2022-05-11T17:53:20-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo pela Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Em dia de inflação, Ibovespa sobe mais de 1% apoiado nas commodities; dólar passa a subir

11 de maio de 2022
9:05 - atualizado às 17:53

RESUMO DO DIA: A palavra do dia para as bolsas é inflação. Os investidores reagem à divulgação dos dados inflacionários dos Estados Unidos e recalibram suas estimativas para os juros por lá. No panorama doméstico, os dados do IPCA também movimentam os negócios enquanto o índice reage à propostas de isenção fiscal.

Acompanhe por aqui o que mexe com a bolsa, o dólar e os demais mercados hoje, além das principais notícias do dia.

Ajudado pelo bom desempenho das empresas produtoras de commodities, o Ibovespa encerrou a sessão em alta de 1,25%, aos 104.396 pontos.

  • Nasdaq: +3,18%
  • S&P 500: +1,64%
  • Dow Jones: +1,01%

O dólar à vistareverteu a tendência observada no início do dia e encerrou a sessão em alta de 0,21%, a R$ 5,1446.

Setor de commodities em alta

Apesar da piora do quadro da bolsa americana, o setor de commodities conseguiu operar em alta, contrariando o mau humor das bolsas em Nova York

Se destacaram hoje empresas como PETR3,PRIO3,BRAP4.

Confira a matéria completa 

Apesar da piora do quadro da bolsa americana, devido a preocupação com alta da inflação, a bolsa brasileira se manteve em alta de cerca de 1,5% – sustentada pelo avanço do setor de commodities. O dólar, no entanto, desacelerou o ritmo de queda.

SETOR DE SAÚDE PRESSIONADO

O cenário macroeconômico delicado segue atrasando os planos de crescimento da Qualicorp (QUAL3) e penalizando os resultados da companhia. 

O balanço do primeiro trimestre divulgado na noite de ontem passou longe de agradar o mercado, com os números sendo classificados como fracos pela maior parte dos analistas, criando novas preocupações. A resposta do mercado pode ser sentida no desempenho das ações da companhia. 

CONFIRA A MATÉRIA COMPLETA

O Ibovespa chegou a cruzar a marca de 2% de valorização, mas na última hora a desaceleração dos índices em Nova York passaram a limitar os ganhos da bolsa brasileira.

A bolsa e o dólar refletem um maior apetite por risco dos investidores, mas a curva de juros opera em forte alta.

Parte da pressão vem do exterior, com a leitura de que o Federal Reserve deve atuar de forma mais dura no combate à inflação, mas a outra parte fica por conta das commodities. Com o minério de ferro e o petróleo em alta, os investidores apontam que o IPCA deve seguir elevado nos próximos meses.

CÓDIGO NOME  ULT  FEC
DI1F23 DI jan/23 13,38% 13,26%
DI1F25 DI Jan/25 12,48% 12,29%
DI1F26 DI Jan/26 12,33% 12,15%
DI1F27 DI Jan/27 12,34% 12,18%

A equipe de escalada liderada pelo presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, vai ter mais trabalho do que se esperava para chegar ao alto do Monte Selic. É o que indicam os dados do IPCA divulgados hoje pela manhã.
Se havia até agora a percepção de que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central poderia interromper o ciclo de alta de juro já na próxima reunião, talvez em 13,25% ao ano, esse consenso começa a ser substituído por outro.
Para Alexandre Póvoa, estrategista da Meta Asset Management, o BC não tem o que fazer a não ser continuar perseverando na alta dos juros.

Leia a matéria completa aqui.

PETRÓLEO SOBE MAIS DE 5%

Nos últimos dias, o petróleo repercutiu a incerteza do mercado com o embargo da União Europeia ao óleo russo, mas a commodity reverte parte das perdas recentes e opera em alta nesta quarta-feira. As ações das petroleiras se destacam no pregão de hoje.

Por volta das 12h15, o brent, utilizado como referência global, subia 5,02%, a US$ 107,60.

GOL E AVIANCA UNIDAS

A Gol (GOLL4) anunciou nesta manhã um acordo com a colombiana Avianca para criar uma holding que concentra as duas empresas.

Não há muitos detalhes sobre a operação. O novo grupo foi batizado de Abra, uma sociedade de capital fechado. A holding vai concentrar as ações da Gol e da Avianca — as partes envolvidas dividirão o controle da empresa, mas a participação de cada uma no empreendimento não foi revelada.

CONFIRA TODOS OS DETALHES

A alta da inflação no Brasil e nos Estados Unidos leva o mercado de juros a um dia de ajuste de alta.

CÓDIGO NOME  ULT  FEC
DI1F23 DI jan/23 13,34% 13,26%
DI1F25 DI Jan/25 12,41% 12,29%
DI1F26 DI Jan/26 12,27% 12,15%
DI1F27 DI Jan/27 12,28% 12,18%
COMMODITIES EM ALTA

O Ibovespa é impulsionado pelo ritmo de alta das commodities, com o petróleo e o minério de ferro se recuperando das perdas recentes. Confira as maiores altas do dia:

CÓDIGO NOME ULT VAR
PRIO3 PetroRio ON R$ 25,50 5,07%
RRRP3 3R Petroleum ON R$ 42,30 4,55%
BIDI11 Banco Inter unit R$ 13,84 4,37%
VALE3 Vale ON R$ 78,75 4,25%
NTCO3 Natura ON R$ 17,17 3,62%

Confira também as maiores quedas:

CÓDIGO NOME ULT VAR
SULA11 SulAmérica units R$ 23,80 -3,09%
CVCB3 CVC ON R$ 11,55 -2,86%
QUAL3 Qualicorp ON R$ 11,70 -2,74%
RDOR3 Rede D’Or ON R$ 32,74 -2,73%
LREN3 Lojas Renner ON R$ 24,25 -1,98%

A terça-feira (11) é dominada pelos indicadores de inflação do Brasil e dos Estados Unidos.

Por aqui, o IPCA de abril subiu 1,06%, desacelerando ante março, mas ainda assim sendo o maior nível para o mês desde 1996.

Nos Estados Unidos, o CPI também desacelerou, mas de forma mais lenta do que o inicialmente esperado pelos investidores. O resultado é uma nova rodada de preocupação com o ritmo de alta dos juros que deve ser empregada pelo Fed.

O Ibovespa encerrou os leilões de abertura em alta de 0,48%, aos 103.606 pontos.

O dólar à vista avança 0,20%, cotado a R$ 5,1413.

BOLSAS NO EXTERIOR REVERTEM GANHOS

As bolsas internacionais amanheceram em alta, mas perderam força após a inflação dos Estados Unidos registrar nova alta.

Confira:

  • Dow Jones futuro: -0,36%
  • S&P 500 futuro: -0,67%
  • Nasdaq futuro: -1,27%
  • Euro Stoxx 50: +0,50%
  • Xangai (China): +0,75% (fechado)
  • Nikkei (Japão): +0,18% (fechado)

No pré-mercado brasileiro, o índice futuro do Ibovespa perdeu força e passou a testar a queda após a inflação dos Estados Unidos.

Por volta das 9h40, o Ibovespa futuro recuava 0,06% e renovaram as mínimas do dia em 104.255 pontos.

Por sua vez, o dóalr reverteu a tendência de queda e passou a subir com a inflação dos EUA, negociado a R$ 5,1528, alta de 0,40% em relação à abertura.

INFLAÇÃO DOS EUA VEM ACIMA DO ESPERADO

O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) acaba de ser divulgado lá nos Estados Unidos — e é o dado mais importante do dia.

O indicador veio levemente acima do esperado pelo mercado, registrando alta de 0,3% contra as projeções de 0,2%.

Já o núcleo do CPI veio um pouco mais salgado: o avanço foi de 0,6% em abril em relação a março, frente às projeções de alta de 0,4%.

Com isso, o CPI nos últimos 12 meses acumula alta de 8,3%, acima das projeções de 8,1%. O núcleo subiu 6,2% na comparação anual, também acima das projeções de 6,0%.

Entretanto, o índice desacelerou em relação ao mês passado, quando o CPI registrou alta de 6,5% — o que pode ser um motivo para o investidor se agarrar em uma ponta de otimismo de queda de inflação.

O Ibovespa futuro pega carona no exterior e sobe 0,80%, aos 105.180 pontos, após a abertura.

Já o dólar amanheceu em baixa de 0,57%, negociado a R$ 5,1044 nas primeiras horas do pré-mercado.

INFLAÇÃO DE ABRIL VEM ACIMA DAS PROJEÇÕES

O IPCA de abril avançou 1,06%, acima da mediana das projeções de 1,0% dos especialistas ouvidos pelo Broadcast.

Com isso, a inflação oficial de 2022 está em 4,29% e em 12,13% no acumulado dos últimos 12 meses. A projeção era de 12,06% na mediana.

Agora, os investidores aguardam os dados de inflação dos Estados Unidos, medidos pelo CPI.

BOLSAS NO EXTERIOR

As principais bolsas do exterior buscam emplacar mais um dia de recuperação antes da inflação dos Estados Unidos, medida pelo CPI.

Na China, o índice de preços ao consumidor (CPI, em inglês) avançou 2,1% em 12 meses, acima das projeções de alta de 2,0%. Na passagem de março para abril, o indicador registrou alta de 0,4%.

Mas o fechamento por lá foi majoritariamente positivo devido a redução de casos de covid em virtude da política de “covid zero” no país.

  • Dow Jones futuro: +0,90%
  • S&P 500 futuro: +1,14%
  • Nasdaq futuro: +1,45%
  • Euro Stoxx 50: +1,90%
  • Xangai (China): +0,75% (fechado)
  • Nikkei (Japão): +0,18% (fechado)
ESQUENTA DOS MERCADOS

O hálito quente do dragão da inflação global já arrepiava os investidores muito antes da decisão de juros do Federal Reserve na semana passada. E nesta quarta-feira (11), as bolsas devem sentir muito mais do que uma baforada quente — mas uma mordida de dentes afiados.

Serão três principais criaturas mitológicas com o nome de inflação que os investidores precisarão enfrentar: o índice de preços da China, dos Estados Unidos e, é claro, aqui do Brasil.

Mas os primeiros números não foram animadores. O Gigante Asiático registrou uma inflação levemente acima do esperado pelo mercado. O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) avançou 2,1% em 12 meses, acima das projeções de alta de 2,0%. Na passagem de março para abril, o indicador registrou alta de 0,4%.

Isso deve fazer o governo chinês frear as medidas de estímulos à economia e a falta dessa injeção de dinheiro deixa os investidores em estado de alerta.

Já nos EUA, a inflação segue nas máximas em 40 anos, o que pode exigir um esforço maior do Federal Reserve contra o avanço de preços. Da mesma forma, o nosso Banco Central também deve adotar um tom mais agressivo — hawkish, no jargão do mercado — contra a mordida do dragão.

Enquanto isso, as bolsas pelo mundo permanecem em estado de atenção antes dos dados inflacionários nesses países. No caso brasileiro, o Ibovespa encerrou a sessão da última terça-feira (10) em queda de 0,14%, aos 103.109,94 pontos, seguindo a falta de direção dos índices de Nova York. O dólar à vista recuou 0,44%, a R$ 5,1336.

Leia o nosso Esquenta dos Mercados compelto aqui.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

NOVO MODELO DE NEGÓCIOS

Varejo adota ‘loja-contêiner’ para fugir dos custos de shoppings e aluguéis; conheça o que são os estabelecimentos modulares

A estreante no formato é a Chilli Beans, de óculos de sol. “Acho que não teria uma Eco Chilli se não houvesse pandemia”, afirma o CEO, Caito Maia

NÃO MEXE NO MEU QUEIJO

Membros do mercado financeiro defendem Lei das Estatais em documento enviado ao ao Congresso; revogação seria ‘retrocesso’

O texto também cita o relatório de 2020 em que a OCDE afirma que a Lei das Estatais deixou os conselhos de empresas públicas mais independentes de interferências

NESTA SEGUNDA-FEIRA

Governador de São Paulo fará coletiva nesta segunda-feira após Bolsonaro aprovar isenção do ICMS sem garantia de compensação aos estados

O presidente da República vetou o fundo de ajuda aos estados após sancionar o teto do imposto estadual

SEU DOMINGO EM CRIPTO

‘Compre na baixa’ anima e bitcoin (BTC) busca os US$ 22 mil; criptomoedas aguardam semana de olho no Fed

Entre os destaques da próxima semana estão o avanço dos juros nos Estados Unidos e um possível default da Rússia

DE OLHO NO FUTURO

Goldman Sachs quer entrar no mundo da ‘renda fixa’ em criptomoedas e lidera grupo para comprar a Celsius por US$ 2 bilhões

O staking vem crescendo nos últimos meses e é motivo de certa preocupação após o caso da Celsius — e o banco de Wall Street quer um pedaço dele