25%, diz Bolsonaro

Outra ideia do governo é unificar impostos e contribuições federais, como PIS, Cofins, IPI e IOF, em um imposto único

Novos planos

Weg chega ao varejo e amplia projeto de miniusinas solares em condomínios

Abertura dessa relação direta com o cliente pessoa física segue de perto a estratégia adotada por uma de suas principais concorrentes no segmento corporativo, a Siemens

a bula do mercado

Guerra comercial chega aos balanços corporativos

Detalhes sobre saque do FGTS são esperados no Brasil

Crypto news

Volátil, mas rentável. As surpresas positivas de quem investe no mundo das criptomoedas

Ao contrário do que pensa uma boa parte dos investidores, não podemos propagar a falácia de que o mercado cripto é um mercado perdedor. Por exemplo, no ano, mais de 63 criptoativos subiram mais do que o Ibovespa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements