Menu
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Bolsa e dólar hoje

Bolsa fecha em baixa de 2,39% e dólar sobe 0,22%, a R$ 3,75

Ausência de boas notícias no front político impedem bolsa brasileira de subir mais; resultado da reunião do Fed fez bolsas americanas caírem e acentuou perdas do Ibovespa

8 de novembro de 2018
12:00 - atualizado às 18:43
Ibovespa começou o dia em alta, puxado por Petrobras e BB, que reagiam a boas notícias - Imagem: Seu Dinheiro

Poderia ter sido um dia de alta para o Ibovespa, mas mais uma vez ficamos sem notícias que pudessem dar fôlego à bolsa brasileira. Com isso, o índice fechou em baixa de 2,39%, aos 85.620 pontos, e o dólar à vista subiu 0,22%, para R$ 3,7479.

O dia começou bem para a bolsa brasileira, que abriu em alta, na contramão do exterior. Parecia que boas notícias no cenário interno poderiam fazer o Ibovespa se recuperar.

As ações da Petrobras, por exemplo, subiam com a aprovação da urgência da votação da cessão onerosa na noite de ontem e à sinalização de que Ivan Monteiro pode ficar na presidência da estatal. Já os papéis do BB reagiam ao balanço forte divulgado hoje.

Além disso, os investidores mantinham as atenções voltadas para novidades da equipe de transição do governo, como possíveis nomes para a equipe econômica e mudanças na Previdência que possam ser feitas via projeto de lei, sem necessidade de emenda constitucional.

Mas, na falta de notícias no front político, o Ibovespa acabou recuando. No exterior, investidores passaram o dia no aguardo da reunião do Fed, o banco central americano, que ocorreu às 17 horas. Em NY, as bolsas operavam em sinais mistos.

Conforme esperado, o Fed manteve os juros na faixa de 2,00% a 2,25% e seu comunicado teve tom bastante neutro, não deixando muito clara qualquer sinalização no sentido de fazer um aperto monetário maior ou menor. Mas lançou as bases para uma nova alta dos juros em dezembro.

Após a reunião, as bolsas americanas ampliaram as quedas, e o dólar ganhou força, mostrando que o mercado interpretou que a sinalização é de um tom mais duro na política monetária. Por aqui, o Ibovespa também aprofundou as perdas. O repórter Eduardo Campos faz uma análise da decisão do Fed.

Às 17h42, o Dow Jones recuava 0,36%, o S&P500 perdia 0,62% e a Nasdaq recuava 0,85%.

Os juros futuros fecharam em alta, com a pressão de câmbio e a falta de definição do novo governo quanto às reformas e a equipe econômica. O DI com vencimento em janeiro de 2021 subiu de 8,153% para 8,22%; já o DI para janeiro de 2023 avançou para 9,44%, de 9,313%.

Reações aos balanços

As ações da BRF (BRFS3) fecharam em queda de 5,58%, em reação aos resultados trimestrais abaixo do esperado divulgados pela companhia. A empresa reverteu lucro em prejuízo, na comparação anual, e seu Ebitda ajustado encolheu 35,7% na mesma comparação.

O BTG Pactual disse, em relatório, que o Ebitda veio um pouco abaixo das suas expectativas, mas elogiou a gestão atual e manteve a recomendação da ação em "neutro", com preço-alvo de R$ 21.

Fora do Ibovespa, as ações do Carrefour (CRFB3) fecharam em alta de 3,59%, depois que a companhia divulgou uma performance operacional considerada sólida pelos analistas no terceiro trimestre. No período, o lucro ajustado dos controladores da rede de supermercados saltou 67,6%, no comparativo anual, para R$ 391 milhões.

O Carrefour Brasil também voltou a registrar crescimento de margem bruta em seu negócio de varejo pela primeira vez desde o segundo trimestre de 2017. O indicador foi de 24,9% no terceiro trimestre.

Marisa dispara com vitória em decisão judicial

Fora do Ibovespa, as ações da Marisa (AMAR3) subiram nada menos que 17,92%, refletindo a vitória da empresa em uma disputa judicial no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a inconstitucionalidade da inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e da Cofins.

A varejista estima que, com a conclusão do processo, terá direito a um crédito de cerca de R$ 780 milhões, valor que ainda deve ser validado pela Superintendência da Receita Federal.

A cifra equivale a cerca de 70% do valor de mercado da companhia ou 3,4 vezes seu Ebitda de 2017, segundo cálculos do BTG Pactual. O banco reitera que a Marisa continua lutando para impulsionar as vendas em suas operações de varejo (com poucos sinais de recuperação), enquanto lida com mudanças de administração.

Destaques de queda

As ações da Estácio (ESTC3) recuaram 8,42%, depois que a companhia divulgou resultados trimestrais negativos.

A empresa teve menor captação e aumento na provisão para devedores duvidosos no terceiro trimestre (alta de 56,3% no comparativo anual, representando 6,9% da receita líquida). O Morgan Stanley cortou o preço-alvo da Estácio de R$ 36,60 para R$ 32,90.

Outras companhias do setor de educação também apanharam. Kroton (KROT3) fechou em baixa de 5,49% e a Ser Educacional (SEER3) caiu 4,14%.

O Morgan Stanley também reduziu o preço-alvo da Ser de R$ 30,30 para R$ 25,90 e, na terça, já havia derrubado a recomendação de Kroton de "overweight" (desempenho acima da média do mercado) para "equalweight" (desempenho em linha com a média do mercado), reduzindo o preço-alvo de R$ 19,90 para R$ 12,40.

As ações da Cielo (CIEL3) fecharam em queda de 9,58%. Em 2018, o papel acumula queda de quase 50%. A Cielo vem perdendo participação de mercado com o acirramento da concorrência.

*Com Estadão Conteúdo

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também

Quem é a Pi

Somos uma plataforma aberta de investimentos formada por um time com pessoas de diferentes perfis, unidos por um único propósito: ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente. #Simples, porque temos uma loja de investimentos 100% digital a sua disposição mesmo antes de você abrir a conta; #Seguro […]

Tem que mudar isso aí!

Líderes de 13 partidos divulgam documento de apoio à Previdência, mas sem BPC e aposentadoria rural

Partidos que, juntos, somam 291 deputados também querem barrar proposta que retira da Constituição algumas regras para concessão e cálculo de benefícios

Olha a bomba!

Líderes de partidos na Câmara concordam em votar PEC que aumenta o poder do Congresso sobre o Orçamento

Projeto de 2015 foi ressuscitado pelos deputados em meio à crise política com o governo e pode ir a plenário já nesta terça-feira

Turma preocupada

Governadores alertam Guedes sobre a condução da reforma da Previdência

Líderes estaduais afirmam que a reforma da Previdência é uma condição de sobrevivência para União, Estados e municípios

Foi por pouco!

Ausente da CCJ, Guedes apanha, mas não será convocado

Ministro da Economia cancelou participação em audiência pública e virou alvo da oposição, mas deputados fecharam acordo para que Guedes compareça à comissão na quarta-feira da próxima semana como convidado

Agora vai?

Empresário deve assumir a comunicação do governo Bolsonaro

Mudança ocorre em meio ás críticas de que a comunicação do Planalto não “desenrolou” e que “já é abril e nada avançou”

DE OLHO NO GRÁFICO

Bull trap no ibovespa e S&P – Proteja-se

Coluna traz vídeos sobre análise gráfica e dicas de investimentos. Terças e quartas o tema é o mercado de ações. Quinta-feira é a vez das criptomoedas

Negócio de gigante

Uber compra Careem, sua rival no Oriente Médio, por US$ 3,1 bilhões

Negócio vai permitir que a Uber amplie sua influência na grande região que vai do Marrocos ao Paquistão

Tá feia a coisa

Avianca faz audiência para devolver aeronaves após eliminar rotas e fechar bases operacionais

Empresa justifica que as mudanças fazem parte de um processo de readequação das operações e redução da frota

De bem com o governo?

Maia volta ao time defensor da Previdência e se diz “preocupado com o Brasil sem reforma”

Presidente da Câmara defendeu o ministro Paulo Guedes após ele ter cancelado a participação na Comissão de Constituição e Justiça

Debate da reforma da Previdência

Oposição começa a recolher assinaturas para obrigar Paulo Guedes a comparecer à CCJ da Câmara

Iniciativa para convocar o ministro da Economia acontece após ele ter dar um “bolo” na comissão nesta terça-feira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu