Menu
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Congresso em foco

Deputados e senadores eleitos (e reeleitos) iniciam os trabalhos hoje e a expectativa recai na eleição para as presidências da Câmara e do Senado

1 de fevereiro de 2019
5:28 - atualizado às 8:46
Decisão de colocar em votação projetos de reforma do governo Bolsonaro depende do Congresso -

O novo Congresso Nacional assume hoje, após as eleições de outubro promoverem a maior renovação na composição da Câmara e do Senado desde 1990. Fragmentado partidariamente e conservador nos valores, o poder Legislativo será fundamental para as pretensões liberais e reformistas do governo Bolsonaro

Ciente disso, o mercado financeiro brasileiro está atento às eleições dos presidentes das duas Casas, que também acontecem hoje (18h). Os partidos políticos têm se articulado para definir os votos. Mas o Congresso caminha para ter a mesma “cara”, com Rodrigo Maia e Renan Calheiros à frente dos eleitos sob o signo da rejeição da velha política.

Entre os deputados, o nome do DEM é franco favorito. Já no Senado, o (pe)emedebista alagoano pode chegar à presidência da Casa pela quinta vez. Mas a escolha de ambos pode ser uma boa notícia ao Executivo, já que sinalizam apoio à agenda de reformas e às propostas de privatizações.

Mas enquanto Maia deve ser reeleito com larga vantagem, a situação no Senado é mais complexa. O maior adversário de Renan na disputa pode ser o voto aberto. Até por isso, os contrários à reeleição dele articulam para que a votação não seja secreta. Em tese, isso pode constranger seus apoiadores, tornando mais difícil a vitória de Renan.

Outro mal-estar na Casa vem de Flávio Bolsonaro e a pressão por causa de movimentações bancárias atípicas apontadas pelo Coaf, envolvendo um ex-assessor do senador mais votado do Rio. Aliás, quem também volta aos trabalhos hoje é a Corte Suprema (STF) e a liminar que suspende a investigação de Fabrício Queiroz deve ser cassada.

Mercado aposta alto

O investidor vem “apostando alto” na aprovação da reforma da Previdência. E é a perspectiva de que as regras para aposentadoria serão alteradas em breve - talvez até a virada do primeiro para o segundo semestre, sem solavancos, que tem levado a Bolsa brasileira a sucessivos recordes, rumo aos 100 mil pontos, e afundado o dólar para abaixo de R$ 3,70.

Por isso, será fundamental aferir o apoio do Congresso na aprovação das reformas. O texto da Previdência deve contar com o aval de Estados e municípios, devido à crise fiscal espalhada pelo país. Ainda mais depois da sinalização do presidente Jair Bolsonaro, de que ninguém ficará de fora das novas regras - o que inclui servidores civis e os militares.

O entendimento do mercado financeiro é de que a aprovação da reforma da Previdência irá mudar de patamar o nível de juro neutro no Brasil, o que contribui para uma estabilidade maior do dólar e reduz o prêmio de risco do país. Tais condições criam um ambiente favorável à reavaliação da nota de crédito soberano (rating) pelas agências.

E o mercado, como se sabe, antecipa movimentos e já vislumbra uma melhora no rating brasileiro, recolocando o país em direção ao grau de investimento e à conquista do selo de “bom pagador”. Essa nota, é bom lembrar, é tida como critério para determinar a alocação de recursos de muitos fundos e investidores estrangeiros, atraindo capital ao país.

Em meio a essa antecipação, o principal índice acionário da Bolsa, o Ibovespa, encerrou janeiro com valorização de quase 11%. O dólar foi na direção contrária e encerrou o mês cotado na faixa de R$ 3,65, no menor nível desde o fim de outubro do ano passado - ou seja, no período pós-eleições. Já o prêmio dos juros futuros (DIs) derreteu.

Esse movimento local, porém, acompanhou o desempenho robusto dos mercados globais, com as ações ao redor do mundo registrando a melhor performance mensal em mais de sete anos.

Payroll é destaque lá fora

No exterior, depois que o Federal Reserve reiterou que irá exercitar a “paciência” antes de adotar algum movimento em relação à taxa de juros norte-americana, é fundamental que o mercado de trabalho nos Estados Unidos pare de emitir sinais de acúmulo de pressão inflacionária vinda dos salários. Do contrário, o próximo passo do Fed pode ser de alta.

Originalmente, a expectativa era de geração de 190 mil vagas de trabalho em janeiro, com a taxa de desemprego seguindo nos menores níveis em décadas, em 3,9%, ao passo que o ganho médio por hora deveria manter o ritmo de crescimento, com +0,3% no mês e +3,2% no confronto anual. É válido lembrar que a paralisação do governo dos EUA (shutdown) durante praticamente todo o mês passado tende a distorcer os números finais.

À espera dos dados efetivos, os índices futuros das bolsas de Nova York exibem leves ganhos, após uma sessão mista na Ásia. Os investidores mostram certa decepção com a ausência de acordo entre EUA e China na questão comercial, mas veem progresso nas negociações. Um novo encontro entre os presidentes Donald Trump e Xi Jinping deve ocorrer em breve.

Segundo o líder da Casa Branca, existem alguns pontos de desacordo, mas "quando Xi e eu nos encontrarmos, todos os pontos serão aceitos”. O cessar-fogo entre os dois países deve terminar em 2 de março e espera-se que a Casa Branca eleve os impostos de importação sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses, de 10% para 25%.

Nos demais mercados, o petróleo ensaia ganhos, enquanto o dólar está mais fraco. De volta à agenda econômica, o relatório oficial sobre o emprego nos EUA (payroll) será divulgado às 11h30. Depois, às 13h, saem dados sobre a atividade nos setores da indústria e da construção civil, além da confiança do consumidor.

Ao longo do dia, serão conhecidos os resultados das vendas das montadoras norte-americanas em janeiro. Também serão conhecidos dados sobre a atividade industrial na zona do euro (7h) e no Brasil (9h), além de números sobre a inflação ao consumidor na região da moeda única e nas principais capitais brasileiras em janeiro, ambos às 8h.

A previsão para o desempenho do setor nacional é de estabilidade em dezembro, após interromper em novembro quatro meses seguidos de queda. Se confirmado, o número deve corroborar a lentidão da recuperação econômica, com a atividade perdendo tração no confronto anual e registrando o segundo resultado negativo consecutivo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Com governo em crise

“Estamos determinados a mudar o rumo do país”, diz Bolsonaro no Twitter

Segundo presidente, o governo está fiscalizando recursos, diminuindo gastos, propondo endurecimento penal e a reforma da Previdência

Crise no governo

Magoado, Bebianno não vai poupar filho de Bolsonaro

A interlocutores, Bebianno tem deixado clara sua mágoa com a atitude do vereador do Rio de Janeiro que tentou lhe cunhar a pecha de mentiroso

No Twitter

Trump diz que fará reuniões e ligações importantes sobre acordo comercial com a China

Na última sexta-feira, Trump comunicou que americanos e chineses estariam “muito próximos” de um “acordo muito bom”

Entrevista

“Sem investimentos será difícil continuar”, diz presidente da GM no Brasil

Segundo Carlos Zarlenga, negociações com funcionários, fornecedores, concessionários e governos para atrair novos projetos estão dando certo

Reformar é preciso

Guedes vence primeira batalha da Previdência, mas guerra será longa

Força da reforma parcialmente apresentada está no tempo de transição de 12 anos, mais curto que o previsto no texto enviado por Michel Temer

Bon Vivant

Hospedagem com tons de realeza: conheça os mimos dos hotéis ‘6 estrelas’ do Brasil

Hotéis mais luxuosos do país apostam em experiências exclusivas, vinhos e charutos raros, além de uma boa dose de romantismo

Caso Coaf

MP teria informação de que advogado de Flávio Bolsonaro atuou no caso Queiroz, diz jornal

Motorista de senador, Victor Alves teria mantido contato direto com o ex-motorista em nome de Flávio nos primeiros dias, quando o caso veio à tona

Small cap

A prova de fogo da Linx para emplacar seu sistema de pagamentos, o Linx Pay

Para esclarecer como será feita a distribuição da nova solução e quais são as perspectivas para o futuro da empresa, conversei com o presidente da companhia, Alberto Menache

Após 'briga' com setor agropecuário

Equipe econômica vai revisar 37 medidas antidumping

De acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), estão em revisão 37 medidas antidumping e outras 39 vencem ao longo de 2019

Suspeita de lavagem de dinheiro

Raquel Dodge pede ao STF que mande para o TRE inquérito que envolve Kassab e JBS

No inquérito, a PF identificou pagamentos de R$ 23,1 milhões da JBS a Kassab e disse ver indícios de lavagem de dinheiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu