Menu
2019-12-25T18:43:09-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Nada vai ser igual

Por que Apple e Disney estão prestes a chacoalhar o império da Netflix no mercado de streaming

Chegada de dois gigantes promete abalar as estruturas do mercado, do preço à qualidade dos serviços

29 de outubro de 2019
16:02 - atualizado às 18:43
Netflix
Imagem: Shutterstock

Quando você pensa em serviço de streaming, muito provavelmente virá à sua cabeça, no máximo, quatro nomes: Netflix, Amazon Prime Video, HBO e Hulu. Mas daqui a poucas semanas essa lista seguramente estará maior e completamente reformulada.

Isso porque a chegada de dois gigantes promete abalar as estruturas desse mercado, do preço à qualidade dos serviços. Na sexta-feira (1), a Apple lança seu Apple TV Plus nos Estados Unidos, com uma programação exclusiva e original. Já daqui duas semanas é a vez da Disney lançar o Disney Plus, também em terras do Tio Sam, um serviço que contará com as produções de renome como Pixar, Marvel, National Geographic e Fox. Ambos os serviços já têm planos de lançamento para outros países (incluindo o Brasil) nos próximos meses.

Os dois novos concorrentes devem esquentar a competição pelos adeptos do streaming, elevando o nível de exigência dos clientes. Mas como isso deve ocorrer na prática? Separamos alguns detalhes do Disney Plus e da Apple TV Plus que explicam essa teoria.

Preços

Esse é, sem dúvidas, um divisor de águas para qualquer cliente. Vejamos primeiramente o cenário atual. A Netflix possui três planos nos Estados Unidos:

  • "Básico": limita o usuário a uma tela por vez e apresenta uma definição padrão. Custa US$ 9 por mês.
  • "Padrão": com vídeo de alta definição e possibilidade de duas telas ao mesmo tempo, custa US$ 13 por mês.
  • "Premium": oferece suporte a 4K e o usuário pode assistir em quatro telas ao mesmo tempo. O preço é US$ 16 por mês.

A HBO Now, referência por suas séries cinematográficas, custa US$ 15 por mês. Já a faixa de preço de uma pacote Hulu fica entre US$ 6 e US$ 12 mensais. Por fim, O Amazon Prime Video custa US$ 9 por mês e costuma ser gratuito para os membros do Amazon Prime.

Agora vejamos as novidades. A mudança de padrões começa com os preços da Apple TV Plus, que custará US$ 5 a mensalidade. Além disso, o cliente Apple que comprar um produto, como um iPhone ou um MacBook, terá um ano de streaming gratuito. Já o Disney Plus custará US$ 7 mensais, com a oferta de promoções durante todo o ano.

Esse novo padrão de preços tem um propósito: com a grande oferta de produtos e serviços, os clientes tenderão a selecionar apenas alguns deles para fechar negócio. E, na lógica do mercado, vence aquele que tiver os melhores produtos pelo menor preço.

Produtos

E por falar em produtos, tanto a Apple como a Disney prepararam um arsenal de produções a serem disponibilizados em seus streamings.

No Apple TV Plus, séries como "The Morning Show" e "See" já estão no cardápio. Além disso, outros nomes de peso já estão comprometidos com produções para a Apple, entre eles Steven Spielberg, Steve Carrell, Chris Evans, Kevin Durant, Kristen Bell, Rashida Jones e Oprah Winfrey.

Já no caso da Disney, a artilharia será pesada. Além do arsenal de produções Disney já concluído, o serviço também contará com produções da Pixar, Marvel, National Geographic e Fox, incluindo clássicos como "Os Simpsons" e a série Star Wars.

Sucessos à parte, o fato é que muitas dessas produções terão o mesmo nível e qualidade daquelas disponíveis pela Netflix e HBO. O ponto-chave está no volume e na capacidade de Apple e Disney atraírem talentos de grandes nomes de Hollywood, algo que sem dúvidas pressiona os produtores concorrentes.

Só o futuro dirá

Se os dois serviços a serem lançados vão cair no gosto do público, ainda é cedo para cravar. Mas se por um lado a concorrência promete grandes feitos, por outro tanto HBO quanto Netflix desfrutam de uma estrutura monumental, com séries e filmes já bastante consolidados pelos usuários. Basta olhar para sucessos como "Watchmen", "Euforia", "Vale do Silício", da HBO, ou "Stranger Things" da Netflix.

Com tanta concorrência, uma coisa é certa: a pressão para produzir mais e produzir o melhor só tende a crescer com a chegada de gigantes como a Apple e a Disney.

*Com informações da Business Insider.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Estudo

Fundos imobiliários ou ações de properties: qual a melhor forma de investir no mercado imobiliário?

Estudo da gestora RBR mostra que fundos são mais eficientes para investimento imobiliário do que empresas que administram imóveis, mas o melhor veículo pode variar caso a caso.

SEXTOU COM RUY

Onde colocar seu dinheiro se a poupança está uma merda?

Portanto, se o rendimento da poupança está uma merda, não se preocupe, porque isso significa que esse é justamente o melhor momento para investir em ações

Oportunidade para o investidor

Conselho da Iguatemi aprova emissão de R$ 264 milhões em debêntures

Trata-se da oitava emissão dos títulos pela empresa, que serão negociados em série única e vinculados a uma emissão de CRI

Seu Dinheiro na sua noite

O que mudou e o que não mudou na bolsa

Quando surgiram as primeiras notícias sobre o surto do coronavírus na China, havia poucos elementos para afirmar se estávamos ou não diante de uma crise de saúde de proporções globais. Hoje já não temos mais dúvidas disso. A dolorosa queda de 7% da bolsa na quarta-feira de cinzas marcou a passagem da incerteza que tínhamos […]

É dólar na veia

Na luta para conter o dólar, Banco Central anuncia oferta de US$ 1 bilhão em contratos de swap nesta sexta-feira

Negociação será realizada na bolsa entre 9h30 e 9h40 e deve contemplar até 20 mil contratos

Dados do Banco Central

Reservas internacionais subiram US$ 976 milhões no dia 26 de fevereiro, para US$ 360,578 bilhões

Resultado reflete sobretudo a oscilação do valor de mercado dos ativos que compõem as reservas

Menor nível em quatro meses

Pressionado pelo coronavírus, Ibovespa cai mais 2,59% e fecha na mínima do dia; dólar sobe a R$ 4,47

O mercado até ensaiou um movimento de recuperação no meio da tarde, mas a cautela com o surto de coronavírus prevaleceu, derrubando o Ibovespa — apenas quatro ações do índice fecharam em alta. O dólar cravou mais uma máxima

No radar

Abimaq diz não ter dado que indique desabastecimento por causa do novo coronavírus

Setor de máquinas está promovendo ações preventivas para evitar qualquer risco de desabastecimento

Negócio em aberto

Bayer concorda com nova revisão sobre aquisição da Monsanto

Empresa vai permitir que um especialista independente revise suas regras e examine os seus principais negócios

Enchentes

Chuvas de fevereiro dão prejuízo de R$ 203 milhões ao comércio do sudeste, diz CNC

Mais da metade do rombo foi concentrado no Estado de São Paulo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements