Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-07-21T19:36:00-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Balanço cheio de gás

Um brinde, Cristiano Ronaldo: lucro da Coca-Cola sobe quase 50% no segundo trimestre

O recente atrito com o astro Cristiano Ronaldo não trouxe problemas para a Coca-Cola: sua receita líquida subiu 42% no segundo trimestre

21 de julho de 2021
10:46 - atualizado às 19:36
Cristiano Ronaldo Coca Cola
Imagem: Montagem Andrei Morais

Dentro das quatro linhas, o astro português Cristiano Ronaldo pode ser uma máquina que não para nunca. Mas quem achou que a sede por vitórias do camisa 7 da Juventus poderia bater de frente com a Coca-Cola se deu mal: a empresa marcou um golaço no seu balanço do segundo trimestre.

Caso você tenha morado numa caverna nos últimos meses, eis uma breve retrospectiva: ao sentar-se para uma coletiva de imprensa da Eurocopa, Cristiano Ronaldo tirou da mesa duas garrafas de Coca-Cola — um dos patrocinadores do torneio —, substituindo-as por água.

Minutos depois, as ações da companhia (KO) passaram a cair mais de 1%, o que, em termos de valor de mercado, implicava numa perda de US$ 4 bilhões. Era o efeito CR7 em ação?

Vamos falar mais sobre o Cristiano Ronaldo gate ao longo desse texto. Por enquanto, o que importa é que, para a Coca-Cola, o ato do craque português não trouxe qualquer impacto para os resultados financeiros do segundo trimestre; pelo contrário: os números foram bastante fortes.

A receita líquida da empresa, por exemplo, chegou a US$ 10,1 bilhões, alta de 42% na base anual, impulsionada pela recuperação dos mercados que vinham enfrentando dificuldades mais intensas por causa da Covid-19. E esse salto na receita se difundiu por todo o balanço.

O lucro operacional da Coca-Cola aumentou 52% na mesma base de comparação, para US$ 3 bilhões; o lucro líquido foi a US$ 2,6 bilhões, avançando 48%. Por fim, o lucro por ação (LPA) ficou em US$ 0,61.

E mais: com os resultados animadores para o trimestre, a Coca-Cola elevou suas projeções financeiras e operacionais para 2021, mostrando confiança na normalização da economia global.

Cristiano Ronaldo CR7 Coca-cola
Cristiano Ronaldo não quer nem pensar em ter sua imagem associada às garrafas de Coca-Cola

Beba Coca-Cola

A Coca-Cola vendeu mais em todos os mercados em que atua. Naturalmente, há uma distorção na base comparativa, já que o segundo trimestre de 2020 marcou o ápice da incerteza relacionada à Covid-19. Ainda assim, a expansão nas receitas ficou acima do esperado — veja o comportamento da receita líquida por região do mundo:

  • Europa, Oriente Médio e África: +67%;
  • América Latina: +41%;
  • América do Norte: +28%; e
  • Ásia/Pacífico: +27%.

Essa, no entanto, é apenas parte da história. A divisão de Global Ventures, que concentra as bebidas da Coca-Cola que não são refrigerantes — como cafés, energéticos, sucos, águas e chás, entre outros — mais que dobrou a receita no segundo trimestre deste ano.

Para finalizar, o mix de preço dos produtos vendidos aumentou 11% no período. E a combinação de vendas mais elevadas a um preço maior sempre resulta em números explosivos para qualquer empresa.

Em relação ao Brasil, a Coca-Cola destacou que o país foi fundamental para o bom desempenho na América Latina — as vendas de refrigerantes e isotônicos nos mercados brasileiro e mexicano foram destaque na região.

Dando um gás no futuro

Com o sucesso visto no segundo semestre, a Coca-Cola agora estima um crescimento orgânico da receita líquida na ordem de 14% em 2021 — a expectativa anterior era de alta de 12%. Em termos de lucro por ação, a empresa projeta uma cifra ao redor de US$ 2,25 no ano; em 2020, o LPA foi de US$ 1,95.

Esses números implicam numa desaceleração ao longo do segundo semestre: no consolidado dos primeiros seis meses de 2021, a Coca-Ccola teve receita líquida de US$ 19,1 bilhões, alta de 22%. Novamente, a base de comparação volta a agir, já que o período de julho a dezembro do ano passado foi menos anormal em termos de vendas.

Ainda assim, convenhamos: um crescimento de dois dígitos na receita e no lucro por ação não é nada desprezível.

Cristiano Ronaldo vs. Coca-Cola

Voltando ao episódio do Cristiano Ronaldo: há algumas questões que devem ser debatidas a respeito do poder de influência do craque.

A narrativa é bastante atraente: um astro global mostra publicamente que não gosta de um produto — e, imediatamente, as ações da empresa que fabrica esse produto caem, provocando um impacto bilionário. Abre-se todo um debate sobre o papel do marketing, sobre o funcionamento do mercado financeiro, sobre o capitalismo moderno.

Só que a história não termina no momento em que Cristiano Ronaldo tira a Coca-Cola da mesa. Em seguida, ele as substitui por uma garrafa d'água — que, ora essas, também é envazada pela companhia. O problema do jogador não é com a empresa Coca-Cola, mas sim com a bebida.

E mesmo do ponto de vista do mercado financeiro, a reação inicial logo foi absorvida, como bem ponderou minha colega Larissa Vitória: as ações da Coca-Cola encerraram aquele pregão em baixa de apenas 0,25%, a US$ 55,41.

Ontem, os papéis da empresa já estavam num nível de preço superior ao que era visto antes do episódio envolvendo Cristiano Ronaldo — e, nesta quarta-feira (21), abriram em alta de 2,85%, a US$ 57,42, renovando as máximas do ano e quase retornando aos níveis pré-pandemia. No fim do pregão, fecharam com alta de 1,29%, a US$ 56,55. Os BDRs (COCA34) fecharam com ganho de 1,97%, a R$ 49,61.

Coca-cola ações

Quer saber como investir em BDRs e quais as perspectivas para essa classe de ativos no segundo semestre? O Seu Dinheiro preparou um vídeo com as dicas e opiniões de especialistas:

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

MANOBRAS

Juiz põe no banco dos réus ex-gestores do banco Máxima por gestão fraudulenta

O Banco Máxima S.A. informa que seus atuais acionistas assumiram a administração do banco em 2018, após aprovação pelo Banco Central, e que os integrantes da antiga gestão não têm mais qualquer relação com a instituição financeira

Foguete? Tô fora!

Warren Buffet: o bilionário que não quer conhecer as estrelas

Enquanto Bezos, Musk e Branson protagonizam a nova corrida especial, o Oráculo de Omaha prefere apenas observar

O melhor do Seu Dinheiro

O seu momento Sherlock Holmes

Na adolescência, ouvia que quem buscasse por romance policial brasileiro deveria ler algo do Rubem Fonseca. Era uma vontade minha achar uma história desse gênero que fosse mais próxima da minha realidade — e o filtro nacionalidade me pareceu o mais adequado.  A ideia surgiu depois de ter conhecido parte das histórias criadas por Agatha […]

Mesa Quadrada

Comentarista da ESPN Paulo Antunes fala da sua paixão por futebol americano e experiência no mercado financeiro

Ele conta sobre suas aventuras na cobertura de futebol americano e basquete e ainda revela seus investimentos na Bolsa em novo episódio do podcast Mesa Quadrada

Garantindo a oferta

Crescem ofertas de ações com reserva antecipada

As ancoragens normalmente conseguem atrair mais investidores, numa espécie de chancela prévia, com potencial impacto positivo no preço da ação.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies