Menu
2019-07-25T18:25:31+00:00
Marina Gazzoni
Marina Gazzoni
Jornalista formada pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e com MBA em Informação Econômico-Financeira e Mercado de Capitais no Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Foi editora de Economia do G1 e repórter de O Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo e do portal IG.
COMPETIÇÃO NOS CÉUS

Regra da Anac para distribuir slots da Avianca em Congonhas favorece Azul e deixa Gol e Latam de fora

O que está em jogo é 7,6% dos horários para alocação de voos no aeroporto mais cobiçado do país

25 de julho de 2019
17:59 - atualizado às 18:25
Azul
Azul - Imagem: shutterstock

A Gol e a Latam não poderão disputar os 41 slots (horários de pouso e decolagem) no aeroporto de Congonhas que pertenciam à Avianca. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) definiu nesta quinta-feira (25) uma regra para distribuir os horários que ficaram vagos e representam 7,64% dos voos no aeroporto. As premissas são favoráveis à Azul, terceira maior empresa do país e que hoje ocupa menos de 5% do espaço do aeroporto central de São Paulo.

A medida favorece a entrada de novos competidores no aeroporto. Só poderão requisitar esses voos empresas que tenham menos de 54 slots em Congonhas e que são classificadas pela Anac como "novas entrantes". O critério do que será uma novata no aeroporto foi alterado pela Anac e beneficia a Azul. Pela regra anterior, o limite era de 5 slots.

Atualmente, a Azul possui 26 slots no aeroporto, que representam 4,84% do total. Suas concorrentes Gol e Latam têm, respectivamente, 234 e 236 horários ocupados.

O aeroporto de Congonhas é considerado um dos mais rentáveis do país. Sua localização em região central de São Paulo torna o espaço o preferido dos passageiros que viajam a negócios e que pagam passagens aéreas mais caras.  É uma "perna" essencial para o lançamento de voos na ponte aérea Rio-São Paulo, um dos trajetos com maior preço por quilômetro do país. O espaço está saturado e a quebra da Avianca abre uma oportunidade rara para empresas aéreas entrarem no local.

A decisão da Anac ocorre após a realização de leilão de ativos da Avianca, no qual Gol e Latam compraram partes da empresa que levavam os slots como ativos. O leilão é contestado judicialmente dentro de uma interpretação de que o slot é uma concessão pública e não um ativo da empresa. A Anac defende que cabe à ela fazer a redistribuição dos espaços da Avianca nos aeroportos.

A Azul terá concorrentes?

A regra da Anac abre a possibilidade para qualquer empresa novata tentar seu lugar ao Sol em Congonhas. Um dos receios era de que empresas requisitassem o espaço com interesse em tentar atrair um comprador - e não para lançar de fato um voo em Congonhas.

Para coibir a prática, a Anac vai impor uma multa de R$ 9 milhões por voo em caso de mau uso ou não utilização dos slots.

Entre as aéreas que podem aderir à disputa estão a Air Europa, a primeira companhia estrangeira a conseguir autorização para fazer voos domésticos no país, e companhias focadas em voos regionais, como a Passaredo.

O processo de distribuição dos slots começa na segunda-feira (29) e terá seu resultado divulgado ao longo da semana que vem. "A alocação dos slots vale para a próxima temporada (de 27/10/2019 a 28/03/2020), mas, considerando o nível crítico de concentração e alta saturação da infraestrutura de Congonhas, as empresas estão autorizadas a iniciar imediatamente a oferta de voos", disse a Anac.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Luz no fim do túnel?

Trump: ‘estamos indo muito bem com a China, e conversando’

Membros da equipe econômica norte-americana afirmam que negociadores das duas maiores economias do mundo irão conversar na próxima semana

Tem que adiar isso daí

Vitorioso nas prévias eleitorais argentinas, Fernández defende renegociação de acordo com o FMI

Alberto Fernández afirmou que o acordo para o pagamento de dívidas junto ao Fundo Monetário Internacional é “impossível de cumprir”

Opinião polêmica

Senadora Simone Tebet: ‘Bolsonaro ainda não vestiu o terno de presidente’

Referindo-se ao presidente, senadora do MDB afirmou “jamais imaginei que pudéssemos chegar onde chegamos”

Na hora de prestar contas

Presidente do Senado briga na Justiça para manter sigilo de gastos parlamentares

Destinadas a cobrir despesas relativas ao exercício do mandato, as cotas variam entre R$ 30 mil e R$ 45 mil, a depender do Estado do congressista

Nem tão hermanos assim

Bolsonaro volta a falar sobre Argentina e diz que país está cada vez mais próximo da Venezuela

Presidente usou sua conta no Twitter para fazer novos comentários sobre o processo sucessório na Argentina

Seu Dinheiro no domingo

Liberais não fazem pacotes

Dentro de mais alguns dias conheceremos o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. O resultado será magro e há quem fale em recessão técnica. Na sequência veremos uma nova onda de críticas e demandas na linha: “o governo tem quem fazer alguma coisa! Tem que impulsionar a demanda! Esse BC está errado!”. Sinto desapontar […]

Trilhando caminhos

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos sobre ser um novo empresário

Executivos falam sobre os comportamentos que um jovem ingressante numa grande empresa deve ter para trilhar um caminho profissional de sucesso

Crise partidária

Pedro Simon, ex-governador do RS: ‘existe o risco de o MDB desaparecer’

Em entrevista ao Estadão, o filiado ao MDB desde 1965 diz que seu partido precisa fazer uma “profunda reflexão”

Barrado na embaixada?

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro configura nepotismo e senadores se articulam para rejeitar seu nome

Parecer foi embasado no entendimento da Súmula Vinculante nº 13, do Supremo Tribunal Federal, que trata sobre nepotismo

Analisando a situação dos hermanos

Crise Argentina, feitiço do tempo

Os grandes desafios econômicos de Maurício Macri também parecem reimpressões de velhos e bem conhecidos problemas argentinos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements