Menu
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Bolsa de Valores

Aposta na privatização de estatais rende até 70% para o investidor

O Ibovespa, principal índice de ações do mercado, decepciona, mas as ações de estatais estão dando porrada

23 de novembro de 2018
19:56
Imagem: Shutterstock

Usando o Ibovespa como parâmetro para o desempenho do mercado de ações, o quadro que se tem é um pouco desanimador. A esperada arrancada pós-eleitoral ainda não apareceu, mas uma forte puxada aconteceu nas ações das estatais.

O mercado já vinha apostando na agenda de privatizações tanto de Jair Bolsonaro, como de outros governos, como Minas Gerais, e essa aposta vai sendo referendada pela indicação dos novos comandantes das estatais.

Dentro desse grupo de empresas que pode passar para o setor privado, o destaque, dentro da amostra selecionada de sete companhias, é a estatal de energia Cemig. As ações da empresa mineira acumulam valorização de 11,5% agora em novembro, contra uma queda de 1,36% do Ibovespa no mesmo período.

Se ampliarmos um pouco a janela de tempo e tomarmos o dia 30 de setembro como “corte pré-eleições”, a valorização das ações ON da Cemig bate 71,8%. No mesmo período o Ibovespa sobe 8,7%.

A também mineira Copasa, de saneamento, não tem um desempeno tão brilhante no mês, avançando 0,19%, mas desde o fim de setembro ganhou 32%.

Outro destaque, esse em âmbito federal, são as ações ordinárias do Banco do Brasil. Agora em novembro o papel sobe 5,8%, e desde o fim de setembro acumula alta de 53,6%. Seu novo presidente, Rubem de Freitas Novaes, fala em eficiência e privatizar o que for possível.

De volta às empresas estaduais, a Sanepar, do Paraná, sobe 14,6% no mês e ganha 62,05% desde o fim de setembro.

As ações da Eletrobras também vão bem, o papel ON sobe 4,55% no mês e 58,41% desde 30 de setembro, e o ativo PNB tem valorizações de 3,95% e 58,41%, respectivamente.

A Petrobras é um caso aparte, pois além do fluxo de notícias envolvendo privatização e nomeações, os ativos reflete em cheio a queda na cotação do petróleo e as incertezas sobre a votação do projeto de cessão onerosa, que tramita no Senado.

Agora em novembro, o papel ON tem queda de 11,6% e o PN recua 11,4%. Desde o fim de setembro, no entanto, PETR3 ainda sobe 10,6% e PETR4 ganha 16%.

A BR Distribuidora tem alta de 1,33% no acumulado do mês e ganha 24,6% desde o fim de setembro. No último dia 13, chegaram a subir mais de 8% na máxima do dia após o vice-presidente eleito, Hamilton Mourão, afirmar que a empresa pode passar para as mãos da iniciativa privada.

Um grande amigo com vasta experiência em mercado sempre me disse que comprar ações de estatais é comprar “risco governo”. Não importa quão bom sejam os fundamentos, o risco que você está tomando é o “governo de plantão”.

O que as ações mostram é que depois de um longo inverno para as estatais, que pode ser caraterizado pelo governo Dilma Rousseff, os investidores estão dispostos a tomar risco de governos, seja ele federal ou estadual.

Mas a volatilidade dos ativos também é bem maior que a média do mercado. O “risco” do Ibovespa agora em novembro é de 21%, enquanto Petrobras ON, por exemplo, tem volatilidade de 46%, e Eletrobras ON apresenta taxa de 52%.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Nada animador

Tesla derrete na bolsa de Nova York após anunciar corte de 7% no quadro de funcionários

Após o anúncio feito pelo CEO da empresa, Elon Musk, através de um email, os papéis da montadora registravam queda de 12% na Nasdaq

Caso Queiroz de volta?

Marco Aurélio Mello dá sinais de que vai rejeitar a suspensão das investigações envolvendo Flávio Bolsonaro

Ministro do STF disse que a “lei vale para todos” e lembrou que, em casos semelhantes, negou seguimento aos processos

Indo pro mercado

Governo de São Paulo anuncia que fundo imobiliário do Estado sairá em março

Segundo o governador João Doria, comercialização do fundo terá início em março deste ano

Nova fase da petroleira

Petrobras anuncia enterro de empréstimos feitos junto aos bancos públicos

Presidente da estatal, Roberto Castello Branco, disse que a petroleira não pegará mais dinheiro com BNDES e Banco do Brasil

Testando a equipe

Por que Davos será decisivo para Bolsonaro?

Sem a presença de Trump, Macron, Macri e Xi Jinping, presidente brasileiro terá um espaço privilegiado no evento

Estreia do novo governo

Discurso de Bolsonaro em Davos defenderá reformas e pilares do liberalismo de Guedes

Apesar do rascunho do discurso já estar pronto, a versão final só deve sair após uma ajudinha de Paulo Guedes

Seu mentor de investimentos

O que você precisa de fato entender na hora de investir seu dinheiro

Nos mercados mundo afora, pouco importa se você é um expert da tecnologia ou das commodities. Na hora H, o que vale mesmo é saber de preço

Ministro da Casa Civil

Para Onyx, família Bolsonaro é vítima de tentativa de desgaste

Vice-presidente do Supremo, ministro Luiz Fux, atendeu a um pedido da defesa de Flávio Bolsonaro e determinou a suspensão da investigação sobre movimentações de Queiroz

Tá ruim? Injeta dinheiro que melhora!

Mercado azedou? A bolsa caiu? Chama o Fed!

Mudança de discurso do Banco Central americano explica boa parte desse rali das bolsas de valores neste começo de 2019. A questão é: isso vai durar?

Impactou nos papéis

Copel e Sanepar não devem ser vendidas, diz governador do Paraná

Ratinho Júnior sugeriu que as empresas poderiam seguir o exemplo da Compagas, que já conta com uma parceria com grupos privados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu