Menu
2019-09-05T12:45:52+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Juros

BC não deixará de cortar a Selic por causa do dólar

Segundo Roberto Campos Neto há espaço para queda adicional do juro e intervenção no dólar é para dar estabilidade ao câmbio

5 de setembro de 2019
12:45
roberto Campos neto
Presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto - Imagem: Raphael Ribeiro/BCB

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, fez um breve discurso em evento nesta quinta-feira e a mensagem que se extrai é a seguinte: a alta do dólar não será impeditivo para cortes na Selic.

Ao reafirmar a mensagem de política monetária de que “deixamos espaço para uma queda adicional” do juro básico, Campos Neto também fez uma afirmação do princípio da separação dos instrumentos à disposição do BC.

A taxa de juros é utilizada para controlar a inflação. As medidas macroprudenciais asseguram a estabilidade financeira. E as intervenções cambiais funcionam como mecanismo de estabilidade no mercado de câmbio.

Essa ênfase na função de cada instrumento é novidade na apresentação do presidente, que desde a última reunião do Copom, em 31 de agosto, já fez ao menos oito palestras para diferentes públicos.

 

O que limita a atuação do BC é o comportamento da inflação e das expectativas e o que Campos Neto tem enfatizado é que essas duas variáveis seguem ancoradas nas metas, apesar do aumento da instabilidade no cenário externo e maior volatilidade no dólar.

Ao falar que as atuações do câmbio visam a estabilidade do sistema, o presidente tenta afastar a leitura recorrente de que o BC atuar para segurar o câmbio ou que o dólar tenha piso ou tenha teto.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Sem relação mecânica e direta

Guardadas as proporções, essa reafirmação de cada instrumento e seu propósito lembra eventos no qual o mercado passou a acreditar que o BC subiria o juro para “segurar” a taxa de câmbio. E não faz tanto tempo assim, entre o fim de maio e junho do ano passado, o então presidente e Ilan Goldfajn e diretores tiveram de reafirmar que não existia relação mecânica e direta entre o aumento de incerteza e a política monetária.

No momento, víamos um choque adverso para emergentes, liderado pela Turquia e Argentina, e estourava a greve dos caminhoneiros. Momento semelhante também foi vivido depois do “Joesley Day” em maio de 2017.

O BC não reage à cotação do câmbio, mas sim quando essa valorização do dólar passa a se espraiar pelos demais preços da economia. São os chamados efeitos de segunda ordem, regra que também vale para demais choques de preço.

Por ora, o dólar acima de R$ 4 não contaminou inflação corrente e expectativas, por isso Campos Neto reafirma a mensagem de política monetária.

A dúvida é como esse dólar mais caro pode atuar como um limitador do tamanho ciclo, que o mercado estima terminará com juro entre 4,5% a 5% ao ano.

Teremos uma ideia no dia 18, quando o Copom apresenta sua decisão e atualiza suas projeções utilizando esse dólar “mais caro”. Com Selic a 5,5% e dólar de R$ 3,75 neste ano e R$ 3,90 em 2020, a inflação ficaria em 3,6% em 2019 e 3,9% em 2020. Abaixo das metas de 4,25% e 4%, respectivamente.

A íntegra do discurso está aqui e a apresentação aqui.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Novidades à vista

Bolsonaro anuncia a aliados saída do PSL e que trabalhará para criar novo partido

A deputada Bia Kicis (PSL-DF) disse esperar que Bolsonaro presida o novo partido. Segundo ela, a primeira convenção da sigla será realizada em 21 de novembro. Ainda de acordo com ela, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) sairá de imediato do partido.

Seu Dinheiro na sua noite

Um buraco na estrada do céu

Uma súbita perda de altitude, seguida por uma forte turbulência, me pegou durante um voo com a família para a Europa, em 2015. Eu já havia passado por instabilidades do tipo antes, mas essa foi a primeira sem o aviso prévio do piloto. Éramos 20 pessoas entre adultos e crianças que partiam para celebrar as […]

Depois do fracasso

Área não arrematada no leilão de petróleo e gás deverá ser apreciada pelo PPI

De acordo com o governo, os parâmetros de bônus de assinatura e de lucro-óleo deverão ser revistos para baixo

Novidades

Fundação de Bill Gates e esposa estão de olho em projeto que cria metal que flutua

A iniciativa da Universidade de Rochester envolve o desenvolvimento de uma estrutura que pode ser utilizada para construir navios ou cidades flutuantes. As informações são da Business Insider

Relação mais que abalada

Trump volta a atacar Fed e diz que BC americano coloca EUA em desvantagem competitiva

Trump voltou a dizer que o Fed, que reduziu a taxa dos Fed funds três vezes neste ano, foi “muito lento” ao cortar juros

Tema mais do que esperado

CAE do Senado aprova projeto de autonomia do Banco Central

Relatório, do senador Telmário Mota (PROS-RR), confere a chamada autonomia formal ao BC, para execução de suas atividades

Comércio

Trump: Acordo com China está próximo, mas só aceitamos se for bom para os EUA

Presidente Donald Trump disse que não culpa a China pelas trapaças no comércio internacional, mas sim seus antecessores que não fizeram nada

Já que não vale PEC...

Alcolumbre levanta possibilidade de Assembleia Constituinte para discutir prisão em 2ª instância

Parlamentares pressionam o presidente do Senado a pautar uma Proposta de Emenda à Constituição autorizando a prisão após segundo julgamento

caso na justiça

Santander ganha causa no TST contra analista demitida por texto contrário a Dilma

Em junho de 2014, a funcionária do banco foi responsável por um documento divulgado a um grupo de clientes que afirmava que a reeleição da então presidente seria negativa para os mercados

Projeção do Fausto

Se passar dos R$ 4,20, dólar pode ir a R$ 5

Neste vídeo, o analista gráfico faz projeções para Ibovespa, S&P 500, dólar, ouro e petróleo, além de falar de 16 ações para ficar de olho

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements