Menu
2019-06-23T12:03:20+00:00
Nicolas Gunkel
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP) com Nanodegree em Marketing Digital pela Udacity. Foi editor de Redes Sociais e repórter do site Exame, além de repórter no jornal Metro São Paulo.
RALI

Bitcoin ultrapassa US$ 10 mil e vai ainda mais longe. O que explica?

Alguns fatores têm catalisado a alta do preço das criptomoedas nos últimos dias. Desde o início do ano, o bitcoin bateu com folga os principais índices do mercado

23 de junho de 2019
12:03
Criptomoedas bitcoin
Bitcoin: alta de 150% desde o início do anoImagem: Shutterstock

A criptomoeda Bitcoin (BTC) bateu a cotação de US$ 10 mil pela primeira vez desde março de 2018. Na última sexta-feira (21), o ativo acelerou e subiu cerca de 10%, batendo a marca dos US$ 10,7 mil.

No sábado, porém, o Bitcoin foi ainda mais longe e chegou ao patamar dos US$ 11,2 mil em sua máxima. Outras criptomoedas, como Ethereum, Litecoin e XRP, também experimentaram altas de dois dígitos no período.

Segundo Billy Bambrough, colunista de blockchain do site da americana Forbes, o movimento fez com que muitos lembrassem do rali da moeda no fim de 2017, quando o bitcoin subiu de US$ 10 mil para US$ 20 mil em menos de 20 dias.

Não custa lembrar, claro, que valor do ativo caiu para apenas US$ 3,2 mil menos de um ano depois.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Razões da alta do Bitcoin

Alguns fatores têm catalisado a alta do preço das criptomoedas. Entre eles, estão os recentes anúncios de criação da Libra, nova divisa digital do Facebook, e da JPM coin, moeda do JPMorgan.

A entrada de grandes players no mundo cripto tem ajudado a validar o mercado de criptoativos e blindá-los de ataques de autoridades pelo mundo.

Um caso emblemático é a Índia, onde o governo tem empreendido uma verdadeira cruzada contra redes e tecnologias descentralizadas.

Depois de fechar o cerco contra aplicativos como Telegram e Reddit, o novo alvo foram as criptomoedas. Os ativos digitais chegaram a ser ameaçados de banimento no país, sob o pretexto de representarem esquemas de pirâmides.

Contudo, o efeito dos ataques teve o efeito oposto do esperado, e acabou jogando luz à existência desses ativos. Antes desconhecido de grande parte da população, o Bitcoin viu sua demanda subir fortemente na Índia desde o início do ano, colocando pressão sobre o preço do ativo.

Analistas acreditam que, com a entrada de um gigante como o Facebook no xadrez cripto, deve ficar mais difícil para autoridades tentarem um xeque-mate nas criptomoedas.

Halving

Outro fator diretamente ligado à alta do Bitcoin é a proximidade do halving (ou halvening), evento que acontece de quatro em quatro anos. Quando ele ocorre, a taxa de emissão do criptoativo cai pela metade, e a moeda tende a ganhar valor.

O próximo halving do bitcoin acontece em 2020 e será o terceiro da história. Historicamente, os períodos que antecedem o evento foram responsáveis por grandes altas.

O mesmo fenômeno se aplica ao Litecoin, que enfrentou um rali ainda mais acentuado que o bitcoin desde o início do ano, com valorização de 330%.

O Bitcoin já subiu 150% em 2019, muito acima dos principais índices do mercado.

FOMO

Outro fator ao qual analistas atribuem a inclinação do viés positivo do bitcoin nos últimos dias é o chamado FOMO (do inglês, Fear of Missing Out).

Em poucas palavras, trata-se de um efeito manada despertado pela barreira psicológica dos US$ 10 mil. Com o bitcoin retomando as manchetes de jornais e outros veículos, muitos investidores de varejo devem voltar a se posicionar na criptomoeda, pressionando ainda mais seus preços.

Vale a pena entrar?

Se você quer aproveitar o bull market dos criptoativos, mas não sabe se ainda vale a pena entrar, vale a pena assistir ao último vídeo de Fausto Botelho sobre o assunto. Nele, o analista gráfico argumenta que quatro criptomoedas devem ter forte alta.

Se você quer se arriscar menos, mas ainda sim aproveitar a alta das criptos, sugiro fortemente que leia a reportagem de Bruna Furlani sobre o primeiro fundo brasileiro de cripto. Em seus primeiros sete meses, ele rendeu nada menos que 720% do CDI. E por que ele é menos arriscado? Porque 80% de seus recursos são investidos em títulos públicos.

No momento de publicação dessa reportagem, o Bitcoin a cotação do bitcoin era cotado a US$ 10.729

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

AIRBNB

“Não vamos aceitar alegações de concorrência desleal”, diz Leonardo Tristão

No ano passado, o impacto econômico do serviço – que inclui refeições, passeios e outros gastos que os turistas fazem além da hospedagem – foi de R$7,7 bilhões, alta de 92% em relação a 2017

SÃO OS NEGÓCIOS

Influenciadores dão “jeitinho” após fim da contagem de curtidas no Instagram

A rede começou a esconder o número de curtidas em fotos no Brasil. Agora, cada pessoa só acessa os próprios números – uma forma, diz o Instagram, de reduzir o impacto à saúde mental

A FONTE DO PROBLEMA

“Desigualdade tem de ser combatida no imposto de renda”, diz Orair

No primeiro trimestre deste ano, a desigualdade de renda dos trabalhadores brasileiros atingiu seu maior nível em pelo menos sete anos

5º MAIS RICO DO MUNDO

Carlos Slim, o bilionário que lucrou com um monopólio e virou o ‘dono do México’

Com conglomerado de mais de 200 empresas, empresário acumulou fortuna de US$ 60 bilhões, que equivale a 6% do PIB do país, e se tornou o quinto homem mais rico do mundo.

MAIS UMA

Bolsonaro afirma que governadores do Nordeste tentam manipular eleitor

O uso de um termo pejorativo para se referir aos nordestinos provocou a reação de governadores da região, que manifestaram “espanto e profunda indignação”

BNDES

Com BNDES menor, pode faltar crédito para investimento

O patamar de desembolsos em torno de R$ 70 bilhões por ano, sinalizado pelo novo presidente, equivale a 1% do Produto Interno Bruto, menor nível em 20 anos.

Boa notícia

Risco volta ao nível de quando país tinha selo de bom pagador

Além do avanço na reforma previdenciária, contribuiu para a redução do risco país o cenário de um mercado internacional mais calmo

Bandeira eleitoral

Tema “corrupção” perde espaço no Twitter de Bolsonaro

Depois de assumir o poder, o assunto perdeu espaço em sua timeline e, segundo levantamento no perfil do presidente, apareceu em apenas 1,4% das postagens.

Uma dose de realismo

Bilionários garantem: este é o melhor momento para se estar vivo

Bill Gates, Warren Buffett, Elon Musk e Barack Obama são categóricos: se você pudesse escolher qualquer momento na história para nascer, seria este.

Promessa é dívida

MAIS LIDAS: Oi e FGTS foram as grandes promessas da semana

São elas: a liberação do saque do FGTS pelo governo Bolsonaro e o plano da diretoria da Oi de tirar a empresa do buraco. Confira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements