Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-10-21T13:06:08-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Renda fixa vive

Com lambança fiscal do Auxílio Brasil, taxa dos títulos do Tesouro Direto já rende quase 1% ao mês

Quem investir hoje no título do Tesouro Direto prefixado com vencimento em 2031 leva para casa um retorno de 12,10% ao ano, o equivalente a 0,9563% ao mês

21 de outubro de 2021
11:13 - atualizado às 13:06
Estátua do ministro Paulo Guedes na sede do TC - Traders Club
Estátua do ministro Paulo Guedes na sede do TC - Traders Club - Imagem: Reprodução Twitter

Estava com saudades do retorno de 1% ao mês proporcionado pelo governo? Pois a verdadeira lambança fiscal provocada pelo anúncio do benefício de R$ 400 do Auxílio Brasil furando o teto de gastos levou a uma disparada nos juros dos títulos públicos, incluindo aqueles que você pode investir no Tesouro Direto.

A taxa do título do Tesouro prefixado com vencimento em 2031 saltou de 11,08% no fechamento de segunda-feira para 12,10% na manhã desta quinta-feira.

Ou seja, quem investir nesse título hoje leva para casa um retorno equivalente a 0,9563% ao mês — com a regra dos juros compostos, não basta dividir 12% por 12 meses — e com direito a um rendimento caindo na conta a cada seis meses.

O problema é conseguir investir, já que o sistema do Tesouro Direto estava indisponível, com negociação apenas dos títulos atrelados à taxa básica de juros (Tesouro Selic).

A alta das taxas pode ser uma boa notícia para quem investe em renda fixa, mas é um péssimo sinal para o país e mostra a perda da credibilidade do governo. Mas afinal, por que o risco fiscal mexe com as taxas dos títulos do Tesouro Direto?

O receio dos investidores é o de que a falta de compromisso com o teto de gastos — que proíbe o crescimento das despesas além da inflação — leve a um descontrole fiscal.

É por isso que o mercado exige taxas maiores para comprar os títulos públicos. E o governo não tem muito o que fazer, já que opera com déficit nas contas desde 2014 e precisa do dinheiro dos investidores para arcar com as despesas, incluindo o novo programa social que vai substituir o Bolsa Família.

A "pá de cal" no teto e que levou os títulos do Tesouro Direto de volta aos 12% aconteceu ontem à noite, quando o ministro Paulo Guedes reconheceu que o governo pedirá uma "licença para gastar" R$ 30 bilhões fora do limite para bancar o Auxílio Fiscal de R$ 400.

Tesouro Direto prefixado: retorno bom, mas arriscado

Do ponto de vista do investidor, conseguir um retorno de quase 1% ao mês no Tesouro Prefixado pelos próximos 10 anos e com risco praticamente zero de calote é sedutor. Hoje já é possível obter ganhos semelhantes ou até maiores com títulos privados. Mas eles embutem o risco de o emissor dos papéis não honrar o compromisso.

No caso do Tesouro Direto, a chance de o investidor não ter o dinheiro de volta com o rendimento prometido é mínima, já que, no limite, o governo pode imprimir dinheiro para pagar.

Então, qual é o risco de se investir no Tesouro Prefixado? Como diz o nome, a taxa desse título público é definida no momento da compra e não muda mais.

Isso significa que, se os juros no Brasil subirem além dos 12% e permanecerem nesse patamar, quem investiu nos títulos prefixados do Tesouro Direto vai acabar perdendo dinheiro — ou ganhar menos do que poderia.

Outro lembrete importante é que o rendimento dos títulos do Tesouro Direto só é garantido no vencimento. Ou seja, se você precisar resgatar o dinheiro antes, terá que aceitar a taxa que está sendo negociada no momento da venda.

Quanto maior for a taxa, pior. Mas você também pode ganhar dinheiro se o mercado passar a exigir menos juros pelos títulos públicos. Saiba mais sobre a chamada "marcação a mercado" nesta matéria.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

NOVATA NA FINAL

Não estranhe: patrocinadora da final entre Palmeiras e Flamengo é a nova corretora de criptomoedas do Brasil; conheça Crypto.bom

A exchange resolveu investir no segmento de esportes e patrocina Fórmula 1, NBA e até o campeonato europeu

Raio-X

Análise: Por que a alta da inflação pode ameaçar o pacote de infraestrutura de Joe Biden?

O presidente americano tem ambiciosos planos pela frente, mas a alta da inflação e gargalos estruturais da economia podem alterar o rumo

A SEMANA EM GRÁFICOS

Covid-19 pressiona aéreas, turismo, Ibovespa e bitcoin, mas inflação avança no mundo: entenda a última semana com estes gráficos

As companhias aéreas sofreram perdas significativas na bolsa esta semana e nem o bitcoin (BTC) conseguiu se salvar

O MELHOR DA SEMANA

Piora da covid no mundo e criptomoedas além do bitcoin (BTC): 5 assuntos mais lidos no Seu Dinheiro esta semana

O mercado já trabalhava amplamente com a visão do verdadeiro normal. Mas os mercados globais voltaram a entrar em pânico com a covid-19

PAPO CRIPTO #007

Tecnologia que criou o bitcoin (BTC) pode reduzir custo de captação de recursos em quase 70%, diz chefe de ativos digitais do BTG

“Empresas pequenas e médias têm menor possibilidade de acesso ao mercado de capitais, muito por causa dos custos envolvidos”, comenta

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies