Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-12-03T18:55:47-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
BILHETE EM ABERTO

Migração do Inter (BIDI11) para a Nasdaq segue no radar: entenda por que o banco pretende insistir em seu plano de reorganização; ações sobem

Depois de cancelar mudança para os EUA quando já estava no portão de embarque, Inter avisa que não vai desfazer as malas

3 de dezembro de 2021
12:52 - atualizado às 18:55
Cartões do Banco Inter
Cartões do Banco Inter - Imagem: Divulgação

O Inter (BIDI11) cancelou sua migração para os EUA quando já estava no portão de embarque, mas não tem a menor intenção de desfazer as malas e manteve o bilhete em aberto.

Um dia depois de anunciar o cancelamento de sua tão esperada internacionalização, o laranjinha informou hoje a seus acionistas que “seguirá envidando seus melhores esforços para dar continuidade ao processo de reorganização societária com vistas à migração de sua base acionária para a Inter Platform”.

Inter Platform é o nome que o banco pretende assumir quando - ou se - alcançar a ambição de deixar a B3 e desembarcar na Nasdaq.

A seguir - ainda que não necessariamente nessa ordem -, explicaremos a você por que o Inter quer sair do Brasil, por que cancelou a migração e por que pretende insistir na ideia.

Por que insistir?

Ao manifestar a intenção de seguir com o processo de reorganização, a direção do Inter afirma entender que o fato de mais de 80% dos acionistas terem apoiado a ideia justifica a insistência.

Segundo o banco, o que atrapalhou a concretização da ideia neste momento foi uma “combinação da mecânica para pagamento da opção cash-out e do cenário adverso atual do mercado de capitais brasileiro”.

Em reação à notícia, BIDI11 e BIDI4 operavam em alta no início da tarde de hoje.

Ainda não há, entretanto, informações sobre quando novidades devem vir à tona.

Por que cancelou?

Os acionistas do Inter tinham até ontem para decidir se aceitavam trocar suas ações BIDI11 e BIDI4 por recibos de ações (BDRs) do Inter Platform ou se preferiam receber o valor correspondente em dinheiro.

Uma das condições para que a operação fosse adiante era que o valor desembolsado com quem optou pela segunda opção não passasse dos R$ 2 bilhões. Mas foi justamente o que aconteceu depois de mais de 10% dos acionistas terem manifestado preferência pelo chamado cash-out.

O Inter tinha a prerrogativa de prosseguir com a operação mesmo desembolsando uma soma superior, mas o conselho de administração optou por não exercê-la.

Por que tanta gente optou pelo cash-out?

O movimento intenso de investidores optando pela saída do Inter é explicado por dois fatores principais: o valor definido para o cash-out e a queda das ações do banco.

Um laudo contratado pelo Inter determinou o valor de R$ 44,58 por unit BIDI11 ou R$ 15,28 por ação BIDI4 para os acionistas que escolhessem receber em dinheiro.

Na época, a soma era menor do que a cotação das ações, mas agora o jogo está invertido. As units BIDI11 encerraram a sessão de ontem a R$ 32,99, enquanto os papéis BIDI4 eram cotados a R$ 11,20. Ou seja, quem optou por vender os papéis garantiria uma valorização próxima aos 36% em ambos os casos.

Por que o Inter quer ir para a Nasdaq?

A mudança para a Nasdaq permitiria que a família Menin — também dona da incorporadora MRV — mantivesse as rédeas do Inter. Isso é possível graças ao chamado "supervoto", que permite a distinção entre classes de ações.

Os papéis que seriam negociados no mercado (classe A) dariam direito a um voto cada. Já as ações da classe B, que ficariam nas mãos dos atuais controladores, garantiriam 10 votos cada.

Em uma apresentação a investidores para explicar o processo de reestruturação, o Inter destacou que a mudança para a Nasdaq permitiria ao banco levantar quase US$ 19,7 bilhões em capital sem que os atuais controladores perdessem a maioria das ações com direito a voto.

Atualmente, a família Menin possui a maioria das ações com direito a voto, mas já está perto do limite de 50%. Isso significa que, ficando aqui na B3, o limite para novos aumentos de capital sem a perda do controle cai para US$ 569 milhões.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Tendências da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro avança próximo da estabilidade e dólar cai de olho no exterior positivo e nos balanços dos bancos de hoje

As commodities permanecem em rota de valorização, com o petróleo e o minério de ferro em destaque hoje

O melhor do Seu Dinheiro

Um guia com 51 investimentos para 2022, a queda das ações tech na B3, Binance e outros destaques do dia

Confira os investimentos mais promissores do ano, além de uma análise completa dos riscos e oportunidades nas principais classes de ativos

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas buscam recuperação lá fora, de olho nos balanços do dia e Ibovespa foca no cenário doméstico

O presidente da República, Jair Bolsonaro, tem até sexta-feira (21) para decidir sobre o Orçamento e o reajuste dos servidores públicos

PAPO CRIPTO #010

Maior corretora de criptomoedas do mundo, Binance vê 2022 como o “ano da regulação” do mercado

“Existe um preconceito com o mercado de criptomoedas como um todo”, diz a representante da Binance no Brasil sobre países que proibiram a atuação da corretora

NOVA ONDA

Covid-19 volta a ganhar força e Brasil bate recorde de casos confirmados da doença em 24 horas

Números de novos casos em apenas um dia ultrapassou a marca de 137 mil; Ministério da Saúde também confirmou mais 351 mortes pela doença

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies