🔴 CHANCE DE MULTIPLICAR O SEU CAPITAL POR 7,5X COM 1 CLIQUE – CONHEÇA A FERRAMENTA

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
Meio ambiente

Eventos climáticos extremos devem trazer duro impacto para o varejo de moda; confira os detalhes

Alterações climáticas devem forçar as marcas a adaptarem suas coleções

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
25 de junho de 2024
12:47 - atualizado às 12:04
Enchentes no Rio Grande do Sul (RS)
Enchente no Rio Grande do Sul: clima impacta diretamente o desempenho das varejistas de moda - Imagem: Divulgação das redes sociais / Reprodução do usuário @braiaxyz1

O calor fora de época, incluindo chuvas torrenciais e ondas de temperaturas acima da média, sempre impactou as vendas do varejo de vestuário.

No entanto, com um clima cada vez mais imprevisível, os desafios tornaram-se mais pronunciados para os varejistas no Brasil (e no mundo), especialmente no que diz respeito às coleções de inverno com longos prazos de entrega (com um impacto significativo nas vendas trimestrais), afirma o banco BTG Pactual, em relatório de analistas.

“O calor extremo e as inundações deverão causar um duro golpe na indústria global da moda, com quatro dos principais países produtores de vestuário do mundo em risco de perder US$ 65 bilhões em lucros até 2030, de acordo com um estudo da Universidade Cornell”, afirmam os analistas Luiz Guanais, Gabriel Disselli e Pedro Lima.

Segundo os analistas, as mudanças climáticas atrapalham as operações de produção e influenciam comportamentos de compra dos clientes, exigindo que as marcas de moda se adaptem rapidamente para mitigar perdas potenciais.

Correlação entre clima e vendas

Em resposta ao clima cada vez mais imprevisível, analisamos as correlações entre temperatura/chuva e vendas de vestuário, examinando as impressões de vendas nas mesmas lojas do segundo trimestre de varejistas de vestuário e moda e vendas e volumes de vestuário e calçados de 2010 para 2023.

“Com o impacto crescente das alterações climáticas, os varejistas que podem adaptar melhor suas coleções de inverno, migrando para produtos mais leves e de origem nacional (em oposição a coleções de inverno tradicionalmente pesadas e predominantemente importadas), deverão apresentar desempenho superior”, afirmam.

Para eles, marcas que podem desenvolver ofertas de roupas mais versáteis por meio de design e tecnologia também terão vantagens, apoiadas por modelos bem-sucedidos de ofertas e atração de clientes.

O outono mais quente deste ano está impactando as vendas das coleções outono-inverno, que, juntamente com os efeitos das tempestades devastadoras no Rio Grande do Sul em maio, deverá levar a um desempenho mais fraco no segundo trimestre para os varejistas de vestuário.

  • LEIA TAMBÉM: Casa de análise libera carteira gratuita de ações americanas para você buscar lucros dolarizados em 2024. Clique aqui e acesse.

Vantagem dos estoques menores

No entanto, vale a pena notar que os prazos dos estoques no primeiro trimestre diminuíram 9% na comparação ano contra ano, para uma amostra de vestuário, calçados e varejistas de joias no Brasil (queda de 2% em termos absolutos), o que deverá mitigar alguns desses efeitos, avaliam.

“No geral, embora a perspectiva de desaceleração experimentada pelos varejistas mostrasse sinais de melhoria no início de 2024, ainda esperamos uma recuperação gradual nos próximos trimestres, principalmente para as linhas mais caras (ajudadas por aumentos nas linhas de crédito), enquanto iniciativas de redução de custos pelas companhias deverão continuar a aumentar a margem.”

Neste cenário mais conservador, mantemo-nos fiéis a um mix preferencial de empresas, como MELI (MELI34), Smartfit (SMFT3), Grupo Mateus (GMAT3), Vivara (VIVA3) e Grupo SBF (SBFG3), que devem apresentar melhor dinâmica e menos espaço para redução de lucros.

Em resposta ao clima cada vez mais imprevisível, examinamos as correlações entre temperatura/precipitação e vendas de vestuário. Analisamos as informações de vendas nas mesmas lojas do segundo trimestre de varejistas de vestuário e moda e vendas e volumes de vestuário e calçados de 2010 até 2023.

Efeitos climáticos do passado

Reconhecemos outros fatores de influência também, como o cenário microeconômico, as condições individuais das empresas e os efeitos macroeconómicos no setor, apesar do número limitado de dados.

Apesar das limitações, a análise destaca os impactos das mudanças climáticas e os desafios colocados por flutuações significativas de temperatura. A maioria dos varejistas apresentaram correlações negativas com a temperatura nas vendas das mesmas lojas, no segundo trimestre deste ano na comparação com o mesmo período de 2010. Foram analisados dados da Arezzo (ARZZ3), C&A (CEAB3), Renner (LREN3), Track & Field (TFCO4) e Veste (VSTE3).

Os anos de 2022 e 2023 servem como bons exemplos dos efeitos climáticos. Em 2022, os varejistas concederam descontos mais baixos e tiveram maior demanda devido à chegada antecipada de temperaturas frias (em maio).

Seguiu-se um inverno mais curto e quente em 2023. Expectativas para 2024 apontam para outro inverno quente, o que pode impactar as vendas nas mesmas lojas e as remarcações de preços no segundo trimestre (eventualmente impactando negativamente as vendas/margens do terceiro trimestre).

Compartilhe

A MALA TÁ FEITA

Com data para deixar a B3, Cielo (CIEL3) recebe aval dos membros independentes do conselho para OPA

18 de julho de 2024 - 20:02

Leilão marcado para o dia 14 de agosto tem como objetivo vender 902.247.285 ações ordinárias da companhia a R$ 5,60

PERTO DO LIMITE?

Ambipar (AMBP3): Mercado faz contas e especula se controlador pode ser obrigado a fazer OPA

18 de julho de 2024 - 19:13

No entendimento de parte do mercado, Tércio Borlenghi Júnior já ultrapassou o limite de um terço das ações em circulação da Ambipar (AMBP3) em compras

FUSÕES E AQUISIÇÕES

De olho no sucesso de óculos inteligentes, Meta quer um pedaço da EssilorLuxottica, dona da Ray-Ban

18 de julho de 2024 - 17:00

Companhia de Mark Zuckerberg negocia a aquisição de 5% da empresa, participação avaliada em cerca de US$ 5 bilhões

VALE A PENA?

A ação da Vale (VALE3) está barata? Papel está descontado em relação a gigantes gringas; saiba se é hora de aproveitar

18 de julho de 2024 - 15:47

O Itaú BBA calcula um preço-alvo de US$ 14 para os ADRs da mineradora, o que representa um potencial de valorização de 24,8% sobre o fechamento de quarta-feira (17)

IA EM FOCO

Depois da tempestade, setor de chips e semicondutores de Inteligência Artificial (IA) respira após balanço da TSMC

18 de julho de 2024 - 13:48

Empresa taiwanesa ampliou lucro em 36% no segundo trimestre e superou as expectativas, com forte demanda por chips

AQUISIÇÃO

De olho nas importações, BTG Pactual (BPAC11) adquire capital social da Sertrading, empresa de patrimônio de quase R$ 400 milhões

18 de julho de 2024 - 9:46

De acordo com o comunicado enviado à CVM, em quatro anos, o volume transacionado em operações de comércio exterior passou de R$ 5 bilhões para R$ 19 bilhões

EMPREENDEDORISMO

Novo visual e mudança de nome: as apostas da Grendene (GRND3) para conquistar franqueados e abrir mais lojas da Melissa

18 de julho de 2024 - 9:09

Um ano após internalizar a gestão de franquias, a marca famosa por suas sandálias de plástico com aroma de tutti-frutti também lançará novos formatos de lojas

APÓS A CRISE

Lemann e sócios recalculam a rota: Americanas (AMER3) adia publicação do balanço após laudo de investigação independente

18 de julho de 2024 - 7:33

A publicação dos resultados ficou para o dia 14 de agosto, quando também serão divulgados os números do período até 30 de junho

MAIS UM PASSO

Agora vai? Grupo de credores da Americanas (AMER3) adere ao plano de recuperação judicial e abre caminho para novas emissões e pagamentos

17 de julho de 2024 - 20:27

Segundo a varejista, os credores titulares da maioria dos créditos quirografários — aqueles sem garantia — aderiram às deliberações sobre o plano de recuperação judicial do grupo, homologado em 26 de fevereiro de 2024

VALE A PENA VER DE NOVO

Guerra na Vale (VALE3)? Mineradora volta a falar sobre a sucessão do CEO em meio a boatos de divisão interna

17 de julho de 2024 - 19:48

No início do mês, o jornal o Globo noticiou uma divisão dentro da mineradora, que poderia levar a uma tentativa de implosão do atual conselho e comprometer a escolha do novo comandante da empresa

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar