Menu
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
EUA

Fed mantém juros nos EUA e todo foco recai sobre a reunião de dezembro

Banco Central americano mantém taxa básica entre 2% e 2,25% e reafirma a necessidade de novos ajustes graduais

8 de novembro de 2018
17:43
Jerome Powell, presidente do Federal Reserve -

Nada fora do script na decisão desta quinta-feira do Federal Reserve (Fed), banco central americano. A taxa básica foi mantida entre 2% e 2,25% ao ano, e novos ajustes graduais são esperados.

Apesar do conteúdo bastante neutro do comunicado apresentado após a reunião, a reação do dólar e dos juros nos EUA nos permite dizer que a interpretação é de um tom duro (hawkish) na comunicação. O DXY, que mede o comportamento do dólar ante uma cesta de moedas, acentuou alta para a linha dos 96,5 pontos. No mercado de ações, no entanto, a reação foi pouco expressiva, com o Dow Jones orbitando a estabilidade e o S&P 500 seguindo em baixa, na casa dos 0,3%.

O próximo encontro do Fed acontece nos dias 18 e 19 de dezembro, seguido de novas projeções para inflação e crescimento e de uma coletiva de imprensa do presidente Jerome Powell. Para essa reunião, o consenso de mercado é de novo aperto de 0,25 ponto percentual. O ajuste de alta começou no fim de 2016.

A única mudança no comunicado apresentado hoje em comparação com o de setembro está na avaliação com relação aos investimentos (business fixed investment) que apresentaram “moderação” em comparação com o rápido crescimento visto no começo do ano.

O consumo das famílias continua com desempenho forte e a inflação permanece em linha com a meta de 2%, com um balanço de risco equilibrado. O Fed não tratou da recente volatilidade dos mercados, algo que deve ficar para a ata, nem da piora nas condições financeiras no mercado americano.

A grande questão  é até onde vai esse movimento de alta do juro americano e qual impacto disso na economia mundial. A discussão que se desenrola dentro do Fed é se será necessário, ou não, deixar a política monetária restritiva para que a inflação não escape da meta de 2% em um ambiente de crescimento acelerado.

Essa questão importa e muito para o Brasil e demais economias emergentes, pois quanto mais longe o Fed for no seu ajuste, maior a realocação de capital para os EUA, que garante um ganho maior e em dólar para os investidores que aportarem recursos por lá. Para 2019, as projeções se alternam entre outras três ou quatro altas.

Quem não gostou e vai continuar não gostando dessa atuação do Fed é o presidente Donald Trump, que tem feito repetidos ataques ao presidente Jerome Powell.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Sem segredos

Para “abrir caixa-preta”, BNDES inaugura nova ferramenta de transparência

Projeto consolidará no site do banco os dados sobre os cinquenta maiores clientes dos últimos quinze anos

Dia 16

Argentina e Suíça

Presidente recebeu Macri e terá palco principal em Davos

Moção de desconfiança vencida

Theresa May livra sua cabeça da degola e convoca nova negociação para um acordo do Brexit

Parlamento britânico salva novamente a cabeça da premiê um dia após uma derrota histórica do governo sobre o acordo do Brexit

Estrela do encontro

Bolsonaro terá espaço privilegiado em Davos e deve abrir sessão inaugural do Fórum Econômico Mundial

Lugar de fala do presidente estava sendo cuidadosamente negociado entre o Itamaraty e os organizadores do evento

Mercados

SPX muda visão sobre juro nos EUA e espera algo concreto do governo Bolsonaro

Gestora diz que errou avaliação sobre aperto monetário americano. No Brasil, postura é de otimismo cauteloso, mas com posição comprada em bolsa

Cannabusiness

Já pensou em ganhar dinheiro com maconha?

Quem decidiu investir em ações relacionadas à cannabis vem recebendo resultados bastante positivos. Veja o que você pode comprar na bolsa para embarcar nessa onda lucrativa.

Redução de burocracias

Em encontro com Macri, Bolsonaro diz que propósito é construir Mercosul “enxuto”, mas que continue a ter relevância

Bolsonaro também disse que, na frente externa, é preciso concluir negociações mais promissoras e iniciar novas negociações

câmbio

Sobrou dólar no país pela primeira vez desde o começo de novembro

Fluxo cambial foi positivo em US$ 1,448 bilhão na segunda semana de janeiro, com ingressos concentrados na conta financeira

Exile on Wall Street

Reminiscências de um operador de risco

É com tristeza que leio textos em jornais ou relatórios distribuídos a clientes falando em alocação de recursos. Uns pagam de pseudointeligentes, enquanto apenas repetem clichês. Outros querem estimular a migração para portfólios arrojados, incentivando o investidor a correr atrás de migalhas

Em preparação final

Países europeus aprovam barreiras contra aço brasileiro

Pela proposta da Comissão Europeia, um total de 26 produtos siderúrgicos seriam taxados; China sofrerá restrições em 16 produtos diferentes, contra 17 da Turquia e 15 da Índia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
#banner-popup .visible-mobile{ display: block; } #banner-popup .visible-desktop{ display: none; } @media (min-width: 1000px) { #banner-popup .visible-mobile{ display: none; } #banner-popup .visible-desktop{ display: block; } } var get_pop_cookie = Cookies.get('cookie_seudinheiro_popup_empiricus'); if(get_pop_cookie == null ){ $.fancybox.open({ src : '#banner-popup', type : 'inline' }); Cookies.set('cookie_seudinheiro_popup_empiricus', '1', { expires: 1 }); } else if(get_pop_cookie == '1'){ $.fancybox.open({ src : '#banner-popup', type : 'inline' }); Cookies.set('cookie_seudinheiro_popup_empiricus', '2', { expires: 1 }); }