Menu
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco) e “Abandonado” (Geração).
Bancos

Bradesco quer ser mais ativo na cobrança de dívidas após aquisição da RCB

Segundo maior banco privado brasileiro anunciou compra de 65% de gestora especializada na recuperação de créditos em atraso. Valor não foi revelado, mas segundo fontes o negócio foi de R$ 224 milhões

2 de outubro de 2018
13:18 - atualizado às 13:50
Imagem: Shutterstock

O Bradesco espera ser ainda mais ativo na cobrança de dívidas de seus clientes depois da compra da RCB Investimentos, gestora especializada na recuperação de créditos  “podres”.

O segundo maior banco privado brasileiro anunciou na manhã de hoje a aquisição de 65% da empresa, que possui uma carteira de financiamentos R$ 20 bilhões. Mas vale lembrar que o valor recuperado acaba sendo bem menor, já que boa parte desses créditos está em atraso há vários anos.

O banco não revelou o valor do negócio, mas segundo fontes o banco pagou R$ 224 milhões pela participação. Os demais 35% da companhia ficaram com os atuais sócios - a americana PRA e os dois fundadores.

Participei hoje da teleconferência com a imprensa na qual o banco detalhou o negócio. A expectativa é aumentar em 20% e 25% o índice de recuperação de empréstimos em atraso nos próximos dois anos, segundo Eurico Fabri, vice-presidente do banco. Para isso, a RCB vai competir com a área interna do banco na cobrança dos inadimplentes.

O Bradesco já havia melhorado em quase 45% o desempenho da cobrança nos últimos anos, mas vê espaço para melhorar. “Temos a maior recuperação de crédito entre nossos pares”, disse Fabri.

O banco pretende continuar vendendo para terceiros a carteira de financiamentos vencidos há mais de um ano, que já foram baixados do balanço. Ou seja, a RCB não terá exclusividade nesse negócio.

A gestora também poderá comprar créditos de outras instituições. O negócio prevê a criação de fundos para o investimento em créditos podres. Nesse caso, o Bradesco deve entrar com 40% dos recursos e os demais sócios com o restante. Os valores dos fundos ainda não foram definidos.

A aquisição ainda precisa ser aprovada pelos reguladores. Na aquisição do HSBC, em junho de 2016, o Bradesco se comprometeu com com o Cade, o órgão de defesa da concorrência, a não fazer novas compras no país nos próximos dois anos e meio.

Mas o vice-presidente do Bradesco não acredita que terá problemas na aprovação, já que o acerto com o Cade restringia apenas negócios com outras instituições financeiras - o que, segundo ele, não é o caso da RCB.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Dia 17

Buona Sera, Queiroz

Presidente dá entrevista à emissora italiana e STF entra no caso Queiroz

Governo brasileiro no Fórum Econômico Mundial

O que dirá Paulo Guedes em Davos?

Ideia é atualizar as perspectivas com relação ao futuro do Brasil, transmitindo a imagem de uma democracia vibrante e que funciona bem

Estatal vai recorrer

Petrobras tem revés no Carf e pode pagar até R$ 1,5 bilhão em processo

Petroleira informou que aguarda a intimação oficial na via administrativa e que pretende recorrer da decisão

Meios de pagamento

Em negócio bilionário de fintechs, Fiserv compra First Data por US$ 22 bilhões

A união fortalece as companhias na disputa contra os novos competidores nesse mercado. First Data é dona da marca Bin de maquininhas de cartão no Brasil

Longo prazo

Enel vende por R$ 2,9 bilhões usinas renováveis à CGNEI, da China

Valor total da transação entre as companhias foi US$ 700 milhões (cerca de R$ 2,9 bilhões); as três usinas possuem contratos de venda de energia de longo prazo (PPAs) em vigor

Ex-motorista de Flávio Bolsonaro

STF suspende investigação sobre movimentações financeiras de Queiroz

Ex-motorista do senador eleito, Queiroz é investigado por transações atípicas

câmbio

O que o mercado futuro nos diz sobre o dólar?

Cotação da moeda americana, que fez mínimas a R$ 3,68 na semana passada, volta a mirar os R$ 3,80

Passo a passo

10 regras de bolso para quem quer investir sem ter trabalho

Não quer se tornar um ás dos investimentos? Tem preguiça? Não tem tempo para se dedicar? Seus problemas acabaram! Siga essas dicas para investir no modo “easy”

Vídeo

Desaceleração da China: por que o que acontece do outro lado do mundo importa para o investidor

Por que as bolsas ao redor do mundo são afetadas pelas perspectivas para a economia chinesa? E como os investimentos dos brasileiros são afetados pelo que acontece no gigante asiático? Entenda por que você também deveria ficar sempre de olho na China

Exile on Wall Street

Cinco passos para a real educação financeira

O mercado financeiro pertence aos praticantes: as pessoas aprendem e se educam a partir da prática; o conhecimento precisa emanar da prática para a teoria. E não o contrário.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu