Menu
2021-03-19T07:33:27-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
conta covid

Custo e despesas pesam e fazem lucro da Hapvida cair 55,2% no 4º trimestre

Situação, em parte provocada pela covid-19, ofuscou bom desempenho da receita beneficiada por aumento de beneficiários e ticket médio

19 de março de 2021
7:33
médico/hapvida
Imagem: Shutterstock

A Hapvida (HAPV3) fechou o quarto trimestre de 2020 com um desempenho que pode ser considerado misto.

Por um lado, o aumento no número de beneficiários e do ticket médio dos planos resultou no aumento 27,3% da receita em relação ao mesmo período de 2019. Por outro lado, registrou um forte aumento dos custos por conta da covid-19, além de um avanço das despesas operacionais.

Olhando para a última linha do balanço, o que acabou pesando foi justamente a pressão exercida pelos custos, levando o lucro líquido da operadora de saúde verticalizada a recuar 55,2%, para R$ 94,3 milhões.

No final do ano passado, a Hapvida viu o custo total crescer 37%, para R$ 1,5 bilhão, exercendo uma pressão negativa sobre a margem bruta, que recuou 4,7 pontos percentuais (p.p.) em base anual e 6,1 p.p. na comparação com o terceiro trimestre, para 33,5%.

Segundo a companhia, a situação foi provocada, entre outros fatores, pelo maior número de faturas do SUS emitidas no trimestre, visto que a emissão de faturas foi suspensa durante o segundo e terceiro trimestres. As operadoras de saúde são cobradas quando um beneficiário é tratado em uma unidade do sistema de saúde público.

Outros fatores que pesaram nos custos foram o retorno gradual do volume de atendimentos e procedimentos eletivos e de urgência, ao mesmo tempo em que ocorreu um aumento gradual de atendimentos e internações referentes à covid-19 em algumas regiões, e o maior patamar de sinistralidade de empresas adquiridas que compõem o número consolidado de 2020, mas não que não estavam presentes em 2019.

As despesas operacionais totais também tiveram uma evolução negativa, crescendo 41,2%, para R$ 587,9 milhões. Tudo isso resultou numa queda de 34,6% no lucro operacional, para R$ 173,2 milhões.

Receita em alta

O crescimento dos custos e das despesas acabou ofuscando o bom desempenho que a Hapvida teve do lado do faturamento. A receita acabou crescendo 27,3% no quarto trimestre, para R$ 2,2 bilhões.

No período, a empresa viu um aumento orgânico de 215 mil vidas na base de beneficiários de saúde e odontologia ocorrido principalmente nas cidades de Fortaleza, Recife e Joinville, levando o número total de clientes de planos de saúde a 3,7 milhões, um aumento de 6,6%, e a quantidade de beneficiários de planos odontológicos a atingir 2,9 milhões, crescimento de 4%.

O ticket médio dos planos médicos cresceu 5,8%, por conta de reajustes de preço implementados nos contratos existentes e das vendas novas realizadas no período.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) cresceu 15,2%, para R$ 432 milhões, mas a margem recuou na base anual, de 21% para 19%. Em relação ao terceiro trimestre, a margem caiu 5,1 p.p.

O fluxo de caixa livre excluindo os efeitos de aquisições foi de R$341,6 milhões, diminuição de 35,6%, impactado negativamente pela variação do capital de giro (sensibilizada negativamente pela maior saldo do contas a receber) em virtude do reconhecimento da receita de reajustes retroativos de 2020 conforme determinação da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Carteira digital

PicPay entra com pedido de IPO na Nasdaq

Aplicativo atingiu recentemente a marca de 50 milhões de usuários, mas crescimento veio acompanhado de um prejuízo de mais de R$ 800 milhões só no ano passado

Mercados hoje

Bolsas sobem em Nova York após dois dias de queda; índice de empresas brasileiras avança apesar do petróleo

Otimismo com retomada da economia norte-americana impulsiona bolsas. A maior surpresa do dia é o Nasdaq, que sobe mesmo com o peso das ações da Netflix

O varejo ferve

Renner mira compra da Dafiti com recursos da oferta de ações

Varejista anunciou captação de até R$ 6,5 bilhões na bolsa e pode usar os recursos para fazer uma proposta pelo e-commerce de moda

Pouso forçado

Demanda por voos deve encerrar o ano em menos da metade do nível pré-pandemia

O prejuízo total das companhias aéreas em 2021 deve ficar entre US$ 47 bilhões e US$ 48 bilhões, de acordo com a ação Internacional de Transporte Aéreo (Iata)

Agora vai?

Governo vai reduzir valor de arrecadação por áreas “micadas” do pré-sal em novo leilão

A arrecadação que o governo pretende receber pela exploração de dois campos do pré-sal foi reduzida em R$ 25,5 bilhões; novo leilão deve acontecer em dezembro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies