🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

2022-06-17T17:04:34-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo pela Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
MERCADOS AO VIVO

Bolsa hoje: Ibovespa cai quase 3% com tombo da Petrobras (PETR4) e ajuste pós feriado; dólar sobe e vai a R$ 5,11

A bolsa brasileira tem um dia de pressões, ajustando-se à aversão ao risco vista lá fora na quinta. Futuros dos EUA operam em alta

17 de junho de 2022
9:19 - atualizado às 17:04

RESUMO DO DIA: a sexta-feira (17) começa com um tom ameno no exterior: as principais bolsas da Europa sobem perto de 1%, assim como os índices futuros nos EUA. Mas, por mais que o clima seja positivo lá fora, o Ibovespa deve passar por ajustes de baixa, já que, ontem, os mercados globais tiveram perdas intensas — a B3 estava fechada por causa do feriado de Corpus Christi. Ainda no cenário doméstico, os investidores irão repercutir a última decisão do Copom, com alta de 0,5 ponto na Selic, a 13,25%; as curvas de juros de curto prazo tendem a ser ajustadas.

Acompanhe por aqui o que mexe com a bolsa, o dólar e os demais mercados globais hoje, além das principais notícias do dia.

O dólar à vista encerrou o dia em alta de 2,35%, a R$ 5,14

Apesar de a Petrobras (PETR4) dominar o noticiário negativo, as ações da CVC (CVCB3) disparam mais de 10%. Os investidores estão atentos na conclusão da oferta de ações que deve ocorrer na próxima quinta-feira.

As tensões sobre a Petrobras (PETR4) seguem se intensificando ao longo da tarde. O conselheiro que representa os minoritários, Francisco Petros, convocou uma reunião para aprovar um congelamento de preços por 45 dias. Vale ressaltar que o prazo estipulado é menor do que a janela entre os reajustes promovidos pela Petrobras – a gasolina ficou sem alterações no preço por 99 dias.

PETRÓLEO EM QUEDA

O mercado internacional vive um dia de forte queda do petróleo. Por volta das 14h, o Brent – utilizado como referência na formação dos preços nas refinarias – recuava cerca de 6%, a US$ 113. A movimentação tem impacto direto em outras petroleiras, como a 3R Petroleum e a PRIO.

Com a aversão ao risco predominando no mercado local, a bolsa brasileira volta a ser negociada nos níveis vistos em novembro de 2020.

A forte queda de 8% da Petrobras é um dos principais fatores de tensão nesta sexta-feira.

Enquanto a bolsa brasileira opera abaixo dos 100 mil pontos, o dia em Wall Street é mais favorável.

O forte ajuste visto ontem, repercutindo a postura mais dura do Federal Reserve, fica de lado nesta sexta-feira. Apesar do Dow Jones e do S&P 500 operarem com altas modestas, o Nasdaq sobe mais de 1%.

REAJUSTE NA PETROBRAS

Apesar da forte pressão governamental para que a Petrobras (PETR4) evite repassar aos consumidores a alta do barril de petróleo, a estatal acaba de anunciar um novo reajuste para diesel e gasolina. 

A partir do dia 18 de junho, o preço médio de venda de gasolina para as distribuidoras passará a ser de R$ 4,06 por litro, um aumento de 5,2%. Já o diesel terá um preço médio de R$ 5,61 – alta de 14,2%. Apesar disso, os preços praticados pela Petrobras seguem abaixo da paridade internacional. 

CONFIRA OS DETALHES

Os atritos internos ao redor da Petrobras e seu novo reajuste, além da repercussão negativa vista nos mercados enquanto a B3 esteve fechada, levam o Ibovespa a registrar uma forte queda nesta sexta-feira (17).

Em dia de liquidez mais limitada, o Ibovespa cai mais de 4%.

SOBE E DESCE

Com o forte sentimento de aversão ao risco que toma conta do mercado, pouco ações sobem nesta manhã.

CÓDIGO NOME ULT VAR
POSI3 Positivo Tecnologia ON R$ 6,46 0,31%
TAEE11 Taesa units R$ 40,49 0,22%
ELET6 Eletrobras PNB R$ 41,51 0,22%

A forte queda do petróleo no mercado internacional é insuficiente para segurar a cotação das empresas aéreas, pressionadas pela alta do dólar e o novo reajuste realizado pela Petrobras.

A queda do minério de ferro na China também é fator de pressão, derrubando as empresas do setor de mineração e siderurgia.

CÓDIGO NOME ULT VAR
GOLL4 Gol PN R$ 9,57 -5,90%
AZUL4 Azul PN R$ 13,43 -5,36%
MGLU3 Magazine Luiza ON R$ 2,41 -5,49%
NTCO3 Natura ON R$ 14,26 -5,69%
CSNA3 CSN ON R$ 16,91 -5,74%

Nesta manhã, as ações da Petrobras são penalizadas pelos ruídos em torno de um novo reajuste no preço do diesel. Embora o conselho da companhia tenha aceitado a nova elevação, o governo e o Congresso condenam a medida.

Nos últimos minutos, o Ibovespa acelerou o ritmo de queda e perdeu o nível dos 100 mil pontos.

Conforme já indicava o índice futuro, o Ibovespa abriu o dia em forte queda, se ajustando ao movimento visto ontem nos mercados internacionais.

Na volta do feriado de Cospus Christs, o principal índice da bolsa recua 1,62%, aos 101.136 pontos.

AJUSTE NOS DIs

Entre os juros futuros (DIs), as curvas com vencimento em janeiro de 2023 — portanto, as que refletem as apostas dos investidores quanto à taxa Selic ao fim deste ano — operam em baixa e oscilam ao redor de 13,57%.

O movimento vai em linha com as sinalizações do Copom: a autoridade monetária indicou um novo aumento na Selic na reunião de agosto, “de igual ou menor magnitude” que os 0,5 ponto atuais. Ou seja: a taxa de juros deve ir para 13,50% ou 13,75% — e o mercado está inclinado para a primeira opção.

Veja como estão as principais curvas de juros futuros nesta manhã:

  • Jan/23: de 13,607% para 13,570%;
  • Jan/24: de 13,43% para 13,31%;
  • Jan/25: de 12,75% para 12,675%;
  • Jan/27: de 12,67% para 12,66%.
DÓLAR SOBE FORTE

No mercado de câmbio, o dólar à vista abriu o dia em forte alta e chegou a disparar quase 2,5%, batendo R$ 5,14 na máxima. Passados alguns minutos, a moeda americana perdeu parte da força: agora, avança 1,66%, ao patamar de R$ 5,10.

Esse ajuste mais intenso ocorre no contexto do aperto monetário global: o Fed elevou os juros americanos em 0,75 ponto, e o Copom subiu a Selic em 0,5 ponto.

Com o BC dos EUA pisando no acelerador, o chamado ‘diferencial de juros’ — a subtração entre as taxas brasileiras e americanas — começa a ficar menor, o que tira apelo do mercado doméstico para aportes internacionais. E o incentivo ao fluxo de saída de recursos do país acaba por pressionar a cotação do dólar.

IBOVESPA FUTURO EM QUEDA

O Ibovespa futuro começou o dia no campo negativo: por volta de 9h05, o índice recuava 1,96%, aos 103.030 pontos, e ia na contramão dos futuros de Wall Street, que operam no azul.

Essa tendência contrária está relacionada aos eventos de ontem: as bolsas globais tiveram quedas intensas — o Nasdaq desabou mais de 4% —, mas a B3 estava fechada por causa do feriado. Sendo assim, o mercado doméstico passa por correções, de modo a se ajustar às baixas vistas na quinta-feira.

OPORTUNIDADE DE SWING TRADE

Nilson Marcelo, analista técnico da Vitreo, fala sobre uma operação de curto prazo envolvendo os papéis da Light (LIGT3) que pode render lucro de mais de 4%.

Clique aqui e saiba mais

ESQUENTA DOS MERCADOS

Passado o feriado de Corpus Christi, a B3 e os mercados domésticos voltam a funcionar normalmente nesta sexta (17). E a parada foi providencial para a bolsa brasileira: Wall Street e as demais praças globais tiveram perdas expressivas na sessão de ontem, em meio à ressaca pós-Fed e o medo de uma recessão econômica no mundo.

S&P 500 e Nasdaq fecharam em baixa de mais de 3% na quinta-feira, enquanto o Dow Jones foi às mínimas desde janeiro de 2021 — as bolsas da Europa também tiveram um dia bastante negativo. Dito isso, o clima parece ser mais ameno hoje, com um tom ligeiramente positivo no velho continente e nos EUA.

Que timing o dos mercados brasileiros, não? Evitaram o pior e ainda vão surfar a melhora de humor nesta sexta!

Bem, não é tão simples assim. Por mais que a B3 estivesse fechada, os ativos relacionados ao Brasil que são negociados em Nova York tiveram um dia normal — e sentiram o baque da aversão ao risco. O EWZ, principal ETF brasileiro em Wall Street, despencou mais de 4% ontem.

E os recibos de ações (ADRs) de empresas nacionais negociados nos EUA também tiveram um dia ruim, acumulando perdas intensas.

Esses dados são importantes porque, em maior ou menor grau, a bolsa brasileira e suas ações deverão passar por um ajuste nesta sexta, de modo a refletir o desempenho de ontem dos ativos domésticos em Wall Street. Ou seja: por mais que o clima lá fora esteja melhor, o Ibovespa tende a sentir um tranco.

Isso não quer dizer que o dia esteja condenado por aqui: esse ajuste negativo pode ser suavizado ao longo da sessão, de acordo com o humor dos investidores domésticos e internacionais — dados econômicos e notícias políticas também podem fazer preço.

Mas, ao menos na abertura, é razoável esperar que uma pressão vendedora se faça presente nesta sexta.

Confira o que deve movimentar o dia para a bolsa, o dólar e os demais mercados.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Fraqueza nos números

Entrega de veículos da Tesla (TSLA34) recua no segundo trimestre e vem abaixo da expectativa do mercado

Apesar do crescimento das vendas na comparação anual, houve uma queda em relação ao trimestre anterior

Mais uma vítima

Após tomar calote do 3AC, exchange Voyager Digital suspende saques, depósitos e negociações de clientes

Corretora de criptomoedas tomou calote de mais de US$ 670 milhões, mas, apesar de ter tomado empréstimos, precisou paralisar atividades

Bancões na área

Vão sobrar uns cinco ou dez bancos digitais, e o Next está entre eles, diz CEO do banco digital do Bradesco

Renato Ejnisman diz ainda que Next visa a mais aquisições e pensa ainda em internacionalização

No vermelho

Magazine Luiza (MGLU3) é a ação com o pior desempenho do Ibovespa no primeiro semestre de 2022; outras varejistas e techs também sofreram no período

Com queda acumulada de quase 70% no ano, ações do Magalu são as piores do Ibovespa no semestre que acaba de terminar

Proteção

Qual título público comprar no Tesouro Direto? Santander recomenda papel indexado à inflação para o mês de julho; veja qual

Recomendação do banco para o Tesouro Direto visa proteção contra a inflação e possibilidade de valorização

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies