🔴 RECEBA ANÁLISES DE MERCADO DIÁRIAS: CLIQUE AQUI E SIGA O SEU DINHEIRO NO INSTAGRAM

2022-03-22T07:35:55-03:00
Ricardo Gozzi
AGORA VAI?

A Alibaba aumentou seu programa de recompra de novo – e as ações dispararam em Hong Kong

Depois de ver suas ações atingirem a mínima histórica em 11 de março, a Alibaba elevou seu programa de recompra pela segunda vez em menos de um ano

22 de março de 2022
7:28 - atualizado às 7:35
Jack Ma, fundador do Alibaba
Jack Ma, fundador do Alibaba - Imagem: Getty Images

A Alibaba, gigante chinesa do comércio eletrônico fundada pelo bilionário Jack Ma, pode ser acusada de muitas coisas, menos de falta de iniciativa para recuperar os dias de glória.

As ações da Alibaba subiram mais de 11% no pregão de hoje em Hong Kong depois de a empresa ter anunciado que vai aumentar seu programa de recompra de ações de US$ 15 bilhões para US$ 25 bilhões.

O esquema de recompra de ações será válido até março de 2024, informou a Alibaba. O programa de recompra inclui os ADRs da empresa em Nova York. A Alibaba também possui BDRs listados na B3 sob o ticker BABA34.

Alibaba vê ações depreciadas

A gigante do comércio eletrônico busca recuperar a confiança dos investidores depois de suas ações terem perdido cerca de dois terços de seu valor desde sua máxima histórica, atingida em outubro de 2020.

“O preço das ações do Alibaba não reflete de maneira justa o valor da empresa, devido aos nossos robustos planos de saúde e expansão financeira”, disse o vice-diretor financeiro da empresa, Toby Xu, em comunicado.

Da máxima histórica à mínima histórica

Esta é a segunda vez em poucos meses que a Alibaba incrementa seu programa de recompras.

Em dezembro de 2020, quando as ações já se distanciavam bastante das máximas históricas, a Alibaba anunciou um primeiro programa de recompra de US$ 10 bilhões em ações. Incapaz de evitar a queda, o programa foi ampliado para US$ 15 bilhões em agosto do ano passado.

Agora, depois de ver suas ações atingirem sua mínima histórica em 11 de março, a Alibaba elevou novamente o programa, agora a US$ 25 bilhões.

Ventos contrários diminuíram?

Depois de atingir seu auge em outubro de 2020, a Alibaba enfrentou uma série de problemas, incluindo ventos contrários macroeconômicos e o contínuo aperto regulatório do governo chinês.

No ano passado, a Alibaba chegou a ser autuada em US$ 2,8 bilhões pelas autoridades antitruste da China.

Na semana passada, porém, autoridades chinesas manifestaram a intenção de manter estável o mercado de ações de Hong Kong e anunciaram medidas para estabilizar os setores imobiliário e de internet.

Com a alta de hoje, as ações da Alibaba já acumulam uma recuperação de mais de 50% desde a mínima histórica.

Resta saber se o programa de recompra vai surtir o efeito esperado por um período mais prolongado.

*Com informações da CNBC.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

ELEIÇÕES 2022

Quem é Maria Luiza Ribeiro Viotti, a primeira mulher a comandar o Itamaraty se Lula vencer as eleições?

A indicação de uma mulher para o Itamaraty contemplaria o movimento feminino na diplomacia, que ganhou força política no Congresso e foi incentivado por Amorim no passado; o Brasil nunca teve uma chanceler

QUEREM PARAR O RUSSO

Todos contra Putin: O assunto da vez da reunião dos líderes do G7? Impor limites à Rússia

Dessa vez, a ideia central é a de impor um “teto” no preço dos combustíveis russos — a proposta foi trazida à pauta pelo presidente americano, Joe Biden

TECNOLOGIA EM FOCO

Em busca de inovação: Petrobras (PETR4) lança oportunidades para aquisição de soluções de startups e empresas de tecnologia; saiba como funciona

A Petrobras vai investir até R$ 21,2 milhões em empresas de tecnologia e startups de soluções nas áreas de robótica, tecnologias digital e d inspeção

DUELO DE GIGANTES

Berkshire, de Warren Buffett, está à caça da Tesla, de Elon Musk — veja como anda essa disputa

No auge da pandemia de covid-19, a fabricante de veículos elétricos nadou de braçada, com as ações disparando mais de 12 vezes, enquanto os papéis da holding do Oráculo de Omaha subiram modestos 60%; será que o cenário ainda é o mesmo?

BOMBOU NAS REDES

Luiza Trajano em desespero? Após derreter quase 70%, Magazine Luiza (MGLU3) leva o título de pior ação do semestre; descubra quem mais chegou perto de virar pó no período

Com ações derretendo quase 70%, Magazine Luiza (MGLU3) teve o pior desempenho do semestre; veja o ranking completo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies