🔴 +35 RECOMENDAÇÕES DE ONDE INVESTIR EM MARÇO – VEJA GRATUITAMENTE

Cotações por TradingView
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @Renan_SanSousa
De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas e bitcoin (BTC) caem após ata do Fed, e Ibovespa deve aprofundar queda com risco fiscal do cenário doméstico

Os índices dos Estados Unidos tiveram uma queda expressiva ontem (05) após a divulgação do documento, e o Ibovespa, que já ia mal, piorou ainda mais

Renan Sousa
Renan Sousa
6 de janeiro de 2022
8:00 - atualizado às 9:36
FED Assombração Fantasma Mercados Gráfico Federal Reserve Jerome Powell bolsa
Saiba o que movimenta o Ibovespa, dólar e as bolsas pelo mundo hoje (06). Imagem: Shutterstock, com intervenção de Andrei Morais

A palavra “incerteza” gera calafrios na espinha dos investidores, mas a concretude do pior cenário possível também não agrada. O Federal Reserve, o Banco Central americano, confirmou os temores do mercado na ata da sua última reunião e esse fantasma deve refletir no pregão desta quinta-feira (06) em todo o mundo. 

A retirada dos estímulos à economia, movimento conhecido como tapering, começará antes do esperado. Os juros também devem subir antes — e mais — para conter a maior inflação dos EUA em 30 anos. 

Com isso, a curva de juros disparou por lá, com os retornos dos títulos do Tesouro americano, os chamados Treasuries, em alta de até 2%. Um retorno maior dos ativos de menor risco da economia mundial deve retirar o interesse de grandes investidores por países emergentes — e o Brasil, em especial, deve ser o patinho feio da história. 

O risco fiscal do país segue nas alturas. A ameaça ao teto de gastos, os dribles fiscais com a já aprovada PEC dos precatórios e a desoneração da folha de pagamento sem a compensação adequada para a renúncia da receita ligam um sinal vermelho para o crime de responsabilidade fiscal. 

Tudo isso em um ano de eleição que irá chacoalhar a bolsa brasileira. 

Saiba o que esperar do pregão de hoje: 

Um gavião muito grande

A divulgação da ata da última reunião do Federal Reserve, o Banco Central americano, na última quarta-feira (05) caiu como uma bomba nos mercados. 

O discurso de inflação transitória foi jogado na lata do lixo, e o remédio para correr atrás do prejuízo não poderia ser diferente — nem mais amargo. Além da redução da compra de ativos, o que deve influenciar diretamente na quantidade de dinheiro disponível para os investidores, a alta nos juros americanos já está marcada para março deste ano. 

O Fed carrega hoje mais de US$ 8 trilhões em ativos no balanço. Não é por acaso, portanto, que os investidores tremem só de pensar na possibilidade de o BC norte-americano começar a desovar esses papéis no mercado.

E ninguém escapou

Os ativos de risco sofreram com o anúncio de que o Fed irá fechar a torneira do dinheiro nos mercados ainda mais rapidamente que o esperado, e nem as criptomoedas ficaram de fora. 

Durante a madrugada no Brasil, o bitcoin (BTC) aprofundou a queda e passou a recuar 8,57%, cotado a US$ 42.755,21 (R$ 244.065,35). Com exceção das stablecoins, as criptomoedas com lastro, todas as dez maiores criptos do mundo caem mais de 10%.

Nada novo em solo brasileiro

O Ibovespa já destoava do otimismo das bolsas internacionais desde a primeira segunda-feira de 2022. A piora do sentimento internacional com a ata do Fed fez o principal índice da B3 aprofundar as perdas e recuar mais 2,42% na sessão de ontem (05), aos 101.006 pontos, nível mais baixo desde novembro de 2021.

O dólar à vista, que operou em queda na primeira etapa do pregão, subiu 0,39%, aos R$ 5,7351.

Como se não bastasse um exterior negativo, o cenário doméstico não ajuda. A desoneração da folha de pagamento, medida sancionada pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, tem gerado debates que, em última instância, podem fazer a MP ser considerada crime de responsabilidade, o que poderia motivar um impeachment.

Segundo a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), deve haver uma compensação para a renúncia de receitas, o que não ocorreu com a MP de Bolsonaro. Técnicos do Tribunal de Contas da União (TCU) e da equipe econômica temem por uma abertura de processo por crime de responsabilidade. 

O que diz a MP

A medida provisória de desoneração da folha de pagamento retira encargos trabalhistas de 17 setores da economia, considerados os que mais geram empregos no país.

O alívio tributário está em vigor desde 2011, e desta vez foi apenas prorrogado, pois expiraria no fim de 2021. Pela desoneração da folha, as empresas beneficiadas recolhem alíquotas de 1% a 4,5% sobre o faturamento, em vez de 20% sobre a folha de salários.

Para os técnicos do TCU, deveria haver uma compensação para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) porque, segundo os servidores, essa revisão do cálculo do teto de gastos abre um espaço artificial nas contas públicas, e a renúncia fiscal pode chegar a R$ 9,08 bilhões

Bolsas pelo mundo

Os principais índices asiáticos encerraram o pregão desta quinta-feira majoritariamente em baixa após a ata mais dura do Federal Reserve contra a inflação. 

De maneira semelhante, as bolsas europeias também registram perdas após a abertura, de olho na redução da liquidez dos mercados globais causada pelo aperto monetário do Fed. 

Por fim, os futuros de Nova York apontam para a mesma direção, e a abertura deve ser no campo negativo, com os investidores se ajustando ao novo cenário imposto pelo BC americano. 

Agenda do dia

  • FGV: IGP-DI de dezembro e de 2021 (8h)
  • IBGE: Produção Industrial de novembro (9h)
  • Estados Unidos: Pedidos de auxílio-desemprego (10h30)
  • Estados Unidos: Balança comercial de novembro (10h30)

Compartilhe

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas operam mistas antes do payroll dos EUA e paralisação dos auditores da Receita pressiona governo federal

7 de janeiro de 2022 - 7:57

O Ibovespa ainda registra queda na casa dos 3% e o exterior morno não deve ajudar o índice brasileiro

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas operam com cautela no exterior antes da ata do Fed e cenário doméstico permanece atento ao risco fiscal; ações de tecnologia caem lá fora após cerco da China contra setor

5 de janeiro de 2022 - 7:56

O coronavírus se espalha pelos países, que batem recordes de casos registrados nas últimas 24h e situação pode comprometer a retomada das atividades

ESPECIAL SEU DINHEIRO

Relembre os principais eventos que fizeram você ganhar e perder dinheiro em 2021

31 de dezembro de 2021 - 8:30

Se você chorou ou sorriu em 2021, o importante é que, como sempre, não faltaram emoções durante o ano. E isso inclui os seus investimentos.

E o teto de gastos?

‘Responsabilidade social não significa irresponsabilidade fiscal’, diz Goldfajn, ex-presidente do BC

1 de novembro de 2021 - 7:06

Atual presidente do conselho do Credit Suisse no país, Ilan Goldfajn vê com preocupação os recentes movimentos do governo no front fiscal

buscando saídas

Bolsonaro diz que governo trabalha com alternativas para financiar Auxílio Brasil

31 de outubro de 2021 - 7:36

O Ministério da Cidadania já confirmou que o reajuste no Bolsa Família será apenas para R$ 240 em novembro e o governo conta com a aprovação da PEC dos precatórios para fazer um pagamento maior a partir de dezembro.

SOB PRESSÃO

Furo no teto e Guedes na corda bamba elevam apostas para os próximos passos da Selic; contratos de DI atingem oscilação máxima

22 de outubro de 2021 - 13:15

Hoje os olhos do mercado se voltam para o próprio Guedes, com temores de que o ministro seja o próximo a pular fora do barco. A curva de juros reage

Renda fixa vive

Com lambança fiscal do Auxílio Brasil, taxa dos títulos do Tesouro Direto já rende quase 1% ao mês

21 de outubro de 2021 - 11:13

Quem investir hoje no título do Tesouro Direto prefixado com vencimento em 2031 leva para casa um retorno de 12,10% ao ano, o equivalente a 0,9563% ao mês

Vamos com calma

Cuidado fiscal: Presidente da Câmara quer PEC dos Precatórios dentro do teto de gastos

24 de agosto de 2021 - 13:06

Arthur Lira (PP-AL) afirma que vai conversar com o STF para que a corte faça a intermediação com o governo para encontrar uma solução

Tendência da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro abre em queda de mais de 1% enquanto dólar avança hoje

19 de agosto de 2021 - 9:04

Os bons dias da bolsa brasileira parecem ter ficado para trás e o clima da eleição de 2022 tomou conta das decisões do Congresso

Esquenta dos Mercados

Pré-mercado: Ata do Fed repercute nas bolsas e Ibovespa deve cair hoje com risco fiscal e aumento da cautela no radar

19 de agosto de 2021 - 7:48

Os bons dias da bolsa brasileira parecem ter ficado para trás e o clima da eleição de 2022 tomou conta das decisões do Congresso

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies