Menu
2019-06-14T06:14:52+00:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Mercado aguarda próximos capítulos

Apresentação de proposta ainda robusta para a reforma da Previdência anima o mercado doméstico, enquanto exterior monitora riscos geopolíticos e desaceleração na China

14 de junho de 2019
5:43 - atualizado às 6:14
proximoscapitulos (1)
Demissão do primeiro militar no governo Bolsonaro pode pesar

Dados fracos de atividade industrial na China e tensão geopolítica entre Estados Unidos e Irã pressionam os mercados internacionais nesta manhã, antes de indicadores econômicos que podem calibrar as chances de corte de juros pelo Federal Reserve ainda neste ano. No Brasil, o mercado financeiro ficou animado com uma proposta de reforma da Previdência ainda robusta e aguarda as cenas dos próximos capítulos no Congresso.

O calendário é apertado. O debate na comissão especial sobre o parecer do relator, deputado Samuel Moreira, deve começar na próxima terça-feira e se estender até o fim deste mês. A previsão é de que o relatório, que prevê uma economia fiscal perto de R$ 1 trilhão em dez anos, seja votado somente na primeira semana de julho, o que exigirá um esforço extra para votar o texto no plenário da Câmara em dois turnos, antes do recesso.

A previsão é de que o último dia de sessão dos parlamentares seja em 17 de julho. Mas o presidente da Casa, Rodrigo Maia, só irá colocar a reforma da Previdência em votação nesse prazo se houver garantia de que há, pelo menos, os 308 votos necessários para aprovar o texto, em dois turno. Há sinais de que existe um acordo e uma contagem em torno de 330 votos para o proposta apresentada ontem na comissão especial.

Se isso for confirmado, será visto como positivo para os ativos locais, conduzindo a Bolsa brasileira (Ibovespa) e o dólar a novos patamares de negociação. Para o investidor, a potencial aprovação de novas regras para aposentadoria remove um dos grandes problemas estruturais do país, destravando uma ampla agenda de reformas econômicos e resgatando o “espírito animal” do empresário.

Cai um militar

Mas nem tudo são flores em Brasília. A demissão do general Santos Cruz, ministro da Secretaria de Governo, foi a primeira baixa de um militar na equipe do presidente Jair Bolsonaro, trazendo de volta os ruídos políticos vindos do Palácio do Planalto. A demissão foi atribuída a uma “falta de alinhamento político-ideológico”, após os embates de Santos Cruz com o guru do presidente, Olavo de Carvalho.

Mais uma vez, o vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente, foi o pivô da crise. É bom lembrar que ele já havia sido apontado como um dos responsáveis pela demissão do então secretário-geral da Presidência, Gustavo Bebianno, o primeiro ministro a cair. Santos Cruz é o terceiro ministro de Jair Bolsonaro a sair em seis meses de governo. Ele será substituído pelo general Luiz Eduardo Ramos, comandante militar do Sudeste.

Os investidores também monitoram a greve convocada para hoje contra a reforma da Previdência, que pode afetar a circulação do transporte público em várias cidades e interromper outras atividades do dia a dia. Os protestos são organizados por centrais sindicais e também se opõem aos cortes na Educação.

Exterior tenso

O cenário internacional também está um pouco mais tenso, diante da escalada geopolítica após os supostos ataques contra dois navio-petroleiro no Estreito de Hormuz. Os EUA acusam o Irã de estar envolvido, exibindo um vídeo que mostra que a Guarda Revolucionária iraniana removeu uma mina detonada de um dos petroleiros, sugerindo que o país persa tentou esconder evidências de seu envolvimento. O Irã nega.

Em meio à troca de acusações, os preços do barril do petróleo estão levemente mais fracos hoje, após subirem mais de 2% ontem, após o ataque no Golfo de Omã. O sinal negativo também prevalece entre as bolsas. A sessão na Ásia foi de perdas, com os investidores também tensos com os protestos em Hong Kong em relação à lei de extradição.

O índice Hang Seng caiu 0,65%, enquanto Xangai recuou 1%, reagindo aos dados fracos sobre a atividade chinesa. A produção industrial no país cresceu 5% em maio, em relação a um ano antes, no ritmo mais lento desde 2002, ficando abaixo da previsão de alta de 5,4%. Já as vendas no varejo chinês avançaram 8,6%, acima da estimativa (+8,1%), embaladas pelo feriado prolongado no país pelo Dia do Trabalho.

Os investimentos em ativos fixos também perderam força, desacelerando a 5,6% nos cinco primeiros meses deste ano, ante projeção de +6,1%. Os números mostram que a guerra comercial com os EUA continuam afetando o ritmo da segunda maior economia do mundo, o que abre espaço para novas medidas de estímulo por parte do governo, com o Banco Central chinês (PBoC) também podendo lançar mão de várias ferramentas.

Já no Ocidente, os índices futuros das bolsas de Nova York amanheceram no vermelho, o que contamina a abertura do pregão na Europa. Nos demais mercados, o dólar mede forças em relação às moedas rivais, ao passo que o juro projetado (yield) pelo título norte-americano de 10 anos (T-note) segue abaixo de 2,10%, à espera dos dados de atividade nos EUA, que podem reforçar as chances de alívio monetário pelo Fed.

Atividade calibra juros

Mais indicadores de atividade são esperados para esta sexta-feira. No Brasil, sai o IBC-Br (8h30) de abril, que pode lançar luz sobre o viés para o PIB brasileiro no segundo trimestre, após os desempenhos positivos da indústria e do setor de serviços, mas da queda nas vendas no varejo no mesmo mês.

Diante da recuperação econômica lenta e aquém do esperado, combinada com o cenário de inflação ainda comportado e com o andamento da reforma da Previdência no Congresso, o mercado financeiro segue convicto de que o Banco Central deve voltar a cortar a Selic em breve. As apostas são de duas quedas antes do fim do ano, em julho e em dezembro.

Ainda na agenda econômica doméstica, sai o primeiro IGP de junho, o IGP-10 (8h). Já no exterior, as atenções se voltam para os dados dos EUA sobre as vendas no varejo (9h30) e a produção industrial (10h15) em maio. A previsão é de crescimento do comércio (+0,3%) e estabilidade na indústria, após as quedas de 0,2% e 0,5% no mês anterior, respectivamente.

Os números devem dar novas pistas sobre a perda de tração da economia norte-americana, após crescer 3% nos três primeiros meses de 2019, calibrando as chances de corte nos juros antes do fim do ano. As apostas são de que o Federal Reserve inicie o ciclo de queda em julho, também à dose de 0,25 ponto, dando continuidade ao movimento em setembro.

Ainda no calendário econômico dos EUA, às 11h, saem os estoques das empresas em abril e a versão preliminar do índice de confiança do consumidor em junho.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

A Bula do Mercado

Sai guerra comercial, entra temporada de balanços

Mercado se prepara para os resultados trimestrais das empresas, enquanto aguarda novidades do acordo entre EUA e China

Posição gerou polêmica

Presidente da CCJ da Câmara diz que vai pautar PEC da regra de ouro na quarta-feira

Decisão atropela um entendimento feito entre Maia e a equipe econômica de esperar a proposta do governo para avançar na discussão no Parlamento

Seu Dinheiro na sua noite

A pergunta que não quer calar

Como jornalista, estou acostumado a fazer perguntas, mas de vez em quando me vejo em uma situação em que sou obrigado a respondê-las. Na sexta-feira à noite fui a Santos fazer uma palestra na faculdade onde estudei sobre a profissão e os livros que escrevi, inclusive o primeiro deles – que surgiu do meu trabalho […]

Paralelo à reforma principal

Presidente da comissão especial na Câmara quer votar reforma da Previdência dos militares nesta semana

Na reunião de terça-feira, marcada para as 14h, deve ser iniciada a discussão que antecede a votação

Amigos, amigos...

OCDE diz que Brasil já é um parceiro-chave da OCDE, que já está perto da organização

Diretor para a América Latina na Organização diz que o Brasil se destaca em pesquisas no sentido de competitividade global

vestuário na bolsa

IPO da C&A: começa hoje a reserva de ações da varejista

Faixa de preço dos papéis — que serão negociados sob o código CEAB3 — ficará entre R$ 16,50 e R$ 20,00; montante mínimo a ser solicitado é de R$ 3 mil

Saiu perdendo

Firjan diz que mudança nos royalties pode trazer perda de R$ 30 bilhões em 4 anos ao Rio de Janeiro

O Estado, maior produtor brasileiro de petróleo e gás natural do Brasil (60% do total), perderia R$ 6,4 bilhões por ano

Me segue!

Ex-ministro da Fazenda, Meirelles diz que grande mérito do atual governo é manter diretrizes econômicas de Temer, mas aponta erros

Secretário da Fazenda paulista afirmou que muitos dos pontos da MP da Liberdade Econômica foram traçados durante sua gestão no Ministério da Fazenda

admirável mundo novo

Economia digital vira gargalo para tributação

Na era dos aplicativos de serviços, impressoras 3D, robôs, moedas virtuais e marketplaces, o sistema tributário ficou obsoleto e tem tirado o sono do Fisco

mudança de cenário

Com queda nos juros, busca por crédito tem o maior crescimento em 9 anos

Desde janeiro, o aumento do número de pessoas que buscaram crédito foi de 10,3%, em relação a igual período do ano passado, segundo a Serasa Experian

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements