🔴 ESTA CRIPTOMOEDA DISPAROU 4.200% EM 2 DIAS – VEJA SE VALE INVESTIR

Investindo em startups: empresas iniciantes podem trazer ganhos absurdos com uma grande tacada, mas ela precisa ser certeira

Antes restrito a milionários, investimento em startups com grande potencial de valorização hoje já pode ser feito até via plataformas online. E com aportes tão pequenos quanto R$ 1 mil.

28 de janeiro de 2022
6:01 - atualizado às 23:58
Empresas Unicórnio - NuBank - Loggi - Stone - Gympass - 99
Os primeiros unicórnios - startups que valem acima de US$ 1 bilhão - brasileiros. Imagem: Seu Dinheiro / Shutterstock

David era um grafiteiro que tinha acabado de sair da prisão em 2005. Depois de alguns meses enjaulado, ele estava louco para fazer algumas pinturas.

Sean era um grande fã do grafiteiro. E como ele queria dar uma cara descolada para a sede da sua nova empresa de tecnologia no Vale do Silício, chamou David para pintar algumas paredes.

Os dois se encontraram, combinaram o projeto e acertaram um valor de US$ 60 mil para a arte.

Dinheiro ou ações?

Depois de terminar o trabalho, David recebeu a seguinte proposta de Sean: você ainda quer os US$ 60 mil em dinheiro, ou prefere que a gente dê para você algumas ações da nossa empresa?

O problema é que a tal empresa era completamente desconhecida. Na verdade, era pior do que isso. David, o grafiteiro, achava o que eles faziam sem sentido e ridículo. Ou seja, havia grandes chances de o investimento não vingar.

Mesmo assim, acabou aceitando as ações porque além de grafite ele gostava também de fazer apostas.

Ações!

Sete anos depois, aquela empresa, chamada Facebook, abriu capital valendo US$ 100 bilhões na Nasdaq.

E o "aporte" de US$ 60 mil de David Choe, o grafiteiro, acabou se transformando em US$ 200 milhões – uma multiplicação de mais de 3 mil vezes.

Essa história é real e mostra como investimentos precoces em companhias ainda em estágio inicial de operação são capazes de transformar quantias razoáveis em verdadeiras fortunas.

Mas acredite, essa não é a maior lição nessa história.

O mais importante aqui é entender que David claramente não tinha muita esperança em resgatar aquela grana. Ele encarou aquela proposta como uma aposta, que poderia vingar mas tinha grandes chances de não dar certo e ele nunca mais ver os US$ 60 mil.

Provavelmente, foi justamente essa abordagem que o tornou milionário, caso contrário, você acha que ele investiria dinheiro em três garotos que tinham pouco mais do que uma ideia "sem sentido e ridícula".

Investir em startups

A verdade é que, sem saber, Choe tinha a característica mais importante para qualquer investidor de startups: a plena consciência de que o retorno nessa classe de ativos tende a ser negativo ou mesmo virar pó (ou seja, a empresa falir). 

Aliás, os dados abaixo da Correlation Ventures deixam bem claro esse ponto:

Fonte: Correlation Ventures

Quase 65% das empresas que recebem aportes de investidores nos estágios iniciais acabam não trazendo retornos positivos.

Apenas 2,5% das empresas nesses estágios iniciais conseguem se valorizar entre 10 e 20 vezes e menos de 0,5% conseguem se multiplicar por mais de 50 vezes.

Mas se a grande maioria dos retornos é tão ruim assim, por que existem investidores de startups, que aportam dinheiro nessas empresas em estágios tão iniciais?

Porque basta apenas um grande acerto no meio de várias tentativas frustradas para que o seu retorno seja muito positivo (muito mesmo).

Apenas ilustrando o exemplo de Choe, mas com aportes de R$ 1 mil em 100 companhias diferentes: se antes de colocar R$ 1 mil no Facebook ele tivesse investido o mesmo montante em ações de outras 99 empresas e perdido tudo, ainda assim terminaria o jogo com um saldo positivo considerável de R$ 3,23 milhões.

A multiplicação de 3.333 vezes o valor investido no Facebook mais do que compensaria os R$ 99 mil perdidos nas outras apostas furadas.

Os investidores Anjos

Não é à toa que muita gente usa uma parte do portfólio para investir em dezenas, às vezes centenas de startups em busca da grande tacada.

Aliás, tem até um nome para diferenciá-los dos outros. Esses garimpeiros do mundo dos negócios são conhecidos como Investidores Anjos. Eles destinam uma parte do portfólio que não fará falta – o dinheiro da pinga, e não o do leite – para investir em empresas que estão nos estágios iniciais da vida e que, na maioria das vezes, não vingam. Mas quando dão certo, podem trazer ganhos simplesmente absurdos.

O problema é que antes esse tipo de investimento estava restrito às pessoas milionárias e com proximidade com banqueiros influentes.

Felizmente, hoje em dia já existe até uma plataforma aberta, como a CapTable, para você investir em startups com grande potencial de valorização. E com aportes tão pequenos quanto R$ 1 mil.

Hoje, a parte difícil não é mais ter a oportunidade de investir em startups, mas decidir quais delas são as mais promissoras para aumentar as suas chances de pegar aquela grande porrada.

Por isso, a Empiricus está lançando o curso Investindo em Startups, no qual você receberá a ajuda necessária para saber quanto, como e onde investir nesse mundo ainda muito desconhecido e com enorme potencial.

A primeira aula será gratuita, na próxima segunda-feira, e você poderá assistir se inscrevendo aqui.

Um grande abraço e até a semana que vem!

Ruy

Compartilhe

SEXTOU COM O RUY

Opção é apenas para investidores profissionais? O fundo dos sobrinhos de Armínio Fraga acaba de nos mostrar que você pode se sair bem melhor do que eles

16 de setembro de 2022 - 6:03

Um desastre recente tratou de mostrar que, no mercado financeiro, todo mundo pode cometer erros, até os profissionais

SEXTOU COM O RUY

Tudo tem preço, até mesmo aquela ação ‘pra vida inteira’ que você tem na carteira

9 de setembro de 2022 - 6:03

Como nos ensinou Benjamin Graham, o Senhor Mercado é um sujeito bipolar, disposto a pagar preços absurdamente baixos ou altos por suas ações, dependendo do humor

SEXTOU COM O RUY

Por que a Gerdau acertou mais uma vez ao segurar aquele caminhão de dividendos que todos estavam esperando

2 de setembro de 2022 - 5:43

Um ano depois, a Gerdau continua ensinando os analistas sobre a gestão disciplinada de recursos que diferencia as boas empresas do mercado

SEXTOU COM O RUY

Se Warren Buffett fosse brasileiro, qual ação ele compraria? Um investimento recente do mago de Omaha dá uma pista

26 de agosto de 2022 - 5:40

O megainvestidor está interessado em uma petroleira norte-americana, mas um nome brasileiro do setor é ainda mais atraente

SEXTOU COM O RUY

Você é um pequeno investidor? Descubra as vantagens que você tem sobre o resto do mercado e ainda não sabia

19 de agosto de 2022 - 6:40

Investidores institucionais muitas vezes são obrigados a abrir mão de oportunidades das quais nós, pequenos investidores, podemos obter ganhos vultosos

SEXTOU COM O RUY

Investir em estatal vale a pena? Uma reflexão sobre como o Banco do Brasil (BBAS3) subverteu as máximas dos manuais de investimentos

12 de agosto de 2022 - 5:57

Banco do Brasil (BBAS3) negocia com múltiplos baixos demais para a qualidade dos resultados que tem apresentado e ainda guarda um bom potencial de valorização

SEXTOU COM O RUY

Com a Selic em 13,75%, ainda vale a pena investir em ações?

5 de agosto de 2022 - 6:03

Com essa renda enorme de mais de 1% ao mês, sem riscos e sem sustos, será que ainda vale ter ações na carteira?

SEXTOU COM O RUY

A armadilha dos dividendos: cuidado para não cometer o maior erro dos investidores que buscam ‘vacas leiteiras’ na bolsa

29 de julho de 2022 - 6:01

Quem não gosta de ver um dinheirinho pingando na conta? O problema é que muitas vezes os dividendos prometidos são insustentáveis; entenda

sextou com o ruy

Bolsonaro venceu? Petrobras enfim reduz o preço da gasolina, mas até que ponto vai a influência do presidente?

22 de julho de 2022 - 6:34

Se a Petrobras tivesse baixado os preços por mera pressão do governo, as ações teriam desabado; entenda o que está por trás da redução

SEXTOU COM O RUY

A Vivo (VIVT3) e sua estabilidade à prova de crise nos mostram: negócios chatos não são maus negócios

15 de julho de 2022 - 6:11

A Vivo (VIVT3) manteve suas receitas praticamente estáveis nos últimos anos. Ainda assim, esse ‘negócio chato’ gera muito valor ao acionista

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar