Menu
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Reforma deve sair hoje, mas crise já começou

Presidente Bolsonaro irá “bater o martelo” sobre reforma da Previdência hoje, mas é a crise envolvendo o secretário-geral da Presidência, Gustavo Bebianno, que chama a atenção

14 de fevereiro de 2019
5:58 - atualizado às 9:45
previdencia
Lá fora, destaque para dados da balança comercial chinesa e esperança sobre acordo comercial

O presidente Jair Bolsonaro irá “bater o martelo” hoje sobre a proposta do governo para a reforma da Previdência, mas é a primeira crise no Palácio do Planalto, envolvendo o secretário-geral da Presidência, Gustavo Bebianno, que deve chamar a atenção do mercado financeiro. Afinal, os investidores já estão preocupados com uma idade mínima menor para aposentadoria e a possível saída de um ministro tende a elevar a tensão.

Ontem, pouco antes de receber alta médica do hospital, Bolsonaro afirmou que Bebianno pode “voltar às origens”, se estiver envolvido e for responsabilizado no caso das “candidaturas laranjas” do PSL. O presidente disse ainda que pediu ao ministro Sergio Moro (Justiça) para que a Polícia Federal investigue as suspeitas sobre repasses do partido na campanha eleitoral do ano passado, quando Bebianno comandava a sigla.

O ministro afirmou que não se sente pressionado nem pretende pedir demissão em razão do episódio, alegando ainda que não é pivô de uma crise. Ele disse também que irá se defender das acusações e que deve conversar com Bolsonaro sobre o assunto. Aliás, um dos filhos do presidente, o vereador Carlos Bolsonaro, divulgou um áudio para afirmar que Bebianno mentiu ao dizer que falou com o presidente três vezes na terça-feira.

Em meio à essa lavação de roupa suja em público, fica difícil para o investidor concentrar-se apenas na reforma da Previdência. Afinal, Bebianno tem um cargo muito próximo ao presidente. Além disso, a posição dura de Bolsonaro sobre o caso levanta dúvidas do porquê a mesma postura não foi adotada no episódio envolvendo outro filho, Flávio, e a movimentação financeira atípica de um assessor.

Bate o martelo

Seja como for, a expectativa em torno dos principais pontos da reforma é grande. Ainda mais após ter causado mal-estar no mercado financeiro a notícia de que a idade mínima será fixada em 57 anos para mulheres e 62 anos para homens. Ao que tudo indica, Bolsonaro ainda não se decidiu e pode até optar por uma faixa mais alta, de 60 e 65 anos.

Também ontem, ele afirmou que “baterá o martelo” hoje sobre a proposta final do governo a ser encaminhada ao Congresso. O presidente irá se reunir às 15h com os ministros Paulo Guedes (Economia) e Onyx Lorenzoni (Casa Civil) no Palácio da Alvorada. Será fundamental ver qual lado irá vencer essa queda-de-braço, já que a equipe econômica quer uma reforma mais dura, enquanto a ala política defende medidas mais brandas.

Dependendo da decisão sobre as idades mínima, haverá um período de transição, que pode ir até depois de 2030. A proposta também deve abranger servidores públicos, que terão que cumprir requisitos para se aposentar. Já as mudanças para policiais (militares, civis e bombeiros) serão parecidas com as que serão aplicada aos militares.

Comércio no radar

Enquanto o mercado financeiro no Brasil só tem olhos para a reforma da Previdência, o foco no exterior segue na questão comercial. Mesmo assim, os mercados internacionais relegam os dados robustos da balança comercial chinesa no mês passado e estão mais atentos à possibilidade de acordo entre Estados Unidos e China.

A notícia de que o presidente norte-americano, Donald Trump, pode estender em 60 dias o prazo final da trégua tarifária anima os índices futuros das bolsas de Nova York. Inicialmente, a suspensão temporária está prevista para encerrar no início do mês que vem, mas pode ser adiada se os dois países estiverem próximos a um acordo.

Mas as principais bolsas asiáticas fecharam na linha d’água, com um leve viés negativo, com os investidores deixando em segundo plano o inesperado aumento de 9,1% das exportações chinesas em janeiro. O número reverte a queda de 4,4% observa em dezembro e vai na contramão da expectativa de -4,1%.

Já as importações chinesas caíram 1,5% no mês passado, menos que o recuo de -7,6% no mês anterior. A previsão era de queda maior, de -11%. Com isso, o saldo da balança comercial chinesa ficou positivo em US$ 39,16 bilhões, bem abaixo do superávit de US$ 57,06 bilhões em dezembro, mas acima da estimativa de +US$ 25,45 bilhões.

Nos demais mercados, as principais bolsas europeias apontam para ganhos modestos na abertura, ao passo que os bônus norte-americanos (Treasuries) recuam, juntamente com o dólar. Entre os destaques nas moedas, o yuan chinês (renminbi) avança, assim como a libra esterlina, antes de uma votação sobre o Brexit. Já o petróleo se recupera e sobe.

Economia real x Mercado Financeiro

O fato é que a economia real não está comprando a história do mercado financeiro em relação à guerra comercial nem quanto à reforma da Previdência. Em ambos os casos, parece haver certo descolamento da realidade.

Enquanto os ativos alimentam expectativas de uma solução definitiva entre Estados Unidos e China e de uma aprovação rápida de novas regras para a aposentadoria no Congresso, os dados e balanços continuam apontando para uma desaceleração econômica global. Já a articulação política do governo Bolsonaro tem falhado tanto dentro quanto fora da equipe.

Lá fora, os investidores parecem não saber que são pequenas as chances de o secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, e o representante do Comércio dos EUA, Robert Lighthizer, conseguirem um acordo com Pequim sobre o comércio. E o principal motivo para isso é que os chineses não confiam na autoridade de ambos na Casa Branca.

Afinal, a palavra final será sempre de Trump. Para os chineses, o relacionamento interpessoal é fundamental para alcançar algum acordo comercial. Com isso, eles só irão aceitar algum termo definitivo, quando souberem qual é o ponto final (que Trump deseja) e, então, colocar o líder Xi Jinping para assiná-lo.

Nesse sentido, é importante saber qual será a estratégia dos EUA em relação à inteligência artificial, à propriedade intelectual e ao Big Data, fatores tidos como centrais para moldar o desenvolvimento tecnológico nas próximas décadas. Afinal, se Trump decidir proteger a inovação, ele pode abalar todo o talento e know-how que o Vale do Silício tem tido há anos.

No Brasil, os setores produtivos estão clamando por confiança e estabilidade nas taxas de juros e de câmbio, de modo a retomar os investimentos e fazer a atividade voltar a rodar. O problema é que com os investidores apostando que a Selic deve voltar a cair, o dólar tende a ficar mais pressionado. Já o Ibovespa poderia subir, não fosse a carência de fluxo externo.

Atividade e inflação em destaque

No fim do dia, a China volta à cena para anunciar dados de inflação ao consumidor (CPI) e ao produtor (PPI) em janeiro. Também à noite, saem os números do Produto Interno Bruto (PIB) do Japão no trimestre passado. Logo cedo, é a vez do PIB da zona do euro e dos principais países da região da moeda única.

Esses dados podem lançar luz sobre o ritmo da atividade econômica no fim de 2018, dando pistas sobre a perda de tração nas principais economias avançadas na virada para 2019. Ainda na Europa, merece atenção a votação no Parlamento britânico do acordo revisado sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, o chamado Brexit.

Do outro lado do Atlântico Norte, nos EUA, saem dados sobre os preços ao produtor, os pedidos de auxílio-desemprego e as vendas no varejo - todos as 11h30. Também é esperada a posição dos estoques das empresas norte-americanas (13h). No Brasil, sai o desempenho do setor de serviços (9h).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Partido Comunista Chinês diz que economia enfrenta pressões negativas

Dificuldades econômicas se devem a mais fatores estruturais e sistêmicos que cíclicos, diz o partido

Guerra das maquininhas

Ofensiva da Rede chancela discurso do Itaú que defendia pagamento em dois dias

Ao isentar a taxa de antecipação de recebíveis para alguns clientes, a Rede faz um contra-ataque agressivo para ganhar escala; Associação Brasileira de Instituições de Pagamentos, presidida por um diretor da Stone, vê prática anticompetitiva

Enquanto isso, no WhatsApp

Plano de Guedes para gás mais barato encontra resistência na Petrobras

Setores da Petrobras resistem ao plano do ministro da Economia, Paulo Guedes, de abrir o mercado de gás e acabar com o monopólio da estatal

Petrobras

Alta da gasolina este ano é superior à do óleo diesel

Petrobras, contudo, não repassou integralmente os ajustes da cotação do petróleo no mercado internacional, e gasolina aumentou menos do que deveria

Reforma da Previdência

Centrão diz que pode votar reforma na CCJ na terça, mas espera novo relatório

De acordo com parlamentares ouvidos pela reportagem, há avanços para a retirada de quatro pontos do relatório

IPO

Rede social Pinterest estreia na bolsa com alta de 28%

IPO da rede social na bolsa de Nova York ocorreu na última quinta. A valorização fez a empresa ser avaliada em US$ 16 bilhões

TUDO QUE VAI MEXER COM SEU DINHEIRO HOJE

Hora do acerto de contas

Caro leitor, Desde que eu comecei a cobrir finanças pessoais e investimentos, o mês de abril tem sido de especial agitação. E isso não apenas por causa do meu inferno astral, já que meu aniversário é no começo de maio, mas também porque se avizinha o fim do prazo para entregar a famigerada declaração de […]

Disputa pelos ares

Cade analisará Latam e Gol no caso Avianca

Órgão de defesa da concorrência abre processo para investigar conduta anticompetitiva de Gol e Latam. A suspeita é que companhias tenham entrado na disputa de forma a tirar a Azul da jogada

Vídeo

Por que a política tem tanta influência na bolsa brasileira?

Nas últimas semanas, canetadas presidenciais mexeram com o Ibovespa. Entenda por que quem investe em ações no Brasil tem que ficar mais de olho na política do que o normal

IR 2019

Como declarar o imposto de renda 2019: tudo que você precisa saber para prestar contas ao Leão

Neste guia, você encontra o caminho das pedras para preencher e entregar a sua declaração de imposto de renda, mesmo que seja a sua primeira vez

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu