Menu
2021-02-10T10:38:43-03:00
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo
Queda no comércio

Vendas no varejo registram queda mais intensa para um mês de dezembro de toda história

No acumulado de 2020, porém, vendas no varejo subiram 1,2%, quarto ano consecutivo de expansão, segundo IBGE

10 de fevereiro de 2021
10:01 - atualizado às 10:38
varejo vendas lojas
Imagem: Shutterstock

As vendas no varejo caíram 6,1% em dezembro com relação a novembro de 2020. É a maior queda para o mês desde o início da série histórica, em 2000, segundo informou o IBGE nesta quarta-feira (10).

A mediana das estimativas dos economistas, coletadas pelo Projeções Broadcast, indicavam um recuo de 3,20% das vendas.

No acumulado do ano, porém, o varejo fechou com uma alta de 1,2% das vendas, quarto ano seguido de avanço.

Consumo nos mercados e auxílio emergencial

O ano do varejo foi marcado por turbulência. Em março e abril, o consumo teve uma forte queda, enquanto em outubro e novembro, a retomada foi mais forte.

O auxílio emergencial, por exemplo, foi um dos fatores que manteve o consumo das famílias mais estável durante o ano de 2020. O gerente da PMC, Cristiano Santos, explica como a pandemia afetou o consumo das famílias.

“Os resultados da pesquisa costumam ter variações menores, mas com a pandemia, houve uma mudança deste cenário, já que tivemos dois meses (março e abril) de quedas muito grandes”, afirma.

Além disso, a inflação e o consumo de alimentos são fatores que influenciam diretamente no varejo. O comércio nos mercados e hipermercados corresponde a quase metade do resultado total do índice. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) mostrou que o grupo Alimentação e Bebidas avançou 1,53% em janeiro.

Setor a setor

Todas as dez atividades do comércio varejista ampliado fecharam dezembro com queda em relação a novembro.

Artigos de uso pessoal e doméstico caíram 13,8%, enquanto tecidos, vestuário e calçados recuou 13,3%.

Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-6,8%), móveis e eletrodomésticos (-3,7%) e livros, jornais, revistas e papelaria (-2,7%), além de artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (-1,6%), combustíveis e lubrificantes (-1,5%) e hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-0,3%) completam o comércio varejista restrito.

No varejo ampliado, a queda em veículos, motos, partes e peças foi de 2,8% enquanto em material de construção, o recuo foi de 1,8%.

Base anual

O cenário é diferente no acumulado anual de 2020. Cinco setores tiveram alta: material de Construção (10,8%), móveis e eletrodomésticos (10,6%), artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (8,3%), hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (4,8%) e outros artigos de uso pessoal e doméstico (2,5%).

Por outro lado, livros, jornais, revistas e papelaria (-30,6%), tecidos, vestuário e calçados (-22,7%), automóveis, Motos, Partes e Peças (-13,7%), equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-16,2%) e combustíveis e lubrificantes (-9,7%) fecharam o ano em queda.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

em busca de energia limpa

Criptomoedas: Elon Musk diz que Tesla vendeu 10% do que detinha em bitcoin

Segundo executivo, operação prova que a criptomoeda poder ser liquidada facilmente “sem mover o mercado”

imunização

Governo de São Paulo adianta em 30 dias vacinação contra a covid-19; veja novas datas

Plano é vacinar toda a população adulta do estado, ao menos com a primeira dose, até o dia 15 de setembro

luto

Ex-presidente do BC Carlos Langoni morre de covid-19 no Rio

Carlos Langoni trabalhou no governo na virada das décadas de 1970 e 1980, quando foi presidente do BC; ele colaborou com a equipe econômica do ministro Paulo Guedes, quase 40 anos depois

nos eua

Nova ‘ação meme’? Orphazyme dispara quase 1400% em um dia e mercado não sabe por quê

Investidores da empresa aguardam uma importante atualização sobre um tratamento experimental para a doença de Niemann-Pick; sem novidades, mercado não sabe a razão da alta

entrevista

Superávit primário pode voltar em 2024, diz secretário do Tesouro

Jeferson Bittencourt diz que a melhora no quadro fiscal do País não é “sorte”; confira a entrevista

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies