O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-05-17T11:27:35-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Plano de voo

“Fusão” nos ares: Gol (GOLL4) se juntará à Avianca para formar a holding Abra — e bater de frente com a LATAM

Juntas, as duas companhias têm cerca de 250 aeronaves em sua frota; a transação deve ser concluída na segunda metade de 2022

11 de maio de 2022
11:08 - atualizado às 11:27
Avião branco com o logo da Gol (GOLL4) na lateral parado em uma pista de pouso
Aeronave da Gol no aeroporto de Congonhas (SP) - Imagem: Shutterstock

A América Latina já tem um gigante no setor aéreo: a chilena LATAM, que apesar de todas as dificuldades financeiras, permanece como uma companhia de escala global. Pois um novo competidor regional de grande porte está a caminho — há pouco, a Gol (GOLL4) anunciou um acordo com a colombiana Avianca para criar uma holding que concentra as duas empresas.

Não há muitos detalhes sobre a operação; por ora, sabe-se apenas que o novo grupo foi batizado de Abra, uma sociedade de capital fechado. A holding vai concentrar as ações da Gol e da Avianca — as partes envolvidas dividirão o controle da empresa, mas a participação de cada uma no empreendimento não foi revelada.

Em termos de cronograma, a estimativa é a de que a transação seja fechada no segundo semestre de 2022; em comunicado enviado à CVM, a Gol ressalta que as suas operações e as da Avianca continuarão existindo de forma independente.

Mas, mesmo com a ausência de informações mais concretas, a notícia foi bem recebida pelo mercado. Na B3, as ações GOLL4 operam em alta de 2,8% nesta manhã de quarta-feira (11), a R$ 13,54, despontando entre os maiores avanços do Ibovespa — o índice sobe cerca de 1%.

"Juntas, Avianca e Gol vão ancorar uma rede lationamericana de companhias aéreas que terão o menor custo unitário em seus respectivos mercados e os programas de fidelidade líderes na região, além de outros ganhos de sinergia entre os negócios", dizem as empresas, em comunicado conjunto.

A holding Abra também contará com a Viva Airlines, empresa controlada pela Avianca com operações na Colômbia e no Peru. O grupo ainda possui uma participação minoritária na chilena Sky Airline.

Gol (GOLL4) e Avianca: dividindo o controle

Algumas posições estratégicas dentro do grupo Abra já foram definidas: Constantino Junior, fundador da Gol, será o CEO da holding, enquanto Roberto Kriete, principal acionista da Avianca e outro veterano da indústria aérea da América Latina, será o presidente do conselho de administração.

Adrian Neuhauser, atual CEO da Avianca, e Richard Lark, diretor-financeiro da Gol, serão co-presidentes da Abra; Paulo Kakinoff, CEO da Gol, continuará a frente das operações da companhia brasileira.

"Como um todo, as companhias sob gestão do Grupo Abra vão oferecer aos consumidores a maior rede de rotas complementares, com a menor sobreposição, nos mercados de atuação", diz o comunicado. "A força financeira da holding vai providenciar agilidade e estabilidade às empresas no longo prazo".

O Grupo Abra em números

Juntas, Gol e Avianca têm cerca de 250 aeronaves em sua frota — a maior parte da malha da brasileira atua no território nacional, com alguns voos para países da América Latina e EUA. A colombiana, por sua vez, é líder no seu país natal, no Equador e na América Central, operando quase 150 rotas na região.

E como esses números se compara à LATAM? Em recuperação judicial desde 2020, o gigante chileno conta com uma frota de 299 aeronaves e uma malha aérea que engloba a América Latina, EUA, Europa e África.

Vale lembrar que, num passado não muito distante, o setor aéreo brasileiro contava com um quarto player relevante, a Avianca Brasil — a companhia entrou com pedido de recuperação judicial em 2018, tendo a falência decretada pela Justiça em 2020. Essa empresa, no entanto, não tinha maiores ligações com o grupo colombiano.

A Avianca Brasil, na verdade, equivale à antiga OceanAir — a empresa tinha apenas uma autorização para o uso da marca Avianca, sendo independente da holding colombiana e suas demais subsidiárias.

*Correção: o título da matéria foi modificado, de modo a colocar o termo "fusão" entre aspas — trata-se de uma união para a constituição de uma holding, sem caracterizar uma fusão de fato. Os dois últimos parágrafos também foram alterados, explicitando a ausência de maiores conexões entre a Avianca Brasil e a holding Avianca. A versão atual do texto já contempla as modificações; pedimos desculpas pelas informações imprecisas ou que possam ter levado à conclusões errôneas.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

pressão vendedora

Nubank derrete 21% na semana após fim do lock-up, que restringia venda das ações pelos “tubarões”

Desde o IPO, o Nubank já perdeu US$ 23,9 bilhões em valor de mercado, e a fintech que antes valia mais que o Itaú hoje vale quase um terço dele

INTERNET DO MUSK

O que faz a Starlink, empresa que trouxe Elon Musk ao Brasil e deve operar na Amazônia

A empresa do bilionário promete internet ultrarrápida e deve começar as suas operações ainda neste ano; Anatel já deu aval

FECHAMENTO DO DIA

Escapou do urso: S&P 500 consegue fechar no azul em recuperação dramática; saiba o que aconteceu com as bolsas nos EUA

Dois fatores são centrais para entender o comportamento do S&P 500, do Nasdaq e do Dow Jones nas últimas semanas; entenda

FECHAMENTO DO CÂMBIO

Dólar recua 0,87% e vale R$ 4,87. Euro também cai e vale R$ 5,13; confira o que movimentou o câmbio nesta sexta-feira

Apesar do predomínio de um certo humor pessimista pelo mundo, o real conseguiu ter mais um dia de ganhos em relação ao dólar

VISÃO MACRO

Por que o mercado exagera ao temer uma recessão nos Estados Unidos e na China

Os sinais de uma possível recessão nas grandes economias, como EUA e China, e o aumento de um pessimismo generalizado parecem ter tomado conta dos mercados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies