O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-04-08T11:51:05-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Suspeita na Educação

Problemas para Bolsonaro. Presidente pode enfrentar CPI no Senado em plena campanha eleitoral; saiba quem assinou o requerimento

O Senado já tem o número de assinaturas exigidos para criação de uma CPI para investigar corrupção no Ministério da Educação do governo Bolsonaro

8 de abril de 2022
11:51
O presidente Jair Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro - Imagem: Isac Nóbrega/PR

Jair Bolsonaro pode enfrentar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) em plena corrida eleitoral. O Senado já tem o número de assinaturas exigidos para criação de uma CPI para investigar corrupção no Ministério da Educação.

A afirmação é do senador Randolfe Rodrigues (REDE-AP), autor do pedido, que recebeu apoio de 27 senadores.

Agora, a abertura da comissão depende de decisão do presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). Caso ele se recuse a criar a comissão, o Supremo Tribunal Federal (STF) pode ser acionado para garantir a investigação parlamentar.

"Fatos gravíssimos" justificam CPI

Randolfe afirma que os fatos "são gravíssimos e merecem ser rapidamente apurados pelo Senado".

Na proposta de abertura da CPI, apresentada na semana passada, Randolfe afirmou serem necessários "11 membros titulares e 11 membros suplentes, para, no prazo de 90 dias, com limite de despesas de R$ 90 mil, apurar as irregularidades e crimes praticados na destinação das verbas públicas do Ministério da Educação e do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE)".

A atuação de um gabinete paralelo operado pelos pastores Gilmar Santos e Arilton Moura no MEC , foi revelada pelo Estadão. Prefeitos relataram que os religiosos pediam contrapartida em ouro, dinheiro e até compra de Bíblias para liberação de recursos.

A Comissão de Educação do Senado tem ouvido depoimentos sobre o caso. Três prefeitos confirmaram aos parlamentares a cobrança de propina.

Na quinta-feira, o presidente do FNDE, Marcelo Ponte, foi ouvido pelos senadores sobre o risco de sobrepreço de R$ 732 milhões em um pregão para compra de ônibus escolares. O caso foi revelado pelo Estadão.

Ponte tentou negar, durante audiência na Comissão de Educação, que o governo tenha recuado após risco de sobrepreço vir à tona. Documentos internos do FNDE, no entanto, desmentem a versão apresentada por ele aos senadores.

Bolsonaro responde

O presidente Jair Bolsonaro (PL) criticou as reportagens que revelaram a licitação para compra de 3.850 ônibus escolares com risco de sobrepreço de mais de R$ 700 milhões, um dos motivadores da CPI.

O governo decidiu seguir em frente com o processo mesmo após alertas de órgãos técnicos, como o Tribunal de Contas da União (TCU). "Deixa acontecer a licitação, pô", declarou o presidente em transmissão ao vivo nas redes sociais.

Sob ameaça de ter a licitação cancelada, o governo recuou após as reportagens e reduziu as cotações dos veículos na véspera do pregão. Mas o Senado quer investigar a operação em uma CPI.

A licitação dos ônibus foi realizada na última terça-feira (5), mas ficou em R$ 500 milhões a menos do que o governo estava disposto a pagar quando os preços estavam superestimados.

"Nós temos vários filtros, tem equipe nossa em cada ministério tratando aí de analisar contratos. Agora, essa última dos ônibus. Deixa acontecer a licitação, pô, por que não deixou acontecer? Ah, é fruto do jornalismo investigativo. Investigativo pipoca nenhuma", afirmou Bolsonaro na live.

"Espero que TCU abra licitação e veja o que vai acontecer para ver o preço de cada ônibus, tem que esperar acontecer para a gente comentar isso daí", acrescentou.

Veja quem assinou o requerimento pela abertura da CPI do MEC

  1. Randolfe Rodrigues
  2. Paulo Paim
  3. Humberto Costa
  4. Renan Calheiros
  5. Styvenson Valentim
  6. Fabiano Contarato
  7. Jorge Kajuru
  8. Zenaide Maia
  9. Paulo Rocha
  10. Omar Aziz
  11. Rogério Carvalho
  12. Reguffe
  13. Leila Barros
  14. Jean Paul Prates
  15. Jaques Wagner
  16. Eliziane Gama
  17. Tasso Jereissati
  18. Cid Gomes
  19. Alessandro Vieira
  20. Weverton Rocha
  21. Dario Berger
  22. Simone Tebet
  23. Mara Gabrilli
  24. Oriovisto Guimarães
  25. Jader Barbalho
  26. Nilda Gondim
  27. Veneziano Vital do Rêgo

Leia também:

*Com informações do Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

PORTFÓLIO DE BILHÕES

Aposta contra a Apple (AAPL34)? Veja as mudanças que Warren Buffett, Michael Burry e investidores de elite fizeram nas carteiras

Esses pesos-pesados do mercado financeiros tomaram decisões surpreendentes no primeiro trimestre; confira as mudanças mais significativas que eles fizeram no período

DO BRASIL PRO MUNDO

Guedes tem encontro com Escobari, da General Atlantic, e vai a jantar do BTG; confira a agenda do ministro em Davos

O banqueiro André Esteves, que em abril voltou ao comando do conselho do BTG Pactual, está participando do evento na Suíça

UMA TECH ATRAENTE

É hora da Locaweb? Saiba por que o Deutsche Bank vê ponto de entrada para as ações LWSA3

Banco alemão atualizou a recomendação para a empresa de neutra para compra e vê potencial de valorização de mais de 50% para os papéis

O QUE VEM POR AÍ

Ata do Fed e IPCA-15: confira a agenda de indicadores da semana aqui e lá fora

Nos Estados Unidos, a segunda prévia do PIB no primeiro trimestre também é destaque; na Europa, o PIB da Alemanha é o principal dado

CAMINHO DO MEIO

Menor rejeição e apoio interno no MDB dão vantagem a Simone Tebet; veja os rumos da senadora da terceira via

Maior desafio, segundo marqueteiros, é torná-la popular: 46% do eleitorado desconhece Simone Tebet, segundo pesquisas recentes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies