Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-02-10T18:37:00-03:00
Estadão Conteúdo
incerteza no radar

Há riscos de baixa para a economia norte-americana, diz presidente do Fed

Powell disse que, a partir de declarações de especialistas do setor de saúde, tem como cenário-base que esse controle da pandemia pode ocorrer em meados deste ano, mas ressaltou que existem incertezas

10 de fevereiro de 2021
17:54 - atualizado às 18:37
Jerome Powell Fed
Presidente do Fed, Jerome Powell. - Imagem: Federal Reserve

O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell, advertiu nesta quarta-feira, 10, que há "riscos de baixa" para a economia dos Estados Unidos, no quadro atual.

Durante evento virtual do Clube Econômico de Nova York, Powell comentou que não é possível garantir quando haverá a chamada "imunidade de rebanho" para a covid-19, possibilitando uma reabertura total da economia.

Powell disse que, a partir de declarações de especialistas do setor de saúde, tem como cenário-base que esse controle da pandemia pode ocorrer em meados deste ano, mas ressaltou que existem incertezas e que isso não é garantido.

Nesse contexto, o presidente do Fed descartou qualquer interesse neste momento dos dirigentes em conduzir uma redução no balanço do banco central. "O balanço do Fed terá o tamanho que tiver de ter para apoiar a recuperação", ressaltou.

Ele também disse que não há preocupação no BC sobre a capacidade do governo americano se financiar.

Questionado sobre o apoio fiscal, Powell lembrou que cabe aos funcionários eleitos - o presidente e os legisladores - decidir sobre esse assunto. Anteriormente, Powell havia mencionado o papel "essencial" da política fiscal, neste momento.

Mercado de trabalho

O presidente do Federal Reserve afirmou ainda nesta quarta que uma melhora que ocorria no mercado de trabalho "estagnou em meses recentes", diante de nova onda da covid-19 nos Estados Unidos. No evento do Clube Econômico de Nova York, o dirigente reafirmou o compromisso de fazer "todo o possível" para buscar o máximo emprego, alertando que o mais importante, neste momento, é conter a pandemia "no curto prazo".

Powell disse que a recuperação econômica nos EUA surpreendeu inicialmente, mas complementou que "estamos ainda longe de um mercado de trabalho forte, cujos benefícios são amplamente compartilhados".

Ele lembrou que o emprego em janeiro deste ano estava quase 10 milhões da vagas abaixo do nível de fevereiro de 2020, a maior diferença desde o fim da Grande Recessão do fim dos anos 2000.

Também citou o fato de que quase 5 milhões de pessoas diziam, em janeiro, que a pandemia as impedia de buscar trabalho, em um contexto no qual o vírus e cortes de empregos em algumas áreas, como no setor de serviços, levaram muitos a deixar a força de trabalho.

O presidente do Fed alertou, nesse contexto, para o aumento de desigualdades "já elevadas" no mercado de trabalho americano. Além disso, lembrou que pode haver efeitos de longo prazo para esse mercado, seja para os próprios trabalhadores, seja para a economia como um todo. "E sabemos a partir da expansão anterior que pode levar muitos anos para reverter o estrago."

Para Powell, a volta ao pleno emprego "não será tarefa fácil". Além da necessidade de conter a covid-19 o mais rápido possível, ele reafirmou que a política monetária acomodatícia será mantida "pelo tempo que for necessário". Considerou ainda a polícia fiscal "essencial nesta recuperação", enfatizando também a importância do governo e do setor privado para apoiar a retomada no mercado de trabalho.

O presidente do Fed lembrou que, nas últimas três décadas, a inflação tem sido mais baixa e mais estável do que anteriormente. Ele afirmou que o Fed esperará que a própria inflação atinja a meta de 2%, não as expectativas sobre ela, notando que não espera um salto da inflação no curto prazo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

RIQUEZA DIGITAL

Dancinha milionária: estrelas do TikTok já ganham mais do que grandes executivos nos Estados Unidos; veja quanto elas faturam

Os milhões de seguidores de alguns tiktokers são irresistíveis para as marcas, que acabam gastando muito dinheiro não só em anúncios como em suas linhas de produtos

DA REALIDADE PARA O NOVO DIGITAL

Walmart no metaverso: gigante do varejo dos EUA vai fabricar e vender no mundo virtual; entenda

Para ter um pé nesse universo, Nike e marcas de vestuário como Urban Outfitters, Ralph Lauren e Abercrombie & Fitch também entram com pedidos de marca registrada

PEGA LADRÃO!

Fechada na economia e aberta ao cibercrime: Coreia do Norte desvia milhões de dólares com ataques a plataformas de criptomoedas em 2021

Norte-coreano Lazarus ganhou notoriedade com invasões cibernéticas à Sony Pictures e à WannaCry. Grupo já foi sancionado pelos Estados Unidos e pela ONU

EFEITOS DO CLIMA

Usiminas (USIM5) retoma gradualmente atividades de mineração afetadas por chuvas em Minas Gerais

Segundo o grupo, os problemas ainda afetam empresas responsáveis pela cadeia de escoamento de minério

Conteúdo Empiricus

Dos R$2 mil aos R$100 mil em 12 meses com esta criptomoeda? Criptoativo criado por sócio de Steve Jobs faz parte do segmento que pode decolar e deixar o Bitcoin no chinelo após evento do dia 24 de janeiro

Ele fundou a Apple junto de Steve Jobs e agora criou uma nova criptomoeda que custa centavos e pertence ao ecossistema que pode saltar 5.000% em 2022 e enriquecer os seus investidores

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies