2022-02-10T19:01:15-03:00
Carolina Gama
MERECE A ESTATUETA?

Oscar ignora Homem-Aranha, mas mercado premia a Disney com forte alta das ações após resultado trimestral

A empresa ultrapassou as previsões para lucro, receita e assinantes e também viu o negócio de parques voltar a crescer – um ponto que estava sendo observado de perto pelos investidores

9 de fevereiro de 2022
19:36 - atualizado às 19:01
Homem-Aranha em cima de uma estrutura de aço com o símbolo da Disney+ ao lado
Homem-Aranha, uns dos heróis da Marvel, que foi comprada pela Disney em 2009 - Imagem: Disney+

“Homem-Aranha: Sem Volta para Casa”, recente sucesso de bilheteria da Marvel, pode ter sido ignorado na lista de candidatos ao Oscar deste ano, mas o mesmo não aconteceu com sua controladora: a Disney. A empresa viu suas ações subirem quase 10% no after market em Nova York após apresentar seus resultados do primeiro trimestre fiscal de 2022. 

A Disney honrou o princípio de Peter Parker e, com grandes poderes, assumiu grandes responsabilidades: entre outubro e dezembro de 2021, a companhia superou as previsões para lucro, receita e assinantes e também viu o negócio de parques voltar a crescer.

O total de membros do streaming Disney+, criado há dois anos, alcançou 129,8 milhões, superando a projeção de 125,75 milhões da StreetAccount.

Assim como aconteceu com a Netflix, a métrica estava em foco, já que o retorno às atividades presenciais lançou dúvidas sobre o contínuo crescimento do serviço, que se beneficiou das medidas de isolamento no auge da pandemia. 

Também por causa das medidas restritivas, o negócio de parques e resorts da Disney estava sob a lupa do mercado. E, mais uma vez, a empresa não decepcionou: a participação aumentou, com a receita, experiências e produtos da gigante do entretenimento atingindo US$ 7,23 bilhões, mais que o dobro do ano anterior.

Disney: vamos aos números?

No primeiro trimestre fiscal de 2022, o lucro líquido atribuível da Disney foi de US$ 1,104 bilhão ante os US$ 17 milhões obtidos no mesmo período do ano anterior. 

O lucro por ação foi de US$ 1,06 contra os US$ 0,32 do mesmo período anterior e de US$ 0,61 da projeção da Bloomberg. 

A receita deu um salto de 34% no período na comparação anual, totalizando US$ 21,819 bilhões - acima dos US$ 20,8 bilhões esperados pela Bloomberg. 

O desempenho do Disney+

Os novos assinantes do Disney+ totalizaram 11,8 milhões, superando as estimativas dos analistas. De acordo com dados de consenso da Bloomberg, esperava-se que a Disney visse os assinantes de streaming crescerem cerca de 7 milhões em uma base trimestral, um salto em relação aos 2,1 milhões de novos membros trazidos no trimestre anterior. 

As assinaturas do Disney+ superaram as estimativas, mesmo que os executivos tenham dito anteriormente que esperam que o crescimento de adesões seja mais forte no segundo semestre do ano em comparação com o primeiro, com o conteúdo original sendo lançado na plataforma no quarto trimestre de 2022.

A empresa tem como meta atrair entre 230 milhões e 260 milhões de assinantes no total para o serviço até o final do ano fiscal de 2024 – uma projeção que foi reiterada pelo grupo.

O Mickey voltou

Embora as reaberturas tenham desacelerado a atividade de streaming de uma forma geral, o retorno à atividade presencial é um bom presságio para outro negócio importante da Disney: parques temáticos.

A divisão de parques, experiências e produtos de consumo da Disney viu receitas atingirem US$ 7,2 bilhões durante o trimestre, o dobro dos US$ 3,6 bilhões gerados no mesmo trimestre do ano anterior. 

Os resultados operacionais saltaram para US$ 2,5 bilhões em comparação com uma perda de US$ 100 milhões no mesmo período do ano passado.

A Disney disse que o crescimento da receita ocorreu à medida que mais hóspedes frequentavam seus parques temáticos, hospedavam-se em seus hotéis de marca e reservavam cruzeiros.

A pandemia deixou suas marcas

A pandemia, no entanto, ainda deixou suas marcas na Disney. O negócio de produtos de consumo viu a receita cair 8,5%, para US$ 1,5 bilhão, após o fechamento de uma parte substancial de suas lojas de varejo com a marca Disney durante o segundo semestre de 2021.

Segundo a empresa, embora os parques norte-americanos operem com menos restrições de capacidade ligada à covid-19, os internacionais continuam sendo impactados pela capacidade limitada e pelas restrições de viagem.

Homem-Aranha: Sem Caminho para Casa

Ainda que as produções televisivas e cinematográficas da Disney tenham sido retomadas, elas ainda estão passando por interrupções

Enquanto os lançamentos do estúdio estavam entre os filmes com melhor desempenho do ano, a bilheteria nos Estados Unidos ainda não se recuperou totalmente da pandemia. 

A receita da coprodução da Marvel “Homem-Aranha: Sem Caminho para Casa” com a Sony compensou as perdas em outros títulos lançados durante o trimestre, que não conseguiram superar custos significativos de marketing e produção.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

NOVO MODELO DE NEGÓCIOS

Varejo adota ‘loja-contêiner’ para fugir dos custos de shoppings e aluguéis; conheça o que são os estabelecimentos modulares

A estreante no formato é a Chilli Beans, de óculos de sol. “Acho que não teria uma Eco Chilli se não houvesse pandemia”, afirma o CEO, Caito Maia

NÃO MEXE NO MEU QUEIJO

Membros do mercado financeiro defendem Lei das Estatais em documento enviado ao ao Congresso; revogação seria ‘retrocesso’

O texto também cita o relatório de 2020 em que a OCDE afirma que a Lei das Estatais deixou os conselhos de empresas públicas mais independentes de interferências

NESTA SEGUNDA-FEIRA

Governador de São Paulo fará coletiva nesta segunda-feira após Bolsonaro aprovar isenção do ICMS sem garantia de compensação aos estados

O presidente da República vetou o fundo de ajuda aos estados após sancionar o teto do imposto estadual

SEU DOMINGO EM CRIPTO

‘Compre na baixa’ anima e bitcoin (BTC) busca os US$ 22 mil; criptomoedas aguardam semana de olho no Fed

Entre os destaques da próxima semana estão o avanço dos juros nos Estados Unidos e um possível default da Rússia

DE OLHO NO FUTURO

Goldman Sachs quer entrar no mundo da ‘renda fixa’ em criptomoedas e lidera grupo para comprar a Celsius por US$ 2 bilhões

O staking vem crescendo nos últimos meses e é motivo de certa preocupação após o caso da Celsius — e o banco de Wall Street quer um pedaço dele

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies