Menu
Larissa Quaresma
A Bolsa como ela é
Larissa Quaresma
Analista de ações e integrante da equipe do Carteira Empiricus
Dados da Bolsa por TradingView
2021-10-22T14:34:22-03:00
A bolsa como ela é

Stone, Inter e Méliuz caem forte na bolsa. É o fim das fintechs como as conhecemos?

Muito desse movimento tem a ver com a subida dos juros. Mas alguns fatores específicos também pesaram sobre as ações. Em alguns casos, pesaram com razão; em outros, nem tanto

17 de outubro de 2021
7:45 - atualizado às 14:34
Homem segura cartão de crédito e celular
As fintechs, como classe, devem continuar sofrendo. Se ainda assim decidir apostar, seja seletivo Imagem: Shutterstock

Mais uma semana se passou com os pregões judiando das empresas de tecnologia. No domingo passado, fiz um apelo à tese de volta dos bancões. Hoje, analiso se as fintechs ainda têm salvação como investimento.

As ações da Stone (STNE), listada na Nasdaq, caem 44% no semestre, em dólar. As de Inter (BIDI11), listadas (por enquanto) na B3, caem 34% em reais. O papel de Méliuz (CASH3), também disponível na bolsa brasileira, derrete 44% no semestre.

Muito desse movimento com as fintechs, que parece mais setorial do que específico, tem a ver com a subida dos juros. Quanto mais alta a Selic, maior o custo de oportunidade do capital.

Também, menor será o tempo que o investidor está disposto a esperar para observar fluxos de caixa positivos para as empresas de alto crescimento.

Assim, as empresas de tecnologia, que têm seus lucros relevantes projetados somente no futuro, perdem valor.

O peso em cada fintech

Sinto-me obrigada a observar que alguns fatores específicos também pesaram sobre esses papéis. Em alguns casos, pesaram com razão; em outros, nem tanto. Mais do que nunca, é preciso separar o joio do trigo.

Há alguns meses, em meio à mudança de humor em relação às fintechs, a Stone reportou uma inadimplência maior que a esperada pelo mercado para o segundo trimestre deste ano. Nesse momento, o que já era uma animosidade virou uma conclusão: vender crédito não é tão simples assim.

Controlar a inadimplência com a inflação baixa, juros reais negativos e renda disponível crescente é uma coisa. Quero ver manter os calotes comportados quando o preço de itens básicos para a sobrevivência só faz subir (lembre-se da escalada do petróleo, dos alimentos e observe o valor da sua conta de energia elétrica). Melhor ficar com os bancões, que têm seus exércitos de experiência em modelagem de risco.

Ou, pelo menos, essa parece ter sido a narrativa por trás da queda de Stone, que foi uma das primeiras fintechs a começar a apanhar nesse revés às empresas da nova economia. Como uma investidora que gosta de dormir bem, eu fico com a história dos conservadores.

Em bom francês...

Inter sofre por um motivo parecido: correu um rumor, originado por um popular portal de notícias para o mercado financeiro, de que a instituição prepara provisões extraordinárias para inadimplência na divulgação do 3T21. No dia do rumor, o papel caiu 15%.

O banco logo se apressou em soltar sua prévia operacional do trimestre, em que mostra provisões em linha com o ano passado. Na dúvida, o investidor apenas saiu fora. No dia da divulgação da prévia, o papel caiu 13%. Em bom francês, o mercado cagou e apenas continuou vendendo, na média.

“Investidores conservadores dormem bem”, diz o bordão do Oráculo de Omaha (Warren Buffett para os íntimos). Ao que tudo indica, o mercado tem optado pela qualidade do sono.

Méliuz, por outro lado, sofre por outros motivos. A fintech, que já dava lucro de forma consistente antes do seu IPO, reportou um prejuízo operacional no 2T21 e sinalizou ao mercado que pode continuar sentindo pressão de margem nos próximos trimestres.

Diferentemente de Stone e Inter, esse efeito não vem pela inadimplência, mas, sim, pelos investimentos em gente e em marketing para preparar a companhia para o crescimento.

Essa é uma mensagem que os gestores vinham passando desde a oferta das ações em setembro de 2020, e aconteceu, conforme previsto. Agora, é esperar as equipes se maturarem para que os talentos comecem a gerar resultados.

E o Nubank?

Em meio ao tiroteio – e prestes a fazer o seu IPO – o Nubank relata o seu primeiro lucro líquido da história. É indiscutivelmente positivo que a fintech tenha mostrado a capacidade de rentabilizar sua base de 41 milhões de clientes, com um lucro de R$ 76 milhões no primeiro semestre de 2021, versus R$ 100 milhões negativos no mesmo período do ano passado.

Importante frisar, aqui, que esse número diz respeito somente às operações brasileiras; portanto, não incluem o Nubank México ou Colômbia. Entretanto, é preciso um pouco de cautela com o timing escolhido para essa divulgação: bem pertinho do IPO da empresa.

É bem comum que os gestores “esguelem” a companhia para mostrar um resultado bonito para a foto do IPO. Não estou dizendo que é o caso do Nubank, até porque não temos muita granularidade do que gerou o resultado positivo no semestre. Entretanto, um pouco de olhar crítico é sempre bem-vindo – lembre-se do bordão do Oráculo.

Vivemos um momento de aversão a risco. As fintechs, como classe, devem continuar sofrendo. Entretanto, se ainda assim decidir apostar, seja seletivo. Investidores conservadores dormem bem.

Um abraço,

Larissa

Leia também:

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

NOVATA NA FINAL

Não estranhe: patrocinadora da final entre Palmeiras e Flamengo é a nova corretora de criptomoedas do Brasil; conheça Crypto.bom

A exchange resolveu investir no segmento de esportes e patrocina Fórmula 1, NBA e até o campeonato europeu

Raio-X

Análise: Por que a alta da inflação pode ameaçar o pacote de infraestrutura de Joe Biden?

O presidente americano tem ambiciosos planos pela frente, mas a alta da inflação e gargalos estruturais da economia podem alterar o rumo

A SEMANA EM GRÁFICOS

Covid-19 pressiona aéreas, turismo, Ibovespa e bitcoin, mas inflação avança no mundo: entenda a última semana com estes gráficos

As companhias aéreas sofreram perdas significativas na bolsa esta semana e nem o bitcoin (BTC) conseguiu se salvar

O MELHOR DA SEMANA

Piora da covid no mundo e criptomoedas além do bitcoin (BTC): 5 assuntos mais lidos no Seu Dinheiro esta semana

O mercado já trabalhava amplamente com a visão do verdadeiro normal. Mas os mercados globais voltaram a entrar em pânico com a covid-19

PAPO CRIPTO #007

Tecnologia que criou o bitcoin (BTC) pode reduzir custo de captação de recursos em quase 70%, diz chefe de ativos digitais do BTG

“Empresas pequenas e médias têm menor possibilidade de acesso ao mercado de capitais, muito por causa dos custos envolvidos”, comenta

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies