🔴 TCHAUZINHO, NUBANK: Itaú BBA revela ação que pode colocar o roxinho para comer poeira; CLIQUE AQUI  e descubra a resposta no nosso Telegram

2022-08-12T16:24:13-03:00
Carolina Gama
MICKEY RINDO À TOA

Não entrem em pânico! Resultado da Disney (DISB34) mostra que gigantes do streaming estão mais vivas do que nunca — ações avançam em Nova York

Disney supera previsões e mostra que o mercado global de streaming não está se aproximando da saturação, mas anuncia reajuste de preços na América do Norte

10 de agosto de 2022
17:24 - atualizado às 16:24
Mickey, Disney
Imagem: Shutterstock

A expectativa era grande em torno dos resultados trimestrais da Disney (DISB34), considerados um selo sobre como a indústria de mídia vê o potencial de crescimento do streaming — pelo menos por enquanto.

E a performance da criadora do Mickey mostrou que as gigantes do setor seguem mais vivas do que nunca, apesar de alguns tropeços no meio do caminho. 

Entre abril e junho, o número de novos assinantes do Disney+ foi de 14,4 milhões. O total de assinaturas do Disney+ foi de 152,1 milhões, uma alta de 31% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Analistas de Wall Street, em média, esperavam que a Disney adicionasse cerca de 10 milhões de assinantes durante o período, elevando o total de clientes globais do serviço para cerca de 147 milhões, de acordo com a FactSet.

Ao exceder a previsão, a Disney mostra que o mercado global de streaming não está se aproximando da saturação.  Mais do que isso: com o produto certo, as empresas de entretenimento ainda são capazes de adicionar milhões de assinantes em um trimestre.

Por isso, os investidores gostaram do que viram e as ações DIS subiram mais de 5% no after market em Nova York — mantendo o ritmo de alta do pregão regular, em que os papéis fecharam em alta de 4,38%, cotados a US$ 112,51.

Outros números da Disney (DISB34)

E não foi só em número de assinantes que a Disney (DISB34) surpreendeu. O lucro líquido subiu 53,5% no terceiro trimestre fiscal de 2022, encerrado em 2 de julho, na comparação com o mesmo período do ano anterior, totalizando US$ 1,4 bilhão.

Já o lucro por ação subiu de US$ 0,50 para US$ 0,77 em base anual, e o lucro por ação ajustado saltou de US$ 0,80 para US$ 1,09.

A receita líquida, por sua vez, somou US$ 21,5 bilhões, o que representa um aumento de 26,3% em termos anuais.

Outra métrica importante para a Disney é a receita de Parques, Experiência e Produtos. E o Mickey não decepcionou nesse quesito.

A receita do segmento somou US$ 7,4 bilhões entre abril e junho deste ano, um aumento de 70% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Vale destacar que a divisão é composta pelos parques temáticos, resorts, navios de cruzeiro e clubes de férias da Disney e está intimamente ligado ao poder de compra dos consumidores nos EUA e em todo o mundo.

Abaixo a previsão dos resultados da companhia segundo a Bloomberg:

  • Receita: US$ 21 bilhões
  • Lucro por ação ajustado: US$ 0,96
  • Receita de parques, experiências e produtos de consumo: US$ 6,65 bilhões

Nem tudo são flores para o Disney+

Não foi só em número de assinantes que o Disney+ surpreendeu. Junto com o aumento de clientes pagos, a Disney (DISB34) revelou uma nova estrutura de preços que incorpora um serviço de streaming apoiado por publicidade como parte de um esforço para tornar o negócio de streaming lucrativo.

A partir de 8 de dezembro nos EUA, o Disney+ com comerciais custará US$ 7,99 por mês — atualmente o preço do Disney+ sem anúncios. O preço do Disney+ sem anúncios aumentará 38%, para US$ 10,99 — um reajuste de US$ 3 mensais.

O preço do Hulu sem anúncios subirá em US$ 2 por mês, de US$ 12,99 para US$ 14,99, a partir de 10 de outubro. O Hulu com anúncios será reajustado em US$ 1 por mês, de US$ 6,99 para US$ 7,99.

A empresa anunciou no mês passado que o ESPN+ com anúncios subiria 43%, para US$ 9,99 por mês.

Os aumentos de preços refletem a crescente perda operacional dos serviços de streaming da Disney. Disney+, Hulu e ESPN+ combinados perderam US$ 1,1 bilhão no terceiro trimestre fiscal, US$ 300 milhões a mais do que a estimativa média dos analistas, refletindo o maior custo de conteúdo nos serviços.

A receita média por usuário do serviço de streaming diminuiu 5% no trimestre nos EUA e no Canadá devido a mais clientes que aceitam ofertas de vários produtos mais baratas.

Disney (DISB34): pacotes mais caros

A Disney (DISB34) também anunciou novos preços de pacotes incorporando o Disney+ com comerciais.

Apenas para clientes existentes, um pacote de Disney+ sem anúncios e Hulu e ESPN+ com anúncios aumentará em US$ 1, de US$ 13,99 para US$ 14,99.

O preço de um pacote do Disney+, Hulu e ESPN+, todos com anúncios, será de US$ 12,99, ou US$ 1 abaixo do preço atual do pacote Disney.

Os consumidores poderão comprar um pacote Disney+ e Hulu por US $ 9,99 por mês com comerciais — um desconto para pagar o Disney+ e o Hulu com anúncios separadamente.

O preço do Disney+ sem anúncios e Hulu sem anúncios, com ESPN+, será de US$ 19,99 por mês.

Veja também: Temporada de balanços — o que esperar do Magazine Luiza?

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

MERCADOS AO VIVO

Bolsa hoje: Ibovespa futuro abre em queda e acompanha a maior aversão ao risco do exterior; dólar sobe

28 de setembro de 2022 - 9:04

RESUMO DO DIA: As bolsas internacionais operam em tom negativo nesta quarta-feira (28). Os investidores seguem com maior cautela com a expectativa de recessão global no radar. Nos EUA, os discursos de dirigentes do Federal Reserve (Fed), dentre eles o do presidente Jerome Powell, devem continuar influenciando as bolsas americanas. Com a agenda esvaziada no […]

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

O efeito do abraço de urso: a volta dos IPOs na B3, dividendos milionários, inverno cripto e outras notícias que mexem com seus investimentos

28 de setembro de 2022 - 8:17

A sucessão de baixas dos ativos de risco nos mercados financeiros levou os investidores a uma caça às pechinchas — e cada vez mais analistas consideram que é hora de ir às compras nas bolsas

DE OLHO NA BOLSA

Esquenta dos mercados: Bolsas internacionais caem antes de falas de Jerome Powell e dirigentes do Fed; Ibovespa acompanha Campos Neto e Guedes hoje

28 de setembro de 2022 - 7:40

Por aqui, a última rodada da pesquisa Genial/Quaest antes do primeiro turno das eleições presidenciais mostra chances de que Lula ganhe no primeiro turno

REPORTAGEM ESPECIAL

Nova safra de IPOs vai ficar só para 2023 — e terá uma cara bem diferente da última janela

28 de setembro de 2022 - 7:00

Após um período difícil para IPOs, setores mais preparados para abertura de capital em breve são de energia, infraestrutura e saneamento

PALAVRA DO TRADER

O ótimo é inimigo do bom para um trader. O que fazer para não deixar a oportunidade passar

28 de setembro de 2022 - 6:35

Muitos traders, principalmente os iniciantes, se apegam tanto à otimização que demoram muito para colocar o setup para operar

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies