🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView

Presidente novo, política nova? Por que as ações da Petrobras (PETR3; PETR4) continuam atraentes mesmo com tantas trocas de comando

O que realmente preocupa na Petrobras é o risco de o novo CEO ceder e obrigá-la a vender combustíveis por preços bem abaixo da paridade internacional

8 de julho de 2022
6:32 - atualizado às 23:22
O presidente Jair Bolsonaro, em montagem ao lado do logotipo da Petrobras
Ações da Petrobras operam atualmente a múltiplos atrativos. - Imagem: Montagem Andrei Morais/Shutterstock

Você deve ter visto que a chegada de Caio Paes de Andrade à Presidência da Petrobras (PETR3; PETR4) foi acompanhada de muita polêmica.

Não é para menos. Paes de Andrade é o quarto CEO diferente a gerir a estatal na era Bolsonaro.

Ele chegou para substituir José Mauro Coelho, que ficou apenas 40 dias no cargo e cuja demissão gerou bastante polêmica.

O que realmente preocupa em relação à Petrobras

Mas não é a frequência das trocas que traz preocupação. De certa forma, já estamos acostumados com isso. 

O que realmente traz preocupação ao mercado é a possibilidade de que o novo CEO finalmente ceda à pressão do governo e comece a obrigar a Petrobras a vender combustíveis por preços bem menores do que a paridade internacional.

Será que as coisas vão mudar a partir de agora?

Isso já estava acontecendo na Petrobras

Antes de continuar, é bom deixar claro que a Petrobras já está vendendo combustíveis em suas refinarias por preços menores do que os praticados nos mercados internacionais.

Dê uma olhada no gráfico abaixo, que compara o preço da gasolina no mercado internacional com o preço desse mesmo combustível vendido nas refinarias brasileiras, em dólar.

Repare que, desde o começo do ano passado, os combustíveis no Brasil têm ficado para trás. Ou seja, desde a gestão do General Joaquim Silva e Luna os preços não têm sido corrigidos como deveriam, o que sugere o início de uma pressão um pouco mais acentuada sobre a companhia já naquela época.

Mas isso não tem impedido a companhia de registrar lucros recordes nos últimos trimestres.

Como isso foi possível?

Com o Brent em patamares elevados e uma eficiência cada vez melhor no segmento de Exploração e Produção (E&P), a Petrobras neste momento pode se dar ao luxo de vender derivados de petróleo um pouco abaixo dos preços internacionais, perdendo parte das receitas no refino, e mesmo assim conseguindo resultados consolidados extraordinários. 

Fonte: Bloomberg

Lucrativa mesmo com interferência

Ou seja, a combinação de um petróleo em patamares elevados com uma operação de Exploração e Produção cada vez mais eficiente tem permitido à Petrobras ter lucros recordes, mesmo com o governo forçando um certo desconto sobre os combustíveis.

Mas é claro que a companhia não está completamente blindada de uma piora de resultados.

O primeiro fator que pode atrapalhar bastante é uma queda relevante das cotações do petróleo. Se o barril voltar para os patamares de US$ 40 a US$ 50, isso atrapalharia muito a geração de caixa do segmento E&P, que é o que realmente tem gerado valor para os acionistas, como pudemos ver no gráfico acima que mostra o lucro operacional dos segmentos.

Apesar de esse risco existir, é bom lembrar que a oferta de petróleo continua muito restrita e a falta de investimentos na produção por conta das iniciativas ESG torna esse patamar de preços bastante improvável no curto e médio prazos.

A segunda forma de piorar os resultados é se o governo impuser descontos muito abusivos para o preço da gasolina e do diesel no mercado interno, talvez até forçando a companhia a comprar gasolina e diesel caros no mercado internacional para vendê-los mais baratos e com grande prejuízo no mercado local. A perda com o setor de refino poderia acabar anulando os resultados positivos do segmento de E&P, o que faria as ações caírem.

Esse é o grande risco da tese e o grande motivo pelo qual PETR4 negocia com tanto desconto na bolsa. Mas neste aspecto também não somos tão pessimistas.

Isso vai acontecer?

Até agora, nada efetivamente mudou na gestão da companhia. Em suas primeiras declarações como presidente da Petrobras, o novo CEO disse não ter tido nenhuma orientação específica do governo federal para alterar a política de precificação dos combustíveis, o que não deixa de ser um sinal bastante positivo.

Outro ponto que joga contra uma interferência abusiva é a tentativa de venda de algumas refinarias pertencentes à Petrobras atualmente.

A venda dessas refinarias para players privados certamente ajudaria a trazer preços mais competitivos para o mercado, algo que é de interesse do próprio governo. Mas dificilmente alguém se interessaria em comprar uma refinaria que pudesse ser obrigada a vender combustíveis abaixo do preço de custo.

Além disso, é sempre bom lembrar que as punições estabelecidas pela Lei das Estatais para casos de interferência política em companhias controladas pelo governo são pesadíssimas contra as pessoas que autorizarem essas más condutas, o que diminui as chances de alguém implementar medidas que afetem os acionistas em benefício de interesses políticos.

Não é impossível, mas está no preço

Mas a verdade é que mesmo com leis protegendo a companhia, e mesmo com o novo CEO dizendo que vai manter tudo como está, ainda assim podemos ver uma interferência mais pesada daqui para frente. Você precisa estar ciente disso! 

Mas, ao mesmo tempo, as ações da Petrobras estão entre aquelas com maior potencial de retorno do mercado.

Atualmente, PETR4 negocia por menos de 3 vezes lucros, 1,3 vez o seu fluxo de caixa e com cerca de 40% de dividend yield. São números absurdamente atrativos que eu não me lembro de ter visto antes na bolsa.

Por isso, mesmo com as possibilidades de interferência, entendemos que os riscos já estão mais do que bem precificados, e que a assimetria neste momento é amplamente favorável aos papéis.

Se o pior acontecer (interferência e queda do petróleo), perderemos. Mas se o melhor acontecer (sem interferência e petróleo elevado), o potencial de valorização é muito maior.

É por isso, inclusive, que a Petrobras (PETR4) está na série Double Income, focada em investir em ativos geradores de renda e com potencial de valorização também.

Se quiser conferir a série, deixo aqui o convite.

Um grande abraço e até a semana que vem!

Ruy

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies