Menu
Angela Bittencourt
Blog da Angela
Angela Bittencourt
é jornalista e editora da Empiricus
2019-06-03T07:16:39+00:00
blog da Angela

Antônio, João, Pedro e Guedes – os “santos” da Nova Previdência

Suspensão das novas regras sobre porte de armas de fogo e situação de atletas transgêneros são pautas sociais que disputam atenção com Previdência e julgamento de liminar sobre privatização no STF

3 de junho de 2019
7:04 - atualizado às 7:16
Rodrigo Maia e Paulo Guedes
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e o ministro da Economia, Paulo Guedes. - Imagem: Valter Campanato/Agência Brasil

O Congresso Nacional entra em recesso em 18 de julho. Você deve estar pensando que junho mal começou e até meados de julho tem muita água para rolar...E é verdade! Mas o tempo encolherá rapidamente se deputados e senadores decidirem interromper os trabalhos para celebrar os três “santos” que sacodem o Nordeste nas Festas Juninas. E não duvide que Santo Antônio, São João e São Pedro são capazes de inspirar tanta devoção e preocupação quanto o projeto de reforma da Previdência que está na reta final na Câmara dos Deputados.

A Previdência segue como prioridade a cada dia. Nos próximos, porém, questões sociais em destaque na pauta legislativa deverão aproximar os políticos de seus eleitores, inclusive, pela grande audiência que despertam nas redes sociais.

A suspensão das novas regras para porte e posse de armas de fogo, a situação de atletas transgêneros e a violência contra a mulher são alguns dos temas que estarão em debate. Contudo, a economia não ficará em segundo plano, com a perspectiva de elevada exposição de Paulo Guedes.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Amanhã, terça-feira, o ministro voltará à Câmara pela terceira vez em poucas semanas; provavelmente comparecerá, na quinta-feira, à homenagem de economistas ao professor Affonso Celso Pastore, em seminário a ser promovido pelo Centro de Debate de Políticas Públicas (CDPP), da Fundação Getulio Vargas, no Rio de Janeiro; e, no fim de semana, deverá representar o Brasil na reunião do G-20 que será realizada no Japão.

Paulo Guedes participa de audiência da Comissão de Finanças e Tributação da Câmara, onde parlamentares querem discutir mais do que a reforma da Previdência, conforme manifestaram logo após a divulgação do resultado do Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre, negativo em 0,2%. O debate em torno das perspectivas do governo para o país deve passar pela liberação de recursos do Fundo de Garantia de Tempo de Serviço (FGTS), confirmada por Guedes na quinta-feira passada.  

FGTS na mão com Previdência aprovada

A liberação de contas inativas do FGTS pelo governo Temer, em 2016, da ordem de R$ 44 bilhões, beneficiou 26 milhões de trabalhadores e foi apontada como contribuição de 0,7 ponto percentual da variação do PIB de 1,1% observado em 2017.

O ministro já alertou, porém, que a liberação dos recursos deve ocorrer após a aprovação da reforma da Previdência. Não antes disso. Se cobrado sobre incentivo ao crescimento, o ministro da Economia certamente vai lembrar – como já vem fazendo – de que sem a reforma das aposentadorias não haverá crescimento.

As próximas manifestações de Paulo Guedes poderão impor um ritmo mais acelerado na elaboração e na conclusão do parecer sobre a Previdência que está nas mãos do deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), relator do projeto na comissão especial da Câmara.

O deputado deverá entregar o documento no máximo até 15 de junho. Mas ele mesmo já se disse empenhado em antecipar esse prazo.

Quinta-feira foi o último dia de apresentação de emendas à proposta da reforma. Foram encaminhadas 277 emendas, sendo que mais da metade apenas na quinta.

Crise de identidade

Dois partidos – PDT e PL – apresentaram emendas substitutivas globais, o que significa apresentar um novo texto ao proposto pelo governo.

O PL informou sua decisão na semana passada e obteve a adesão de parlamentares de outros partidos e a discussão promete esquentar, inclusive, porque não está em jogo apenas o destino da Previdência Social no Brasil, mas projetos de poder.

O PL faz parte de um Centrão em crise de identidade.

Um bloco de partidos que se cansaram de ser Centrão – costumeiramente apontado e criticado como um grupo que supostamente fomenta negociação de decisões no Congresso –, mas que (é inegável) vale o quanto pesa nas votações com seu elenco de 230 deputados mais os comandos da Câmara e do Senado.

A sinalização dada pelo próprio relator da reforma, deputado Samuel Moreira, é de que vinda de parlamentares é de que um esforço será feito no sentido de viabilizar o cronograma de votação da Previdência traçado por Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara. Feita a votação e aprovado o texo, a reforma deverá passar pelo crivo do Senado de Davi Alcolumbre (DEM-AP).

Na quarta-feira, o Supremo Tribunal Federal (STF) dará sua contribuição para manter a economia em destaque com a retomada do julgamento da liminar que condiciona privatizações à chancela do Congresso Nacional e atinge diretamente a venda de refinarias pela Petrobras e a decisão que suspendeu a venda da Transportadora Associada de Gás (TAG) também pela Petrobras.

Enquanto as decisões amadurecem, a economia segue em marcha lentíssima e há uma massa de recursos “queimando” nos bancos, longe da promoção de investimentos físicos.

Nos primeiros quatro meses deste ano, a maioria dos itens que compõem os meios de pagamento ampliado no Brasil encolheu. Os depósitos à vista caíram quase 10% para R$ 173,5 bilhões ao final de abril; os depósitos em poupança tiveram queda discreta de 0,5% para R$ 796,5 bilhões; os depósitos a prazo recuaram 1,7% para R$ 994,2 bilhões. Cresceu levemente, 0,4%, para R$ 3,286 trilhões, o patrimônio consolidado dos fundos de investimentos; a compra definitiva de títulos públicos federais por empresas avançou 10%, para R$ 476,7 bilhões; as “operações compromissadas” de empresas com lastro em títulos do Tesouro saltaram 20%, para R$ 148,5 bilhões, mas as “compromissadas” de empresas com lastro em títulos privados despencaram 22%, para R$ 60,7 bilhões.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Novos pombinhos?

Dona da Vivo está de olho na gigante brasileira Oi

De acordo com fontes próximas, a espanhola estaria analisando uma potencial compra da Oi. A companhia brasileira foi avaliada em US$ 6,7 bilhões ou cerca de € 6 bilhões. As informações são do jornal espanhol, El Confidencial. 

Segunda-feira quente

Tensão no Oriente Médio faz Ibovespa e bolsas globais recuarem; Petrobras sobe

Ataques às refinarias da Aramco na Arábia Saudita elevam a aversão ao risco no mundo e fazem os preços do petróleo disparar. Nesse cenário, o Ibovespa opera em baixa

Melhora nas expectativas

BNDES prevê investimentos de R$ 1,1 trilhão em 2019-2022 em 19 setores, + 2,7%

Os números consideram investimentos apoiados e não apoiados pelo BNDES relativos a 19 setores, sendo 11 da indústria e 8 da infraestrutura

mudança de planos?

Após ataques, IPO da Saudi Aramco pode ser adiado

Empresa pretende vender uma fatia na bolsa local e, posteriormente, realizar uma listagem internacional de ações

Exile on Wall Street

Você quer estar certo ou ganhar direito?

Como viver num mundo que não entendemos? Eu vou explicar melhor a minha perplexidade além do normal nesta manhã

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Um conselho para Petrobras, Braskem e Embraer

Você coloca a mão no fogo pela idoneidade das empresas que estão na bolsa? E está seguro de que as informações apresentadas nos balanços são verídicas? Ou mesmo de que os executivos que tocam o negócio não têm interesses escusos? Depois da Lava Jato e dos rombos que vieram à tona na Petrobras e em […]

Índice Geral de Preços

IGP-10 tem inflação de 0,29% em setembro

O Índice de Preços ao Produtor Amplo, que mede o atacado, continuou registrando deflação, mas com uma taxa mais moderada (-0,57%) do que no mês anterior (-0,83%)

vozes da discordância

‘Reforma tributária tem altíssimo risco de dar errado’, alerta economista

À frente da IFI, Felipe Salto diz que o ministro da Economia, Paulo Guedes, precisa assumir o comando do projeto; ele sugere o rompimento induzido do teto de gastos já em 2019

No Twitter

Trump pede grande corte de juros e estímulos ao Fed

Presidente americano Donald Trump voltou a criticar postura do BC americano citando China, o dólar forte e o recente salto no preço do petróleo

olho no copom

Boletim Focus mantém projeção de redução da Selic para 5% ao ano

Comitê do Banco Central tem reunião marcada nesta terça e quarta-feira, 18, e deve decidir sobre novos cortes na taxa básica de juros

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements