Menu
2021-10-18T08:10:27-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo
SEGREDOS DA BOLSA

Esquenta dos mercados: investidor deve ficar de olho na PEC dos precatórios, risco fiscal e Livro Bege esta semana; saiba o que esperar

Além disso, a temporada de balanços começa a ganhar tração no exterior e, no Brasil, a primeira divulgação dos números do terceiro tri deve ocorrer na sexta-feira

18 de outubro de 2021
7:58 - atualizado às 8:10
Ibovespa
Imagem: Shutterstock/Andrei Morais

A semana marcada por feriado e menor liquidez nos mercados fez o Ibovespa encerrar os últimos pregões com saldo positivo, em um avanço de mais de 1%. Já o dólar à vista fechou os últimos sete dias em queda de 0,77%, depois de atingir o patamar de R$ 5,60. 

Esta semana, o investidor doméstico não tem maiores indicadores para se preocupar, mas o Congresso Nacional fica no centro das atenções. Além da PEC dos precatórios, os debates envolvendo a reforma do Imposto de Renda e, consequentemente, o teto de gastos e o Auxílio Brasil devem movimentar a bolsa por aqui. 

Já o exterior tem importantes indicadores para digerir. A segunda-feira (18) já começa de olho nos números do PIB da China, que decepcionaram e vieram abaixo do esperado. Nos próximos dias, as perspectivas para a economia dos EUA devem ser divulgadas pelo Federal Reserve no Livro Bege, o que pode pressionar ainda mais pela manutenção ou retirada de estímulos da economia, o chamado tapering

Congresso Nacional

As Casas Legislativas brasileiras devem ficar em foco nesta semana. No Senado Federal, a leitura do relatório da CPI da Covid deve fechar os trabalhos da Comissão ainda esta semana. A cerimônia de encerramento estava marcada para terça-feira (19), mas teve de ser adiada. 

Já na Câmara dos Deputados, a PEC dos precatórios deverá ser votada em comissão especial na terça-feira, com fortes indícios de que será aprovada. O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) deve fazer a deliberação do texto nos dias seguintes à votação. 

Os embates políticos devem seguir como plano de fundo para a bolsa brasileira. O risco fiscal deve ficar fora do radar (por enquanto) com a aprovação da PEC dos precatórios, mas ainda é preciso que a reforma do Imposto de Renda seja aprovada para que o teto de gastos esteja a salvo.

A semana no Ibovespa: o que esperar

Hoje o Banco Central divulga o Relatório de Estabilidade Financeira do 1º trimestre e o Ministério da Economia publica os dados da balança comercial semanal. 

Na terça-feira (19), a FGV divulga o IPC semanal e o IPC-S das Capitais em outubro. Sem maiores indicadores pela frente, a bolsa brasileira deve se apegar ao exterior esta semana, de olho no cenário doméstico de risco fiscal.

Além disso, vale ficar de olho no início da temporada de balanços por aqui. Na sexta-feira (22), a Hypera divulga seus resultados do terceiro trimestre e a agenda completa você confere na matéria do meu colega Victor Aguiar.

Outro temor que deve permanecer "abaixo do radar" do investidor é uma possível nova greve dos caminhoneiros, marcada para o início do mês que vem. A categoria exige um piso para o frete, nova política para o preço do diesel e aposentadoria especial.

Retomada econômica

A China divulgou, na madrugada desta segunda-feira (18), dados do PIB do terceiro trimestre deste ano. De acordo com o NBS, a expectativa era de que as atividades avançassem 5,1% nos últimos três meses, mas o dado apontou para um avanço de 4,9%

A produção industrial do país também decepcionou, com expansão de 3,1% contra aumento de 3,8% das projeções do The Wall Street Journal. As vendas no varejo, entretanto, cresceram 4,4%, acima das expectativas de 3,4%. 

O gigante asiático enfrenta problemas na retomada das atividades que os demais países no mundo também devem viver: a alta da inflação, a escassez de energia limpa e o número de casos de covid-19 que teima em permanecer elevado em alguns pontos do globo. 

Para completar, o setor financeiro e imobiliário chinês segue pressionado, com incorporadoras em uma constante ameaça de calote, que pode afetar o sistema financeiro global. 

A semana no exterior

O principal dado de hoje que os investidores devem digerir é o PIB da China. Ainda pela manhã, o Federal Reserve divulga números da produção industrial em setembro e o mercado deve permanecer atento à reunião de Janet Yellen, secretária do Tesouro dos EUA, com Jerome Powell, presidente do Fed. 

Na terça-feira (19) a China volta às manchetes com a divulgação das LRPs, a taxa básica de empréstimos para 1 a 5 anos. No mesmo dia, os EUA divulgam os estoques de petróleo. 

A quarta-feira (20) conta com a divulgação do Livro Bege, a publicação do Banco Central americano que traz as perspectivas para a economia dos EUA. A expectativa é de que o Federal Reserve dê maiores detalhes sobre o tempo e intensidade da retirada dos estímulos, movimento conhecido como tapering, que deve se iniciar em novembro.

Os pedidos de auxílio-desemprego nos EUA devem ser divulgados na quinta-feira (21), enquanto dados do índice do gerente de compras (PMI, em inglês) que medem a atividade econômica dos países, deve ficar para a sexta-feira (22). 

Como plano de fundo, a semana conta com uma série de balanços no exterior (confira mais abaixo).

Bolsas pelo mundo

Os principais índices asiáticos encerraram o pregão desta segunda-feira majoritariamente em baixa, após os dados decepcionantes da economia chinesa abaixo do esperado, o que reforça a tese de que a retomada das atividades pelo mundo pode estar comprometida. 

De maneira semelhante, as bolsas europeias abriram em baixa, com temores da retomada menos intensa da economia global. O foco dos próximos dias fica para as falas dos dirigentes do BC americano e nos próximos passos do tapering, a retirada de estímulos da economia.

Por falar nos Estados Unidos, os futuros de Nova York absorvem a cautela do mundo e seguem pressionados antes da abertura. 

Agenda semanal

Segunda-feira (18)

  • FGV: IPC-S de outubro (8h)
  • Banco Central: Boletim Focus semanal (8h25)
  • Banco Central: Relatório de Estabilidade Financeira do 1º trimestre (9h30)
  • Estados Unidos: Federal Reserve divulga números da produção industrial em setembro (10h15)
  • Estados Unidos: Índice de confiança das construtoras em outubro (11h)
  • Estados Unidos: Secretária do Tesouro, Janet Yellen, apresenta conselho de supervisão de estabilidade financeira, com participação do presidente do Fed, Jerome Powell (12h)
  • Ministério da Economia: Balança comercial semanal (15h)

Terça-feira (19)

  • Fipe: IPC semanal (5h)
  • FGV: IPC-Capitais em outubro (8h)
  • Estados Unidos: Construções de moradias iniciadas em setembro (9h30)
  • Bélgica: Comissão Europeia publica avaliação do impacto da covid-19 na economia da região (10h)
  • OCDE: Divulgação do relatório com perspectivas fiscais para 2060 (12h)
  • Estados Unidos: Estoques de petróleo (17h30)
  • China: Banco do Povo da China (PBoC, em inglês) divulga a taxa básica de juros, conhecidas como taxas de referência para empréstimos de 1 a 5 anos (22h30)

Quarta-feira (20)

  • Zona do Euro: Inflação ao consumidor, medida pelo CPI, em setembro (6h)
  • Banco Central: Fluxo cambial semanal (14h30)
  • Estados Unidos: Divulgação do Livro Bege (15h)

Quinta-feira (21)

  • Estados Unidos: Pedidos de auxílio-desemprego (9h30)
  • Zona do Euro: Índice de confiança no consumidor em outubro (11h)

Sexta-feira (22)

  • Zona do Euro: PMI composto, industrial e de serviços (4h30)
  • Banco Central: Conta corrente e IDP de setembro (9h30)
  • Estados Unidos: PMI composto, industrial e de serviços (10h45)

Balanços da semana

Terça-feira (19)

  • Estados Unidos: Johnson & Johnson (antes da abertura)
  • Estados Unidos: Procter & Gamble (antes da abertura)
  • Estados Unidos: América Móvil (após o fechamento)
  • Estados Unidos: Netflix (após o fechamento)
  • Estados Unidos: United Airlines (após o fechamento)

Quarta-feira (20)

  • Estados Unidos: Verizon (antes da abertura)
  • Estados Unidos: IBM (após o fechamento)
  • Estados Unidos: Tesla (após o fechamento)

Quinta-feira (21)

  • Estados Unidos: AT&T (antes da abertura)
  • Estados Unidos: American Airlines (antes da abertura)
  • Reino Unido: Barclays (antes da abertura)
  • Estados Unidos: Intel (após o fechamento)
  • Estados Unidos: Whirlpool (após o fechamento)

Sexta-feira (22)

  • Estados Unidos: American Express (antes da abertura)
  • Brasil: Hypera (após o fechamento)
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

NOVATA NA FINAL

Não estranhe: patrocinadora da final entre Palmeiras e Flamengo é a nova corretora de criptomoedas do Brasil; conheça Crypto.bom

A exchange resolveu investir no segmento de esportes e patrocina Fórmula 1, NBA e até o campeonato europeu

Raio-X

Análise: Por que a alta da inflação pode ameaçar o pacote de infraestrutura de Joe Biden?

O presidente americano tem ambiciosos planos pela frente, mas a alta da inflação e gargalos estruturais da economia podem alterar o rumo

A SEMANA EM GRÁFICOS

Covid-19 pressiona aéreas, turismo, Ibovespa e bitcoin, mas inflação avança no mundo: entenda a última semana com estes gráficos

As companhias aéreas sofreram perdas significativas na bolsa esta semana e nem o bitcoin (BTC) conseguiu se salvar

O MELHOR DA SEMANA

Piora da covid no mundo e criptomoedas além do bitcoin (BTC): 5 assuntos mais lidos no Seu Dinheiro esta semana

O mercado já trabalhava amplamente com a visão do verdadeiro normal. Mas os mercados globais voltaram a entrar em pânico com a covid-19

PAPO CRIPTO #007

Tecnologia que criou o bitcoin (BTC) pode reduzir custo de captação de recursos em quase 70%, diz chefe de ativos digitais do BTG

“Empresas pequenas e médias têm menor possibilidade de acesso ao mercado de capitais, muito por causa dos custos envolvidos”, comenta

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies