Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-08-18T08:50:27-03:00
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo
Esquenta dos Mercados

Pré-mercado: Risco fiscal pressiona bolsa brasileira, que deve digerir Brasília em dia de cautela antes da Ata do Fed

As reuniões dos Poderes e de representantes do Banco Central devem movimentar os negócios hoje

18 de agosto de 2021
7:42 - atualizado às 8:50
Fed
Imagem: Shutterstock

A bolsa brasileira deve acompanhar os desdobramentos dos debates envolvendo a reforma do Imposto de Renda. O Ibovespa ainda deve ser influenciado pelos desdobramentos políticos do exterior nesta quarta-feira (18).

A reforma do IR foi adiada mais uma vez na Câmara dos Deputados. Fontes ouvidas pelo Broadcast  afirmam que há muito tempo o texto “já não se paga”. A briga por recursos do IRPJ, que coloca em xeque principalmente o caixa de estados e municípios, segue sem um acordo, segundo Rodrigo Pacheco (DEM-MG), presidente do Senado.

Os debates ocorrem em meio a uma tensão envolvendo o teto de gastos, que já foi extrapolado este ano em virtude dos reflexos da pandemia de covid-19. O Orçamento para 2022, entretanto, segue pressionado pelo ano de eleição e pela necessidade de o presidente Jair Bolsonaro conseguir encaixar um “pacote de bondades”, visando aumentar sua popularidade para o próximo pleito.

Você pode conferir o que movimenta o Congresso Nacional e como isso mexe com os seus investimentos clicando aqui

Na agenda do dia, a crise das instituições ganha um novo capítulo, com uma reunião marcada entre o presidente do STF, Luiz Fux, e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco. Há algumas semanas, Fux cancelou uma reunião com os representantes dos Poderes após falas de Bolsonaro sobre as eleições. 

Além disso, com o cenário fiscal em jogo, representantes de Política Monetária, Política Econômica e Gestão de Riscos Corporativos do Banco Central participam de reunião hoje. O evento é fechado à imprensa. 

No pregão de ontem, o Ibovespa encerrou o dia aos 117.903 pontos, uma queda de 1,07%. O dólar à vista também fechou em queda, de 0,20%, a R$ 5,2701.

Ata do Fed

O Federal Reserve, o Banco Central norte-americano, deve divulgar ainda hoje a ata de sua última reunião de política monetária. O texto deve trazer os próximos passos da retirada de estímulos da economia, ação conhecida como tapering.

Diversos dirigentes do Fed já sinalizaram que a retirada de estímulos deve acontecer somente no próximo ano. ao mesmo tempo, a atual política de compra de ativos está pressionando a inflação e a curva de juros para cima e influenciando pouco os números do emprego.

China X Tech

O primeiro ministro da China, Xi Jinping, emitiu um comunicado por meio da cadeia nacional à empresas do setor de tecnologia. Segundo ele, o Partido Comunista Chinês pretende tomar medidas mais amplas e contra o setor, ao invés de direcionar suas forças para "más práticas".

A mídia estatal chinesa relatou que Xi fez afirmações sobre a necessidade de "regulamentar rendas excessivamente altas e encorajar grupos e empresas de alta renda a retornarem mais à sociedade" em reunião do governo. A investida contra empresas de tecnologia do Gigante Asiático deve colocar ainda mais pressão sobre os índices internacionais.

Bolsas pelo mundo

Os principais índices asiáticos encerraram o pregão desta quarta-feira em alta, em movimento de recuperação depois de uma sequência de quedas. Os dados da China, divulgados na última segunda-feira (16), pioraram o sentimento dos investidores.

Na Europa, as bolsas abrem sem direção única, após dados regionais de inflação da Zona do Euro apontarem para uma alta mais forte dos preços, enquanto no Reino Unido, o avanço é mais moderado. 

Por fim, os futuros de Nova York operam em queda, com o aumento da cautela antes da ata da última reunião do Federal Reserve. 

Os investidores internacionais devem seguir de olho nos dados de construção de moradias dos estados unidos e nos desdobramentos da crise humanitária no Oriente Médio.

Agenda do dia

  • Banco Central: Diretores do BC, Bruno Serra Fernandes (Política Monetária), Fábio Kanczuk (Política Econômica) e Fernanda Guardado (Assuntos Internacionais e Gestão de Riscos Corporativos) participam de reunião com economistas (9h)
  • Congresso Nacional: Presidente do STF, Luiz Fux, e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), têm reunião (13h)
  • Tesouro Nacional: Secretário Especial do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal, participa de audiência na CMO sobre o cenário econômico e fiscal (14h)
  • Estados Unidos: Federal Reserve divulga a ata de sua última reunião (15h)

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Sob nova direção

Mudanças no alto escalão da Ultrapar agradam e ações disparam 9%. Hora de comprar UGPA3?

Analistas enxergam movimentação da Ultrapar como ‘ponto de virada’ e uma surpresa positiva, mas ainda é cedo para um diagnóstico mais preciso do futuro.

OCCUPY B3

B3 (B3SA3) recua quase 3% com ocupação do MTST; movimentos sociais protestam contra o governo e a desigualdade social na sede da Bolsa

Militantes do movimento por moradia entraram no saguão da bolsa de valores em ato contra as altas no desemprego e na inflação

Balança, mas (ainda) não cai

Qual o destino da Evergrande? Veja quatro possíveis cenários para a crise da gigante chinesa

As ações da Evergrande subiram mais de 17% na bolsa de valores de Hong Kong após um acordo com credores. A situação, porém, está longe de ser resolvida. Saiba o que esperar

mercado cripto

Bitcoin e criptomoedas: XP e Rico lançam dois fundos, com investimento a partir de R$ 100

Com gestão passiva, produtos são voltados ao público geral, com taxa de administração de 0,5% ao ano, sem proteção cambial ou taxa de performance

Destaques da bolsa

Cyrela (CYRE3): ‘Sem razões para ânimo’ com o setor, Credit Suisse rebaixa recomendação para construtora e ações têm queda firme

Banco suíço, que rebaixou recomendação de “compra” para “neutra”, vê um cenário difícil para as construtoras nos próximos meses por causa da alta da inflação e da taxa básica de juros

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies