Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-11-22T13:39:59-03:00
Ricardo Gozzi
Os ricos também choram

O que está por trás da ofensiva do governo da China contra os bilionários e detentores de grandes fortunas

Aperto regulatório, medidas contra a formação de monopólios e estímulo à filantropia estão entre as ações adotadas por Pequim para mitigar as desigualdades no país

29 de outubro de 2021
7:10 - atualizado às 13:39
banco do povo da china
A pressão ocorre no contexto da implementação da doutrina da prosperidade comum pelo presidente Xi Jinping - Imagem: Shutterstock

Xu Jiyain já foi o homem mais rico da China. A fortuna do fundador da Evergrande ainda causa muita inveja por aí, mas pode estar com os dias contados.

Isso porque o governo chinês tem pressionado Xu, também conhecido como Hui Ka Yan em cantonês, a usar sua fortuna pessoal para aliviar a crise do conglomerado.

Com mais de US$ 300 bilhões (quantia equivalente a quase R$ 1,7 trilhão) em dívidas, a Evergrande é considerada a incorporadora mais endividada do mundo.

Prosperidade comum

A pressão do governo chinês ocorre no contexto da implementação da doutrina da prosperidade comum pelo presidente Xi Jinping.

No Ocidente, estamos habituados a ver os bilionários e suas grandes corporações acumularem não apenas inimagináveis fortunas, como também imenso capital político.

Já Pequim tenta fazer frente àquela que é vista como uma das grandes contradições de seu “socialismo com características chinesas”: a desigualdade que torna a China o segundo país com maior número de bilionários no mundo.

Ao mesmo tempo, o governo tenta evitar a formação de grupos de pressão que eventualmente possam vir a interferir nos objetivos traçados em seus minuciosos planos quinquenais.

Não é só com Xu

Xu não é o único - nem foi o primeiro - bilionário a entrar na mira do governo chinês. Jack Ma que o diga.

Ma fez fortuna à frente da Alibaba, um conglomerado de tecnologia que rapidamente cresceu dentro da China e se expandiu para outros países.

Transformado em uma espécie de magnata-celebridade, Jack Ma foi aos poucos colocando as asinhas de fora, especialmente com críticas à legislação chinesa em relação a temas financeiros.

Cortando as asas de Jack Ma

Os comentários não tardaram a ser recebidos como uma indesejada tentativa de interferência nos planos de Pequim. Na primeira oportunidade, o governo não hesitou em cortar as asas de Ma.

No início de novembro de 2020, o IPO do Ant Group na bolsa de valores de Xangai era aguardado com expectativa no mundo dos negócios.

Dedicada à prestação de serviços financeiros digitais, a fintech tem em Jack Ma seu principal sócio.

IPO cancelado e aposentadoria do bilionário

Teria sido a maior oferta pública inicial de ações da história. Se tivesse acontecido. Menos de 48 horas antes do IPO, a autoridade reguladora do mercado de capitais da China cancelou o lançamento das ações na bolsa.

Desde então, as ações do Grupo Alibaba perderam mais de 40% de seu valor. Ainda assim, Jack Ma figura como o quarto homem mais rico da China. Sua fortuna atual é estimada em US$ 42,3 bilhões.

Na esteira do revés financeiro, Jack Ma baixou o tom e sumiu dos holofotes, o que de tempos em tempos alimenta especulações sobre sua situação legal. Na verdade, ele anunciou sua aposentadoria em 2019, quando completou 55 anos.

O bilionário ressurgiu há cerca de duas semanas em Hong Kong e em seguida embarcou numa viagem em família que o levou para a Europa. Confira as imagens no vídeo abaixo:

Segundo país com mais bilionários no mundo

Governada pelo Partido Comunista desde 1949, a China saiu da condição de sociedade predominantemente rural a potência industrial e tecnológica a partir de um projeto de Estado colocado em marcha em 1980.

De 1980 a 2020, 653 milhões de chineses trocaram o campo pelas áreas urbanas e 850 milhões deixaram para trás a linha da pobreza.

Ainda que o processo tenha transcorrido sem que houvesse uma favelização das grandes cidades chinesas, ele não ocorreu sem gerar desigualdades.

A China é o segundo país com mais bilionários no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, com 724 na mais recente lista da Forbes, divulgada no início de outubro.

Mesmo em meio à pandemia, o número de bilionários chineses passou de 456 para 698, segundo a Forbes. Trata-se de um aumento de 53%.

Aperto regulatório

É neste contexto que o governo chinês tem atuado para restringir o poder e a influência da parcela mais rica de sua sociedade.

Entre as medidas, Pequim tem promovido apertos regulatório e monetário sobre diversos setores da economia para evitar a formação de monopólios ou oligopólios privados.

Além de incorporadoras como a Evergrande e empresas de tecnologia como a Alibaba, esses apertos abrangem setores como os de educação e serviços de saúde.

Ao mesmo tempo em que essas medidas assustam o público externo, o governo afirma ter a situação sob controle.

É preciso ainda levar em conta que a China é um país de 1,4 bilhão de habitantes. Certamente, situações que estimulem ampla insatisfação social não fazem parte de nenhum plano quinquenal elaborado por lá.

Surto filantrópico dos bilionários

Mais recentemente, um surto de filantropia parece ter acometido os ultra-ricos chineses.

Wang Xing, fundador da empresa de entrega de alimentos Meituan, doou o equivalente a US$ 2,7 bilhões em ações para fins de pesquisa científica e educação.

Colin Huang, fundador da gigante do comércio eletrônico Pinduoduo, doou US$ 1,85 bilhão a um fundo educacional.

He Xiangjian, do império de eletrodomésticos Midea, e o próprio Xu Jiayin, da Evergrande, desembolsaram respectivamente US$ 975 milhões e US$ 370 milhões para ações de mitigação da pobreza, assistência médica e programas culturais.

A lista de doações de bilionários a ações filantrópicas não para neles, mas tem por trás a articulação do governo chinês. O encorajamento às doações está inscrito inclusive no plano quinquenal vigente.

Diante da intenção de estabelecer um estado de bem-estar público na China, o governo do país asiático desenvolveu mecanismos para estimular os bilionários a devolverem parte de suas fortunas à mesma sociedade que os enriqueceu.

E, pelo nível e pela frequência das doações, o plano parece estar funcionando.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

SOBE E DESCE DOS COMBUSTÍVEIS

Petrobras (PETR4) nega que está em conversa com o Cade sobre mudança na política de preços

A estatal reiterou o compromisso com a prática de preços competitivos e em equilíbrio com o mercado, acompanhando as variações para cima e para baixo

SINAL VERDE

Acionistas do Inter (BIDI11) aprovam planos de migração para os EUA e devem decidir entre BDRs e cash-out até a próxima semana; entenda

Agora, os acionistas terão até o próximo dia 20 para escolher entre os BDRs ou o cash-out, ou seja, troca dos ativos por dinheiro

BALANÇO

Cogna (COGN3) melhora desempenho no primeiro trimestre, mas não sai do prejuízo; confira as notas da empresa

Embora tenha visto uma melhora no resultado nos três primeiros meses do ano, ainda assim a empresa registrou prejuízo líquido de R$ 13,1 milhões, o que representa uma diminuição de 61,3% em relação às perdas registradas no mesmo período do ano anterior

VISÃO MACRO

Quem segura a inflação — e as taxas de juros?

Com inflação ainda em alta, cenário para a próxima reunião do BC é de mais uma alta de 0,50 ponto percentual da Selic, para 13,25% ao ano

BALANÇO

Lucro líquido da B3 (B3SA3) recua para R$ 1,2 bilhão no primeiro trimestre; confira os destaques financeiros da operadora da bolsa brasileira

O lucro societário, que é usado como referência para o pagamento de dividendos, apresentou queda maior e somou R$ 1,1 bilhão

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies