O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2021-06-22T18:22:08-03:00
Renato Carvalho
Buscando confiança

Números de abril revelam melhora do IRB, mas queda da ação mostra que desconfiança persiste

Estratégia de rever contratos, principalmente no exterior, diminuiu as receitas fora do Brasil, mas ajudou sinistralidade e resultado final

22 de junho de 2021
13:20 - atualizado às 18:22
Tela de celular mostra logotipo do IRB Brasil RE com gráfico ao fundo
Imagem: Shutterstock

A história do IRB Brasil Re (IRBR3) depois que foi privatizado e abriu seu capital seria digna de um capítulo à parte em um eventual livro sobre o mercado de ações brasileiro.

Entre o IPO, em julho de 2017, e fevereiro de 2020, quando atingiu quase R$ 39, a ação praticamente quintuplicou seu valor. E desde então, o papel parece procurar uma corda para se segurar e parar de cair.

Na tarde desta terça-feira, 22, perto de completar quatro anos de sua chegada à bolsa, a ação ON do IRB vale R$ 6. Ou seja, perdeu quase 85% do seu valor desde que atingiu o pico, pouco antes da pandemia de covid-19 chegar ao Brasil.

A queda na ação foi consequência mais da descoberta de fraudes contábeis que da crise sanitária. E desde o fim do ano passado, a nova administração da resseguradora tenta recuperar a credibilidade junto ao mercado.

Uma das iniciativas é a divulgação de relatório operacional mensal com base em dados da Superintendência de Seguros Privados (Susep). Hoje, a empresa divulgou os números de abril, que mostram os efeitos de outra medida: a revisão de contratos, principalmente no exterior.

No entanto, com a ação caindo cerca de 1,0% hoje, parece que os investidores ainda preferem manter uma certa distância do IRB, mesmo com números melhores.

O índice de sinistralidade, importante para qualquer empresa de seguros ou resseguros, ficou em 84,3% em abril, ante 118,7% de um ano antes. As despesas caíram 27,5%, para R$ 479 milhões.

Desde janeiro, o índice ficou em 75,6%, ante 87,9% do ano passado, com as despesas com sinistros em R$ 1,5 bilhão, quase R$ 300 milhões a menos que em 2020.

Em relação aos resultados financeiros, o IRB teve prejuízo antes dos impostos de R$ 81,6 milhões em abril, ante resultado negativo de R$ 259 milhões 12 meses antes.

No acumulado do ano, a empresa conseguiu ter lucro de R$ 11,1 milhões, ante prejuízo de R$ 172,1 milhões em 2020, antes dos impostos.

No resultado líquido, o IRB teve prejuízo de R$ 48,9 milhões em abril, e acumula lucro de R$ 1,9 milhão em 2021. No ano passado, as perdas foram de R$ 170 milhões no mês e R$ 135 milhões no quadrimestre.

Sem contar o efeito dos negócios descontinuados e efeitos não recorrentes, o IRB teve prejuízo de R$ 38,9 milhões em abril e lucro de R$ 41,5 milhões desde janeiro deste ano.

Foco no Brasil

Desde o começo de 2021, o IRB emitiu R$ 2,716 bilhões em prêmios, uma redução total de 2,6% na comparação com o primeiro quadrimestre de 2020.

O curioso é que, somente no mercado brasileiro, os prêmios cresceram 15,6%, para R$ 1,4 bilhão. Já no exterior, houve queda de 16,9%, para R$ 1,3 bilhão.

Dentro do processo de reestruturação para recuperar a confiança do mercado, a empresa divulgou que estava fazendo uma ampla revisão dos contratos ativos. O principal alvo, segundo a administração do IRB, eram as operações no segmento Vida no exterior, que tinham impactos negativos nos resultados da empresa.

Os números somente de abril confirmam a mesma tendência. O faturamento com prêmios caiu 0,9% em relação ao mesmo mês de 2020, para R$ 785,9 milhões. Houve crescimento de 8,6% no Brasil e queda de 7,9% no exterior.

Pelos números de abril, o faturamento vindo do exterior, em reais, ainda tem participação ligeiramente maior, mesmo com toda a revisão já realizada. Foram R$ 421,2 milhões em prêmios emitidos, ante R$ 364,7 milhões no Brasil. Claro que o câmbio é decisivo nesta “vantagem”.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

PORTFÓLIO DE BILHÕES

Aposta contra a Apple (AAPL34)? Veja as mudanças que Warren Buffett, Michael Burry e investidores de elite fizeram nas carteiras

Esses pesos-pesados do mercado financeiros tomaram decisões surpreendentes no primeiro trimestre; confira as mudanças mais significativas que eles fizeram no período

DO BRASIL PRO MUNDO

Guedes tem encontro com Escobari, da General Atlantic, e vai a jantar do BTG; confira a agenda do ministro em Davos

O banqueiro André Esteves, que em abril voltou ao comando do conselho do BTG Pactual, está participando do evento na Suíça

UMA TECH ATRAENTE

É hora da Locaweb? Saiba por que o Deutsche Bank vê ponto de entrada para as ações LWSA3

Banco alemão atualizou a recomendação para a empresa de neutra para compra e vê potencial de valorização de mais de 50% para os papéis

O QUE VEM POR AÍ

Ata do Fed e IPCA-15: confira a agenda de indicadores da semana aqui e lá fora

Nos Estados Unidos, a segunda prévia do PIB no primeiro trimestre também é destaque; na Europa, o PIB da Alemanha é o principal dado

CAMINHO DO MEIO

Menor rejeição e apoio interno no MDB dão vantagem a Simone Tebet; veja os rumos da senadora da terceira via

Maior desafio, segundo marqueteiros, é torná-la popular: 46% do eleitorado desconhece Simone Tebet, segundo pesquisas recentes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies