Menu
2019-05-06T11:04:17+00:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco) e “Abandonado” (Geração).
Bancos

Bradesco vai às compras nos EUA e leva banco na Flórida por US$ 500 milhões

Com atuação há 45 anos no mercado americano, o BAC Florida cai como uma luva nos planos do Bradesco de ampliar serviços a clientes de alta renda e milionários

6 de maio de 2019
9:11 - atualizado às 11:04
Bradesco Acelerando
Imagem: Montagem Andrei Morais / Estadão Conteúdo / Shutterstock

O Bradesco foi às compras novamente, desta vez na Flórida. O segundo maior banco privado brasileiro anunciou hoje pela manhã a compra do BAC Florida Bank, em um negócio de US$ 500 milhões (R$ 1,975 bilhão, nas cotações atuais).

Com foco no atendimento pessoas físicas de fora dos Estados Unidos e cerca de 10 mil clientes, o BAC Florida tem sede em Coral Gables e atua há 45 anos no mercado americano.

O negócio cai como uma luva nos planos do Bradesco, que pretende justamente ampliar os serviços para seus clientes de alta renda (Prime) e os milionários do segmento private. O banco é hoje o segundo maior gestor de fortunas do país, com R$ 200 bilhões sob gestão e aproximadamente 13 mil clientes.

"Nós tínhamos a carência de uma plataforma para atender clientes de alta renda nos EUA, e o BAC tem uma atuação muito complementar à do Bradesco", afirmou o presidente do banco, Octavio de Lazari, em uma teleconferência com a imprensa nesta manhã.

Como os brasileiros representam 20% dos correntistas do BAC, o negócio também amplia a atuação do Bradesco entre investidores da América Latina.

Como o BAC não estava à venda, a iniciativa da negociação partiu do próprio Bradesco, que procurou no ano passado os controladores do banco, que pertence a um grupo da Nicarágua.

"Tivemos sorte até no nome", disse Lazari. O banco vai manter a sigla BAC, mas agora ela como acrônimo de Bradesco America Company.

A ideia do Bradesco é oferecer aos clientes endinheirados a possibilidade de ter uma conta nos EUA com todos os produtos, incluindo crédito imobiliário e investimentos, com a possibilidade de movimentação por meio de um aplicativo. Lazari reforçou que não faz parte da estratégia do banco atuar no varejo fora do Brasil.

O negócio está sujeito à aprovação de praxe dos órgãos reguladores brasileiros e americanos. A expectativa do Bradesco é que o aval para a compra saia em até oito meses.

Aos números

Ao contrário do Brasil, o sistema financeiro americano é altamente fragmentado. O BAC é apenas o quinto maior banco da região sul da Flórida, com US$ 2,23 bilhões em ativos (R$ 8,81 bilhões) e US$ 1,84 bilhão em depósitos (R$ 7,27 bilhões). No ano passado, o banco teve lucro de US$ 29,4 milhões (R$ 116,8 milhões).

A aquisição não foi uma pechincha, mas também não saiu tão cara. O banco pagou o equivalente a 2,55 vezes o patrimônio líquido do BAC, considerando o dado do fim do ano passado (US$ 205,9 milhões) menos o resgate de ações preferenciais. Trata-se de um múltiplo um pouco inferior ao do próprio Bradesco, cuja ação (BBDC4) é negociada a 2,3 vezes o patrimônio na bolsa.

A nova tacada do Bradesco acontece sete meses depois da compra da RCB Investimentos, que atua na gestão e cobrança dos chamados "créditos podres", em atraso há pelo menos um ano. Foi a segunda aquisição sob o comando de Lazari, que assumiu a presidência do banco no começo de 2018.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Disputa com Centauro

Magazine Luiza contra-ataca e eleva oferta pela Netshoes para US$ 93 milhões

A varejista decidiu elevar a oferta pelo site de produtos esportivos para US$ 3,00 por ação depois que a Centauro entrou na disputa com uma oferta hostil lançada na quinta-feira

Nas ruas do país

“Pergunta para o povo”, diz Bolsonaro, sobre manifestações

Perguntado sobre a quantidade de pessoas nas ruas, Bolsonaro declarou que as “imagens valem mais do que mil palavras”

Nas ruas do país

Atos pró-Bolsonaro chegam a 93 municípios de 25 Estados e DF

Em São Paulo, a manifestação a favor do governo ocorre na Avenida Paulista e os participantes estão distribuídos por sete quarteirões

Entrevista

“Reforma tem boa chance de passar. Talvez não no prazo ideal”, diz Pedro Parente

Ex-ministro e atual presidente da BRF, Parente vê com naturalidade a atual desarticulação entre o presidente Jair Bolsonaro e o Congresso

Dia de manifestações

Bolsonaro posta no Twitter vídeos de atos pró-governo

A conta do presidente na rede social trouxe três vídeos de manifestantes nas cidades do Rio de Janeiro, em São Luís, no Maranhão, e em Juiz de Fora, no interior de Minas

Trabalho para os liberais

Kleber Bambam e o twitter de Bolsonaro: por que a economia não sai do paredão?

Para Adolfo Sachsida, secretário de política econômica do Ministério da Economia e fã do Big Brother Brasil, problema está no desajuste fiscal herdado das gestões petistas, e não nas polêmicas do Twitter

Das redes ao asfalto

Manifestações nas ruas testam apoio a Bolsonaro

Receio da equipe de Bolsonaro é de que, se não houver uma adesão de peso às manifestações, isso seja interpretado como um sinal de perda de popularidade

Armas

Novo decreto de Bolsonaro mantém brecha para compra de fuzis

Governo mudou texto para evitar venda de fuzis a civis, que fez as ações da Taurus dispararem na semana passada. Mas Procuradoria diz que novo decreto mantém essa possibilidade

Cannabusiness

O dia não tão distante em que os supermercados americanos venderão produtos feitos com planta de maconha

Todos querem sua fatia de uma indústria que deve ultrapassar os US$ 2 bilhões nos EUA até o próximo ano, uma vez que pesquisas vêm mostrando que os consumidores estão dispostos a pagar preços mais altos pelos produtos

Reduzindo os gargalos

Judiciário prepara pacote de medidas para acelerar recuperações judiciais

Em média, em São Paulo, são 567 dias (cerca de um ano e meio) entre a Justiça aceitar o pedido de recuperação de uma empresa e apreciar o plano de reestruturação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements