Menu
Julia Wiltgen
O melhor do Seu Dinheiro
Julia Wiltgen
Dados da Bolsa por TradingView
2021-11-20T11:17:57-03:00
O melhor do Seu Dinheiro

Na semana do touro de ouro, quem brilhou foi o urso

Bolsa e Bitcoin em queda, planejamento financeiro, comunidade cripto versus B3 e uma análise de Itaúsa PN; confira os destaques da semana

20 de novembro de 2021
11:17
Montagem do touro dourado pequeno encarando urso dourado maior na frente da B3
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O mercado financeiro e a cidade de São Paulo foram surpreendidos, no início desta semana, pela inauguração da escultura de um touro dourado em frente à B3, a bolsa de valores brasileira, localizada no centro da capital paulista.

Em apenas quatro dias, o que começou como uma ação de marketing da dona da bolsa em parceria com o economista e apresentador Pablo Spyer, conhecido pelo bordão “vai, tourinho!”, tomou uma proporção que provavelmente nem mesmo seus idealizadores poderiam imaginar.

A primeira reação foi das redes sociais, com uma chuva de piadas e memes com o que muitos consideraram uma obra de arte de gosto duvidoso; ou talvez uma vira-latice, posto que o “Touro de Ouro”, como foi chamada a escultura, parecia uma tentativa de imitar o Charging Bull, famoso touro de Wall Street, em Nova York.

Em tempo: a bolsa de Nova York não era a única no mundo a ostentar a escultura de um touro. Como você talvez já saiba, o touro é o símbolo do mercado de alta (bull market). E esculturas desse tipo podem ser encontradas, por exemplo, na Euronext, em Amsterdã, na bolsa de Frankfurt (acompanhada de um urso, o símbolo do mercado de baixa), na bolsa de Mumbai e nas bolsas chinesas de Xangai e Shenzhen.

Também pipocaram nas redes comentários sobre como o touro dourado não permaneceria imune a pichações por muito tempo — e, de fato, não levou nem 24 horas para que o bovino fosse “batizado”, além de ter sido palco de protestos.

Vou ser bem sincera aqui, eu também não achei a escultura lá muito bonita e me diverti com os memes. Mas achei que teve gente que levou o Touro de Ouro a sério demais, quase como ofensa pessoal, e destilou um bocado de raiva despropositada em relação a seus idealizadores e ao mercado financeiro em geral.

Afinal, é bom não esquecer que na bolsa são negociadas justamente as ações das empresas do país, ou seja, estamos falando de economia real aqui; e os preços desses ativos refletem justamente as perspectivas para os resultados dessas empresas, que são bastante conectados com o desempenho da economia em geral

Além disso, um pouco mais de educação financeira, informação sobre investimentos e a popularização do mercado de capitais só têm a acrescentar ao país. Então para além da crítica de arte, vilanizar o mercado financeiro não contribui muito para o debate.

De qualquer maneira, não dá para negar que o timing para se instalar a escultura de um touro em frente à B3 não foi dos melhores. Nossa bolsa não vive um bom momento e não passa, nem de longe, por um bull market.

Pelo contrário, na última semana, mais uma vez foi o urso que se destacou, com o Ibovespa renovando as mínimas do ano e tornando a se aproximar dos 100 mil pontos. O principal índice da bolsa fechou a semana com uma queda acumulada de 3,10%, aos 103.035 pontos, enquanto o dólar à vista subiu 2,79% no período, retornando aos R$ 5,61.

A temporada de balanços do terceiro trimestre chegou ao fim até com bons resultados para as companhias, mas é o que vem pela frente que traz incertezas: risco fiscal elevado, inflação no Brasil e no mundo, novas ondas de covid-19, e o risco de que o Federal Reserve comece, afinal, a subir os juros antes do esperado.

A Jasmine Olga conta nesta matéria tudo que afetou os mercados na última semana, transformando o Touro de Ouro num saco de pancadas para além da opinião pública.

Não foi só o Ibovespa que apanhou…

E não foram só o Ibovespa e o Touro de Ouro que apanharam. O bitcoin também não levou a melhor nesta semana, amargando uma desvalorização da ordem dos 10% que ofuscou o brilho da sua atualização, o Taproot. E a economia americana também tem a ver com esse tombo. Nesta matéria, o Renan Sousa explica por que a principal criptomoeda do mercado despencou.

É uma cilada, Bino?

Para o experiente trader, escritor e roteirista da série global Carga Pesada, Ivan Sant’Anna, o IPO mais aguardado do ano pode ser “uma cilada, Bino”. Naquela que foi a matéria mais lida do Seu Dinheiro na semana, o Ivan explica por que acredita que a oferta inicial de ações do Nubank pode ser uma armadilha para os iniciantes na bolsa de valores.

Para fugir do Leão e não trabalhar até morrer

É aquela época do ano novamente! Tempo de falar de planejamento financeiro para a aposentadoria. Nesta semana, começamos a publicar uma série sobre previdência privada, produto financeiro que ganha os holofotes no fim do ano, e com um bom motivo. Na primeira reportagem da série, apresentamos as vantagens da previdência privada e mostramos exatamente como utilizá-la para pagar menos imposto de renda e alcançar a tão sonhada independência financeira.

Resposta do mundo cripto à B3

Em recente entrevista ao Seu Dinheiro, o CEO da B3, Gilson Finkelsztain, criticou os custos elevados de se investir em criptoativos no Brasil e disse que a proteção para o investidor, nesse mercado, é muito menor que no ambiente de bolsa. Na última semana, o CEO da exchange Mercado Bitcoin, Reinaldo Rabelo, pediu a palavra e respondeu às críticas nas páginas do Seu Dinheiro. Confira a entrevista exclusiva que ele deu para o Renan Sousa.

A ação da vovó pode estar em promoção

A Itaúsa (ITSA4) é uma das ações mais papai-e-mamãe da bolsa brasileira. A holding de investimentos do Itaú é detentora de uma fatia de quase 40% do banco e tem fama de boa pagadora de dividendos. Tanto que é considerada uma ação de viúvas e vovós - analogia talvez um pouco sexista, mas que deixa bem claro seu papel de “ativo tranquilinho e gerador de renda”.

A compra dessa ação também é considerada uma forma mais barata de se investir em Itaú, por conta do famigerado “desconto de holding”. Mas nem só de Itaú vive a Itaúsa, que tem fartas participações em uma série de outras empresas bem-sucedidas. Além disso, pode ser que o tal desconto de holding esteja um tantinho alto, o que pode indicar um bom momento de entrada no papel. É o que mostra a análise — em texto e vídeo — que o Victor Aguiar publicou na última semana.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

DINHEIRO NA CONTA

Dividendos: Vibra (VBBR3) distribui R$ 148,5 milhões em JCP

Valor refere-se à segunda parcela de pagamento aos acionistas anunciado quando a Vibra ainda atendia como BR Distribuidora

Rumo aos dois dígitos

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 9,25%

Aumento da taxa básica dispara gatilho de mudança na forma de remuneração da poupança. Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

BC aumenta a Selic, Nubank conclui IPO e mercado reage bem à PEC dos precatórios; veja o que marcou esta quarta-feira

Conforme esperado pelos economistas após dados recentes mais fracos da atividade econômica brasileira, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu elevar a taxa básica de juros em 1,5 ponto percentual, a 9,25% ao ano, em sua última reunião do ano. Se em muitos momentos ao longo de 2021 o mercado acionário reagiu ao […]

2022 MAIS GORDO

Dividendos e JCP: Copel (CPLE6) engrossa a lista de pagamentos milionários aos acionistas; não fique fora dessa

Data da remuneração ainda não foi definida pela empresa, mas valerá para aqueles com posição até 30 de dezembro deste ano

FECHAMENTO DO DIA

Investidores tentam equilibrar noticiário e Ibovespa emplaca mais um dia de alta; dólar tem queda firme com ômicron no radar

Com o avanço da PEC dos precatórios, a pandemia se torna um dos únicos gatilhos negativos a rondar o Ibovespa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies