🔴 [TESTE GRÁTIS] 30 DIAS DE ACESSO A SÉRIE RENDA IMOBILIÁRIA – LIBERE AQUI

Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Nike e outras

Os 5 BDRs que têm tudo para voar alto com o consumo cada vez mais forte na China

As vendas no varejo na China sobem forte desde o começo do ano. Veja algumas empresas com forte exposição ao mercado chinês e com BDRs na B3

Victor Aguiar
Victor Aguiar
27 de junho de 2021
16:02 - atualizado às 16:05
China consumo Nike Apple Alibaba Starbucks Qualcomm
Imagem: Shutterstock

Uma das teses de investimento mais discutidas no mercado é a da reabertura econômica: com a vacinação avançando, mais pessoas vão voltar aos shoppings e aos centros comerciais. O pulo do gato, então, é saber quais empresas vão se beneficiar mais. Varejistas de moda, lojas de departamento, companhias áreas... Há inúmeras possibilidades.

Aqui no Brasil, essa discussão ainda ocorre no campo futuro, já que a Covid-19 continua fora de controle no país. Mas, na China, a história é diferente: o gigante asiático está bastante à frente da curva e, por lá, o consumo já está se recuperando a pleno vapor.

Uma análise rápida dos dados de vendas no varejo na China desde o começo do ano revela taxas de crescimento de mais de dois dígitos em todos os meses de 2021.

O avanço foi particularmente forte no primeiro trimestre, mas vale lembrar que a base de comparação era fraca: o período de janeiro a março de 2020 foi o mais crítico da pandemia no país.

Dados varejo China

É verdade que os resultados vistos em abril e maio ficaram abaixo das expectativas do mercado, mas, ainda assim, taxas de crescimento de mais de 10% não são desprezíveis. E, é claro: as empresas que possuem maior exposição a esse mercado de consumo estão sorrindo de orelha a orelha.

Pensando nisso, fiz uma seleção de algumas companhias globais que estão bem estabelecidas no gigante asiático e que tem tudo para se beneficiar da explosão no consumo no país. E, melhor ainda: todas elas têm BDRs negociados na B3.

Vamos à lista:

Nike

Fachada de loja da Nike
Fachada de loja da Nike em shopping na Malásia

Você pode não saber, mas a Nike faz um sucesso enorme na China: cerca de 15% da receita vem do gigante asiático. E o fortalecimento das vendas no país foi o destaque do último balanço da empresa, divulgado na quinta-feira (24).

Ao todo, a receita líquida da Nike quase dobrou no trimestre encerrado em maio: US$ 12,3 bilhões, versus US$ 6,3 bilhões no mesmo período de 2020. Na China, o crescimento das vendas foi de 17%, chegando a US$ 1,9 bilhão — o restante da Ásia, a Oceania e a América Latina, somados, chegaram a US$ 1,5 bilhão.

Num período de 12 meses, as vendas da Nike na China chegaram a US$ 8,3 bilhões, alta de 24% — foi o melhor desempenho entre todas as regiões consideradas pela companhia.

O mercado reagiu de forma eufórica: as ações da Nike nos EUA (NKE) dispararam 15,5% na sexta-feira (25); os BDRs da empresa negociados na B3 (NIKE35) não ficaram para trás: subiram 15,9%.

Apple

Fachada de loja da Apple
Fachada de loja da Apple na Austrália

Ok, a China impulsionou a Nike, mas as ações e BDRs já precificaram esse resultado. Então, vamos para outras empresas que também possuem forte exposição ao mercado chinês e que ainda não reportaram seus números — e a primeira na lista é a Apple.

Dentre as regiões geográficas consideradas pela empresa, a China é a terceira maior em vendas, perdendo apenas para os EUA e para a Europa. No primeiro trimestre desse ano, a Apple teve receita líquida de US$ 89,6 bilhões, dos quais US$ 17,7 bilhões vieram do gigante asiático — quase 20% do total.

Considerando que o consumo na China tem se recuperado num ritmo elevado, que a Apple lançou o iPhone 12 e toda uma nova linha de produtos e serviços em outubro de 2020 e que os resultados da Nike são uma prova do aquecimento do mercado chinês... Temos perspectivas animadoras pela frente.

Na sexta-feira, as ações da Apple na Nasdaq (AAPL) recuaram 0,22%, a US$ 133,11; os BDRs subiram 0,52%, a R$ 65,58. A companhia deve divulgar seu próximo balanço no dia 29 de julho.

Starbucks

Loja do Starbucks
Loja do Starbucks na Malásia

Tradicionalmente, o chá sempre foi a bebida quente mais consumida pelos chineses. Mas tudo mudou com a chegada do Starbucks: pouco a pouco, o café foi sendo introduzido nos hábitos de consumo da população — e a rede, hoje, é líder absoluta entre as redes de cafeterias, com quase 5 mil lojas no país.

As vendas do Starbucks chegaram a US$ 6,7 bilhões no primeiro trimestre — US$ 4,7 bilhões nos EUA e US$ 1,6 bilhão no resto do mundo, com outros US$ 370 milhões em receita de outros serviços.

A China, sozinha, teve vendas de US$ 861 milhões — mais da metade de toda a receita do segmento internacional e 13% da receita total. E a empresa quer continuar crescendo no gigante asiático: pretende abrir mais 600 unidades no país neste ano e busca um aumento de 32% nas vendas mesmas lojas.

As ações do Starbucks (SBUX) subiram 0,94% na sexta, a US$ 113,04; os BDRs (SBUB34) avançaram 1,62%, a R$ 558,40 — o próximo balanço está previsto para o dia 27 de julho.

Alibaba

Alibaba
Uma das sedes do Alibaba na China

Essa é uma pedra fácil de cantar: Alibaba, o gigante chinês de e-commerce que bateu a toda poderosa Amazon no país, obviamente tem muito a ganhar com a recuperação do consumo por lá.

Nos últimos 12 meses, o Alibaba teve 811 milhões de consumidores ativos apenas na China. Dos US$ 28,6 bilhões de receita líquida registrados no primeiro trimestre, US$ 24,6 bilhões foram obtidos no país — cerca de 86% do total.

O Alibaba tem enfrentado problemas com as autoridades antimonopólio da China, que frequentemente aplicam multas e sanções à empresa. Ainda assim, o conglomerado criado por Jack Ma segue disparado na liderança do e-commerce do país.

As ações do Alibaba na Nasdaq (BABA) subiram 4,63% na sexta, a US$ 228,50; os BDRs da companhia (BABA34) avançaram 6,22%, a R$ 40,62 — o próximo balanço está previsto para o dia 19 de agosto.

Qualcomm

Qualcomm
Zoom de Chip Qualcomm, modelo MSM6290

Para fechar, uma companhia com grande exposição à China, embora se aproveite de maneira secundária da explosão do consumo: a Qualcomm, fabricante de chips e semicondutores.

Grande parte dos componentes produzidos pela Qualcomm é exportada para a China, abastecendo muitas das fábricas de smartphones e produtos eletrônicos diversos. E o país é sede de empresas como a Xiaomi e tem unidades de montagem da Lenovo e OnePlus, entre outras.

O racional é semelhante ao da Apple: se a demanda por smartphones estiver aquecida, serão necessários mais chips e semicondutores — e a Qualcomm é uma fornecedora importante para as fábricas chinesas.

A Qualcomm fechou o primeiro trimestre com receita líquida de US$ 7,9 bilhões, alta de 52% em um ano. A empresa não revela quanto desse montante foi obtido com a China, mas disse que boa parte do crescimento se deve às exportações maiores para o país asiático.

As ações da Qualcomm (QCOM) recuaram 0,20% na sexta, a US$ 137,65; os BDRs (QCOM34) subiram 1,37%, a R$ 57,07.

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies