Menu
2019-05-23T09:00:37+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
A Política como ela é

Coaf de volta à Economia é derrota auto imposta pelo Congresso, não é derrota do Bolsonaro

Resultado apertado em votação na Câmara dos Deputados inflama redes sociais e deve engrossar manifestações do dia 26. Moro agradece votos favoráveis

22 de maio de 2019
22:30 - atualizado às 9:00
O Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro fala em Davos
O Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, fala em Davos. - Imagem: Alan Santos/PR/Fotos Públicas

Terminava de jantar e vem o William Bonner com uma notícia de última hora. “Derrota do governo”, anuncia o âncora do “Jornal Nacional”, sobre o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) voltar para o Ministério da Economia. Já sabia do resultado da votação da emenda à medida provisória 870, por isso jantava. Mas ao ouvir ao Bonner expressando tanta certeza, pensei: “Derrota do governo mesmo?”

Faz semanas estou tentando entender essa movimentação específica em torno de um órgão eminentemente técnico, que reúne um pequeno número de servidores analisando milhões de comunicações sobre movimentações financeiras suspeitas e usuais, que por lei são obrigadas a serem informadas.

Tinha a ideia de que o Congresso tentava impor uma derrota não ao governo diretamente, apesar da tradicional lógica da política dizer isso, mas sim ao ministro Sergio Moro, que é figura mais admirada que o próprio Jair Bolsonaro. Moro é o “selo de ética” desse governo.

Minha tese de que a briga era com Moro ficou reforçada durante a etapa de debates envolvendo a emenda. Alguns deputados de centro e oposição falaram da personificação do Coaf na figura do ministro.

Outras parlamentares tinham o mesmo tom, mas utilizam um verniz mais técnico, alegando que até nos EUA, tão admirado pelo governo atual, estrutura semelhante, fica sob o comando da Economia e não da Justiça.

Quando abordei o tema no começo do mês, pouco depois de a comissão especial propor a volta do Coaf para a estrutura da Economia, falei que o Congresso tinha mostrado os dentes para Moro, mas que as redes sociais tinham rugido de volta. De fato, o assunto esteve entre os mais comentados daquele dia nas redes sociais.

Repito aqui o disse na ocasião: Aos olhos da política, é sim um desgaste para o governo, que não conseguiu defender um de seus principais ministros. Mas sob o olhar da opinião pública, a culpa é do Congresso.

Tenho essa avaliação reforçada. A impressão é de que parte dessa pressão popular sobre os congressistas é o que explica o placar apertado de 228 a 210. Isso também esteve na fala de alguns deputados, que disseram que não paravam de receber mensagens via “Whatsapp”, “Facebook” e “Twitter” para manter o órgão com Moro, como desenhou a MP 870.

A julgar pela primeira reação das redes, com o assunto Coaf novamente entre os mais comentados após a votação, a culpa não deve ficar com Bolsonaro e sua ainda claudicante articulação política. A culpa vai cair na conta do Congresso, da classe política, dos deputados e do famigerado Centrão.

Essa postura do Congresso, de ataque a um símbolo do combate à corrupção, pode vir a reforçar as manifestações previstas para o dia 26. Movimento que tem gerado rachas entre apoiadores do governo, em função de algumas mensagens favoráveis ao fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal (STF).

Aguardemos, agora, os próximos movimentos, não só da MP 870, que vai ao Senado, mas também do que virá dessas manifestações do dia 26 e qual leitura prevalecerá sobre o movimento. Muitas vezes, mais importante que o fato, são as versões do fato.

O que é visível, agora, é que a pressão das redes vai se concentrar nos senadores, para que mantenham o Coaf com o ex-juiz da Lava Jato. Aqui, novamente, veremos um embate entre o cálculo político, pois há um prazo para que a MP seja votada, caso contrário termos de volta 29 ministérios, e a possível repercussão junto à opinião pública ou parte dela.

No Senado, a forte pressão popular, com um empurrãozinho do governo, já mostrou efeito, pois Renan Calheiros (MDB-AL) entrou no plenário em 2 de fevereiro como se eleito estivesse para comandar a Casa, mas saiu antes mesmo do fim da sessão que elegeu Davi Alcolumbre.

Para o leitor que quiser entender o funcionamento do Coaf, fica aqui o link da matéria que fiz quando a sigla entrou em destaque depois do caso envolvendo Flávio Bolsonaro e o ex-assessor Fabrício Queiroz.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Diplomacia

Bolsonaro e líderes tentam vender o peixe dos Brics a empresários

Presidentes do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul contam a empresários o que têm feito para melhorar o ambiente de negócios

Na ponta do lápis

Natura, brMalls, Qualicorp… os balanços que movimentam os mercados nesta quinta-feira

Resultados das companhias vieram mistos, com dados positivos e negativos para todos os lados. Confira cada um deles

Seu Dinheiro na sua noite

A quarta-feira 13 da Via Varejo

Assim como no cinema, as histórias das empresas com ações na bolsa podem ser divididas em vários gêneros, para todos os gostos. Existem as comédias, estreladas por aquelas companhias que vivem arrancando sorrisos de seus acionistas com crescimento das operações e do lucro. Temos também os faroestes, de empresas em setores que enfrentam forte competição. […]

Corrupção em SP

Lava Jato fecha acordo de leniência de R$ 214 milhões com Andrade Gutierrez

Documento refere-se a ilícitos cometidos pela companhia em obras do Metrô de São Paulo, Prefeitura de São Paulo, CPTM, DERSA, EMTU e CODESP nos governos do PSDB

Medidas do governo

Pesquisa mostra que 57% dos brasileiros reprovam congelamento de salários de servidores

Levantamento da XP mostra também que o conhecimento sobre o pacote de reformas estruturais apresentado no início deste mês é limitado

O Disney Plus vem aí

Te cuida, Netflix: o novo serviço de streaming da Disney já tem 10 milhões de usuários

As ações da Disney dispararam com a informação de que, em apenas um dia, o novo serviço de streaming da companhia já conta com 10 milhões de usuários. E agora, Netflix?

Próximos passos

Banco dos BRICS quer trabalhar com mais empréstimos em moedas locais

NDB tem como foco o financiamento de projetos no Brasil, na Rússia, na Índia, na China e na África do Sul

Trato feito

Grupo Prumo e Siemens AG assinam acordo de cooperação em projetos de energia

Assinatura ocorreu durante a reunião do BRICs, em cerimônia que contou com a presença dos principais executivos das companhias envolvidas

Ficou difícil

Negociação EUA-China trava por questão de compras agrícolas, dizem fontes

Impasse sobre agricultura cria outro obstáculo no caso, conforme Pequim e Washington tentam fechar a fase 1 do acordo

Mantendo relações

Bolsonaro confirma viagem à Índia em janeiro de 2020

Mais cedo, presidente teve reunião com o presidente da China, Xi Jinping, para a assinatura de acordos bilaterais

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements