O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2021-12-06T17:59:48-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
NÃO É BEM ASSIM...

Petrobras (PETR4) rebate Bolsonaro sobre possível queda no preço dos combustíveis

A estatal afirmou que não antecipa decisões de reajustes ainda não comunicadas ao mercado e reforçou que qualquer mudança nos preços segue sua política vigente

6 de dezembro de 2021
12:08 - atualizado às 17:59
O presidente Jair Bolsonaro, em montagem ao lado do logotipo da Petrobras
O presidente Jair Bolsonaro, em montagem ao lado do logotipo da Petrobras - Imagem: Montagem Andrei Morais/Shutterstock

Após Jair Bolsonaro prometer que a Petrobras (PETR4) começará a diminuir o preço dos combustíveis nesta semana, a estatal rebateu que não antecipa decisões de reajustes ainda não anunciadas aos clientes e ao mercado, mas afirmou que as mudanças nos valores dos produtos "são realizadas no curso normal dos negócios".

O presidente, que é um dos críticos mais ferrenhos da política de preços da petroleira, afirmou, em entrevista ao site Poder360 no último domingo (5), que a queda nos valores deve seguir por algumas semanas.

Em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a Petrobras também reiterou o compromisso de manter os preços "competitivos e em equilíbrio com o mercado". Essa preocupação está no cerne da política que é alvo dos comentários ácidos de Bolsonaro e cujo objetivo é equiparar os valores com o preço do barril de petróleo no mercado internacional.

Agora, com o recuo da commodity - o petróleo do tipo Brent caiu US$ 10 nas últimas duas semanas e está cotado próximo aos US$ 73 hoje -, a queda nos preços dos combustíveis é antecipada pelo mercado.

Cabo de guerra

A briga entre a petroleira e o presidente a respeito de quanto deve custar a gasolina, o diesel e o gás liquefeito de petróleo - o famoso "gás de cozinha" - é antiga e já motivou até uma troca de comando na empresa.

Mas, mesmo com a chegada do general Joaquim Silva e Luna, nome indicado por Bolsonaro, à presidência da Petrobras, a estatal manteve a mesma política de preços.

No mês passado, em meio a críticas em relação aos aumentos mais recentes, o chefe do Executivo afirmou que o governo buscava rever a política de preços da Petrobras. Mas Silva e Luna rebateu que alta nos preços não é culpa da companhia.

"A alta de preços dos combustíveis não corresponde à Petrobras e está sendo colocada na conta dela", disse o presidente da estatal em audiência da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado Federal para explicar a alta nos valores.

Privatização

Além da mudança na política de preços, o presidente também mira em uma alteração de cenário mais drástica: privatizar a estatal.

Bolsonaro já expressou publicamente o desejo em diversas ocasiões, e chegou a dizer que pediu ao ministro da Economia, Paulo Guedes, um estudo sobre a possível privatização da Petrobras por meio da venda das ações da União.

A fala motivou um pedido de explicações por parte da estatal e a abertura de uma investigação na CVM, mas não há atualizações em nenhum dos dois casos.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

NOITE CRIPTO

Não durou muito: bitcoin (BTC) opera em queda e volta a ficar abaixo do nível de US$ 30 mil; veja a performance das outras criptomoedas

O peso da perda de confiança do mercado é um dos pontos que mais afastam o investidor do mercado de criptomoedas atualmente

DISTRIBUINDO MAIS DO QUE COMBUSTÍVEIS

Dividendos e JPC: Vibra Energia (VBBR3) anuncia o pagamento de R$ 131 milhões em proventos; confira prazos

Ao todo, a distribuidora de combustíveis já pagou R$ 663 milhões em dividendos e juros sobre capital próprio no exercício de 2021

CSN (CSNA3) e CSN Mineração (CSNA3) vão recomprar até 164 milhões de ações; veja o que muda para os acionistas

As duas companhias aproveitam o momento descontado na B3 para encerrar os programas atuais e iniciar novas operações com duração de um ano

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Inflação derruba bolsas, Hapvida vai às compras e a varejista que ameaça o Magalu; confira os destaques do dia

Depois de um dia de animação, preocupações com o movimento dos preços e a atividade econômica pelo mundo estragaram o humor dos investidores

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana come margem de grandes empresas e derruba bolsas globais; Ibovespa cai mais de 2% e dólar cola em R$ 5

Com inflação pressionando e China voltando a fechar cidades, o Ibovespa caiu menos que as bolsas em Wall Street, mas ainda assim amargou fortes perdas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies