Menu
2019-07-23T09:25:15+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
a bula do mercado

O inevitável afrouxamento monetário se aproxima

Dados do IPCA-15 serão decisivos para calibrar expectativas sobre corte de juro

23 de julho de 2019
6:56 - atualizado às 9:25
selo bula do mercado
Imagem: Seu Dinheiro

Os ativos financeiros locais iniciam o dia com boas perspectivas de manter a valorização da véspera diante da expectativa de leitura mensal próxima da estabilidade do IPCA-15, o índice preliminar do IBGE para a inflação oficial no Brasil.

No entendimento dos agentes do mercado financeiro, um resultado fraco do IPCA-15 teria o potencial de induzir o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) a ser mais “ousado” em sua próxima reunião, marcada a próxima semana, e talvez cortar o juro em 0,50 ponto porcentual. A aposta majoritária entre os investidores no momento é de um corte de 0,25 ponto porcentual em 31 de julho.

A expectativa de um corte mais ousado na Selic tende ganhar força caso o governo emplaque sua mais recente sugestão referente à liberação do saque do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), limitando-o a R$ 500 por trabalhador.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

A ideia original era autorizar saques de 10% a 35% do saldo do FGTS, inclusive dos trabalhadores da ativa, mas a pressão dos empresários do setor de construção levou o governo a recuar, uma vez que os recursos depositados no FGTS servem de lastro aos empréstimos para moradia.

No novo formato, o varejo ainda deve se beneficiar e as empresas de construção não serão tão afetadas, mas o impacto sobre o PIB será bem mais tímido, o que aumenta a pressão sobre o Copom para cortar juro. O anúncio oficial é esperado para amanhã.

Pibinho à vista

O objetivo de curtíssimo prazo do governo parece ser induzir uma melhora no sentimento dos empresários na virada do semestre, já que a economia brasileira provavelmente retornou à recessão técnica no segundo trimestre, com duas quedas seguidas, e mais R$ 1,442 bilhão foram contingenciados pelo governo.

Somada à reforma da previdência e outras medidas econômicas em discussão, a liberação do FGTS tem o potencial de melhorar o clima para que o primeiro ano do governo Jair Bolsonaro termine com o PIB pelo menos no azul, ainda que marginalmente.

Enquanto isso, diante da ameaça de uma nova greve de caminhoneiros, o governo suspendeu ontem a nova tabela de preço mínimo do frete rodoviário apenas alguns dias depois de sua publicação.

Também é prudente acompanhar hoje a presença de Bolsonaro na inauguração de um aeroporto em Vitória da Conquista, na Bahia. Na semana passada, o presidente foi flagrado proferindo comentários preconceituosos contra governadores nordestinos. Ainda que se trate de um evento fechado, com convidados escolhidos a dedo, o presidente pode ver algum teste a sua já baixa popularidade.

No exterior, enquanto um acordo bipartidário afasta o fantasma do fechamento do governo nos Estados Unidos, notícias de que o encarregado de negócios norte-americano (USTR) Roberto Lighthizer e o secretário de Tesouro Steven Mnuchin viajarão na semana que vem à China para retomar as negociações comerciais entre Washington e Pequim levaram as bolsas de valores asiáticas a fecharem em alta. Na Europa, os índices de ações abriram no azul e os indicadores futuros de Nova York também sinalizam alta.

O risco Trump

A perspectiva de afrouxamento monetário como maneira de estimular a economia ou precaver-se contra riscos está longe de ser uma exclusividade brasileira. Os principais bancos centrais do planeta preparam-se para cortar juro. A decisão de política monetária do Banco Central Europeu será conhecida já nesta quinta-feira, enquanto o Federal Reserve dos Estados Unidos se posicionará sobre o tema na próxima quarta-feira (31), apenas algumas horas antes do Copom.

Ontem, o presidente dos EUA, Donald Trump, direcionou sua hostilidade ao Fed. Ele acusa a autoridade monetária do país de fazer os norte-americanos pagarem juros altos demais e recorre a sua conhecida truculência para coagir a direção do Fed a agir logo. A preocupação de Trump, no entanto, é muito menos os juros pagos nos EUA e mais a abertura de espaços para elevar gastos e estourar ainda mais o endividamento do governo.

Não custa lembrar que o presidente do Fed, Jerome Powell, deixou claro em seus mais recentes depoimentos perante o Congresso que, apesar de os indicadores econômicos se encontrarem níveis considerados saudáveis, as principais razões por trás de qualquer discussão de corte de juros neste momento nos EUA são a política de guerra comercial de Trump contra o mundo e o descontrole nos gastos do governo.

Ou seja, com ou sem a truculência verbal do presidente, o risco Trump forçará um relutante Fed a cortar juros mais cedo ou mais tarde.

Brexit sem acordo?

E como se Trump já não fosse um fator de risco suficiente, o presidente norte-americano deve ganhar ainda esta semana a companhia do ex-prefeito londrino Boris Johnson no panteão dos chefes de governo descompensados da atualidade.

Ardente defensor do Brexit, Johnson tem tudo para tornar-se o escolhido do Partido Conservador para suceder Theresa May e tornar-se primeiro-ministro do Reino Unido. A esperada vitória de Johnson aumenta o risco de um Brexit sem acordo entre Londres e Bruxelas.

Boris Johnson tem a concorrência do atual secretário de exterior, Jeremy Hunt. Analistas consideram que uma eventual vitória de Hunt reduziria ao menos as chances de o Reino Unido sair da União Europeia sem acordo, valorizando a libra esterlina e outros ativos britânicos, mas a probabilidade de que isso aconteça é considerada baixa.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta terça-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

lista vip

BNDES divulga nomes de compradores de jatinhos da Embraer

Na última quinta, Bolsonaro disse que revelaria quem comprou jatinhos com recursos do banco estatal e fez referência ao apresentador Luciano Huck, que havia criticado o governo

Mais perdas

Ibovespa abre em queda de mais de 1%, pressionado pelo exterior, e volta aos 98 mil pontos

O Ibovespa tem mais um dia de desempenho negativo, ainda afetado pela maior aversão ao risco no exterior. O dólar à vista segue na faixa de R$ 4,06

tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Dólar a R$ 4? Acostume-se…

Um conjunto de forças paralelas puxa as cotações das moedas do mundo para um lado e para o outro. São as taxas de juros, perspectivas de crescimento das diferentes nações, apetite das empresas por negócios internacionais, crises políticas em todos os cantos do mundo e até mesmo o Twitter de autoridades como Donald Trump. Com […]

dinheiro no caixa

B2W propõe aumento de capital de R$ 2,5 bi

Serão 64 milhões de novas ações ordinárias, ao preço de R$ 39; empresa quer acelerar o processo de transformação rumo a uma plataforma digital híbrida

subiu o tom

Maior acionista da Oi pede troca de presidente

Gestora de investimentos GoldenTree Asset Management manifestou preocupação com as finanças da operadora e pediu saída de Eurico Teles

crise no posto ipiranga

Lava Jato ignorou repasse de Guedes em denúncia contra empresa de fachada, diz jornal

Segundo a Folha de S. Paulo, força-tarefa detectou pagamento de R$ 561 mil, mas só acusou outras firmas

sem dinheiro

Receita pode parar sistema de CPF e restituição

Arrecadação de tributos, emissões de certidões negativas, controle aduaneiro e operações de comércio exterior também serão afetados, assim como o envio de cartas de cobrança aos devedores do fisco

de mudança

Governo confirma que Coaf vai para o BC via Medida Provisória

Segundo porta-voz, Coaf será uma “unidade de inteligência financeira” que não perderá o caráter colaborativo com outros órgãos e manterá o perfil de combate à corrupção.

olho na vale

CVM abre inquérito contra executivos da Vale por tragédia de Brumadinho

Investigação é sobre deveres dos executivos em relação a acionistas e investidores; rompimento da barragem matou 248 pessoas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements