O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-02-04T17:37:43-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Destruição de valor

Ações do IRB (IRBR3) derretem 93% na B3 em dois anos após alerta da Squadra sobre balanços

Foi em fevereiro de 2020 que chegou ao mercado a explosiva carta da gestora de fundos Squadra que apontava para a existência de possíveis inconsistências nos balanços do IRB. Relembre o caso

4 de fevereiro de 2022
17:21 - atualizado às 17:37
Recepção de escritório do IRB Brasil RE
Escritório do IRB: ação não tem nenhuma recomendação de compra hoje Imagem: Divulgação

Um dos maiores casos de destruição de valor da história recente da bolsa acaba de completar dois anos. Nesse período, as ações do IRB Brasil RE (IRBR3) acumulam uma queda impressionante de quase 93% na B3.

E por que a data de dois anos é importante? Porque foi no primeiro pregão de fevereiro de 2020 que chegou ao mercado a explosiva carta da gestora de fundos Squadra.

Com posições vendidas nas ações do IRB, a gestora carioca foi a primeira a apontar a existência de inconsistências contábeis nos balanços da empresa de resseguros.

Na tarde desta sexta-feira, a ação IRBR3 subia 0,68%, cotada a R$ 2,97. Muito distante, contudo, das máximas alcançadas em janeiro de 2020, quando os papéis eram negociados acima de R$ 40.

Até então, o IRB era praticamente uma empresa intocável na bolsa. Sinônimo de sucesso desde a oferta pública inicial de ações (IPO, em inglês) em 2017, a resseguradora vinha de um histórico de lucros crescentes e uma rentabilidade de fazer inveja às maiores empresas globais do ramo.

A Squadra apontou, porém, que esses resultados eram turbinados por itens extraordinários que somaram R$ 1,5 bilhão. Ou seja, os chamados lucros recorrentes eram "significativamente inferiores" aos lucros contábeis reportados pela companhia.

IRB: Vexame com Warren Buffett

A divulgação da carta da Squadra provocou a primeira queda forte das ações do IRB. Os executivos da companhia então apareceram em defesa dos números.

Na mesma época, começaram a aparecer na imprensa notícias de que a Berkshire Hathaway, a holding de investimentos do bilionário Warren Buffett, havia aumentando a posição em IRBR3.

A informação fez os papéis recuperarem imediatamente parte das perdas. Só havia um problema: a notícia era falsa. O IRB foi alvo de um vexame internacional depois que a Berkshire veio a público afirmar que nunca teve, não tem e não pretende ter ações da empresa.

Fraude e fiscalização da Susep

A cúpula do IRB caiu logo após o caso Buffett, que ganhou uma investigação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Foi só então que a nova gestão se deparou com o tamanho real do problema.

Cinco meses depois do questionamento da Squadra, a empresa reapresentou os balanços de 2019 e 2018, que mostraram um lucro líquido R$ 670 milhões menor do que o apresentado originalmente.

Nesse meio tempo, o IRB ainda sofreu uma fiscalização especial da Susep depois que o órgão regulador constatou que os ativos garantidores de provisões técnicas estavam abaixo do mínimo regulatório.

Prejuízos sucessivos e nova capitalização?

Para se enquadrar nas regras da Susep, o IRB precisou passar por uma capitalização de até R$ 2,3 bilhões, que contou com a participação de Itaú e Bradesco, que são sócios importantes da companhia.

Mas pode ser que os bancões sejam obrigados a colocar novamente a mão no bolso. Isso porque desde as fraudes descobertas a partir do alerta da Squadra, o IRB acumula prejuízos sucessivos.

Recentemente o diretor de relações com investidores da companhia, Willy Jordan, afirmou a analistas do Citi que a resseguradora pode precisar de um novo aporte de capital.

Hora de comprar as ações do IRB?

A queda avassaladora do IRB pode representar uma oportunidade de compra de uma ação muito barata na B3? Se levarmos em conta as recomendações dos analistas, a resposta é "não".

De sete casas que cobrem dos papéis, nenhuma indica a compra de IRBR3, de acordo com dados do Trademap. Quatro instituições recomendam a manutenção e três analistas indicam a venda das ações.

Leia também:

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

CSN (CSNA3) e CSN Mineração (CSNA3) vão recomprar até 164 milhões de ações; veja o que muda para os acionistas

As duas companhias aproveitam o momento descontado na B3 para encerrar os programas atuais e iniciar novas operações com duração de um ano

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Inflação derruba bolsas, Hapvida vai às compras e a varejista que ameaça o Magalu; confira os destaques do dia

Depois de um dia de animação, preocupações com o movimento dos preços e a atividade econômica pelo mundo estragaram o humor dos investidores

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana come margem de grandes empresas e derruba bolsas globais; Ibovespa cai mais de 2% e dólar cola em R$ 5

Com inflação pressionando e China voltando a fechar cidades, o Ibovespa caiu menos que as bolsas em Wall Street, mas ainda assim amargou fortes perdas

BR Properties (BRPR3) vende 80% do portfólio para fundo canadense, em transação de quase R$ 6 bilhões

Além de representar um movimento importante no atual cenário macroeconômico brasileiro, a transação marca a saída de boa parte do capital do fundo soberano de Abu Dhabi (ADIA) da empresa

CAMINHO ABERTO

TCU aprova privatização da Eletrobras (ELET3); fique por dentro da decisão do tribunal

Uma das prioridades do governo federal, privatização da Eletrobras ainda enfrenta outros obstáculos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies