Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-11-12T19:02:53-03:00
Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
Adeus B3?

Balanço da Natura (NTCO3) caiu como uma bomba sobre as ações, que derreteram mais de 15%; companhia estuda listar papéis nos EUA

A Natura (NTCO3) pode seguir o exemplo do Inter e transferir sua listagem primária de ações para Wall Street, mantendo a negociação no Brasil por meio de BDRs

12 de novembro de 2021
14:22 - atualizado às 19:02
Frasco de perfume com logo da Natura
Frasco de perfume com logo da Natura - Imagem: Shutterstock

Balanço trimestral com queda nos principais indicadores financeiros, início de um programa de recompra de ações e estudo para trocar a B3 pela Bolsa de Valores de Nova York (NYSE): os acionistas da Natura (NTCO3) têm muito o que digerir nesta sexta-feira (12).

Porém, pelo que indicam as ações, algo entre as informações divulgadas ontem à noite não caiu bem entre os investidores e gera um grande mal-estar no mercado. Os papéis da Natura &Co (NTCO3) amargaram uma queda brusca de 17,54% hoje, a R$ 33, segunda maior queda do Ibovespa no dia.

Entre a enxurrada de anúncios, um chama bastante a atenção. A Natura pode seguir o exemplo do Banco Inter (BIDI11) e transferir sua listagem primária de ações para a bolsa norte-americana, mantendo a negociação no Brasil por meio de BDRs — títulos que representam os papéis.

De malas prontas para partir?

Para fazer a troca, a empresa estuda a criação de uma nova holding domiciliada no Reino Unido. A escolha pelas terras da Rainha Elizabeth é estratégica: o grupo já possui uma presença relevante no país, que sedia duas de suas marcas, a The Body Shop e a Avon.

Há cinco objetivos centrais por trás da nova listagem, conforme explica a companhia em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM):

  • Aumentar a visibilidade e alcance da Natura, além de amplificar sua agenda de sustentabilidade;
  • Aumentar o acesso a investidores globais e diversificar ainda mais sua base acionária;
  • Expandir a cobertura por analistas de mercado;
  • Melhorar a liquidez das ações e acessar novas fontes de financiamento;
  • E alinhar sua estrutura corporativa e de capital à presença operacional global.

Números fracos provocam dor de estômago 

Apesar da possível saída da B3, os candidatos mais prováveis a levarem a culpa pela azia dos investidores são os números trazidos pelo balanço do terceiro trimestre da empresa, muitos deles com queda em relação ao mesmo período do ano passado e abaixo das expectativas dos analistas.

O lucro líquido, por exemplo, ficou em R$ 273 milhões, com recuo de 28,5% na comparação anual. A receita líquida também caiu 2,4%, para R$ 5,5 bilhões.

O desempenho fraco é resultado, principalmente, da queda na arrecadação das divisões Natura Brasil (-16,5%) e Avon Brasil (-18,4%). Segundo a companhia, o movimento também é explicado pela base recorde utilizada para comparação: no terceiro trimestre do ano passado a receita havia crescido 20%.

Para o JP Morgan, que recomenda venda para os papéis da Natura, os resultados refletem ainda três fatores principais:

  • a mistura entre competidores de primeira linha e um cenário macroeconômico fraco no Brasil;
  • alta na inflação da matéria-prima e desalavancagem operacional, parcialmente compensada pelas sinergias com a Avon;
  • e investimentos em crescimento represados, especialmente em marketing, durante a pandemia.

O BTG Pactual concorda que o trimestre não foi como o esperado, especialmente nas operações nacionais, mas segue otimista em sua análise da empresa. O banco de investimentos manteve a recomendação de compra para os papéis, com preço-alvo de R$ 70 — o potencial de alta é de 112% em relação à cotação atual.

“Com uma estrutura melhor após dois aumentos de capital no ano passado, digitalização contínua dos representantes de vendas, oportunidades de vendas cruzadas com a Avon e captura rápida de sinergias, estamos otimistas quanto ao case de investimento da Natura”, escrevem os analistas em relatório divulgado hoje.

Recompra de ações não evita mal-estar

Os analistas do JP Morgan já esperavam que os números não seriam bem recebidos pelo mercado, mas apostavam que o anúncio do programa de recompra de ações evitasse uma queda brusca.

A Natura pretende recomprar até 37,5 milhões de ações nos próximos 12 meses, montante que equivale a 4,44% dos papéis em circulação.

O objetivo é, de acordo com a companhia, “maximizar a geração de valor para os acionistas por meio de uma administração eficiente de sua estrutura de capital”.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

BC aumenta a Selic, Nubank conclui IPO e mercado reage bem à PEC dos precatórios; veja o que marcou esta quarta-feira

Conforme esperado pelos economistas após dados recentes mais fracos da atividade econômica brasileira, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu elevar a taxa básica de juros em 1,5 ponto percentual, a 9,25% ao ano, em sua última reunião do ano. Se em muitos momentos ao longo de 2021 o mercado acionário reagiu ao […]

2022 MAIS GORDO

Dividendos e JCP: Copel (CPLE6) engrossa a lista de pagamentos milionários aos acionistas; não fique fora dessa

Data da remuneração ainda não foi definida pela empresa, mas valerá para aqueles com posição até 30 de dezembro deste ano

FECHAMENTO DO DIA

Investidores tentam equilibrar noticiário e Ibovespa emplaca mais um dia de alta; dólar tem queda firme com ômicron no radar

Com o avanço da PEC dos precatórios, a pandemia se torna um dos únicos gatilhos negativos a rondar o Ibovespa,

DOBRANDO A ESQUINA

Lucro das empresas com ações na bolsa deve cair 6,3% em 2022, diz BTG Pactual

Mesmo assim ainda é possível encontrar setores em que o cenário é positivo; saiba quem é quem

Bateu o martelo

IPO do Nubank sai no topo da faixa indicativa, a US$ 9 por ação; banco ultrapassa Itaú (ITUB4) e é a instituição financeira mais valiosa da América Latina

Com isso, os BDRs, que serão negociados por aqui a partir da próxima quinta-feira (09), saem valendo R$ 8,38

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies