Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-01-18T18:39:31-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo

BTG Pactual e Credit Suisse veem potencial gigante de crescimento para a Rede D’Or — e recomendam os papéis

BTG Pactual e Credit Suisse começaram a cobertura dos papéis da companhia com recomendação de compra (e bons prognósticos para o futuro)

18 de janeiro de 2021
12:37 - atualizado às 18:39
Hospital da Rede D'Or
Fachada do hospital Barra D'Or, do grupo São Luiz - Imagem: Divulgação

O ano passado foi marcado por 28 estreias na bolsa brasileira, mas nenhuma delas foi como a da Rede D'Or (RDOR3).

A maior rede independente de hospitais privados do país fez o seu "debut" no mês passado, sendo a primeira do segmento a abrir o capital na bolsa. A operação movimentou R$ 11,4 bilhões, com as ações a R$ 57,92, sendo a maior oferta inicial de ações de 2020 e a terceira maior da história da B3.

Na ocasião, eu conversei com gestores e analistas para saber o que o mercado estava achando da novata. O consenso foi de que o preço da ação estava um pouco "salgado", mas o que a companhia tem para entregar nos próximos anos compensava o investimento. De lá para cá, as ações da Rede D'Or se valorizaram 3,85%.

Passado o frenesi inicial com a oferta, os analistas começam a divulgar suas visões para o papel. Só hoje, o BTG Pactual e o Credit Suisse iniciaram a cobertura da companhia. Em comum, os dois relatórios trazem boas perspectivas para a Rede D'Or e recomendações de compra (outperform).

Enquanto o banco suíço vê um potencial de alta de 15,72% (preço-alvo de R$ 78), o BTG vai ainda mais longe. Além de colocar os papéis como os favoritos do setor de saúde, também enxerga espaço para que uma valorização de 26,11% (preço-alvo de R$ 85).

Para o Credit, a Rede D'Or hoje é negociada em múltiplos semelhantes aos das operadoras verticalizadas, mas o potencial de crescimento é muito maior.

Potencial de crescimento

No segmento de saúde, estamos vendo um incrível processo de consolidação. Hoje, o mercado ainda é composto por diversos "pequenos" players e há espaço para que as grandes companhias trabalhem com estratégias de aquisições agressivas.

A Hapvida (HAPV3) e a Intermédica (GNDI3), as únicas duas operadoras verticalizadas da bolsa, vêm liderando esse processo. Há, inclusive, uma negociação para que as duas companhias unam suas forças e se tornem uma só. Mas elas não estão sozinhas.

Mauricio Cepeda, analista do Credit Suisse, destaca o forte potencial de crescimento da Rede D'Or, muito escorado na sua eficiência e capacidade de consolidação. Os analistas do BTG Pactual, Samuel Alves e Yan Cesquim, têm uma visão parecida. Para eles, a companhia oferece uma combinação atrativa de valor de mercado, crescimento de receita e uma forte estratégia de aquisições.

As perspectivas positivas para a Rede D'Or vêm na esteira do histórico recente de sucesso, que o BTG Pactual classifica como "o melhor entre as grandes empresas da América Latina".

As duas instituições ressaltam que a empresa tem se destacado na consolidação do setor de saúde privada, que reserva muito potencial de crescimento, e o agressivo plano de aquisições.

Segundo o BTG, a companhia conseguiu dobrar a sua margem nos últimos anos e isso pode levar os investidores a pensarem que existe uma cobrança excessiva, pressionando a inflação médica (um problema sério do setor), mas os analistas não acreditam que esse seja o caso.

Sendo ousado

A Rede D'Or tem um histórico de sucesso quando o assunto é aquisições. Nos últimos dez anos foram 30 novas operações, o que serviu de motor para crescimento da receita, Ebitda e margem de lucro.

Cepeda acredita que esse sucesso aumenta o poder de barganha da companhia com médicos e outros fornecedores, se tornando um elo essencial do ecossistema.

"Em um setor marcado pela ineficiência, a Rede D'Or segue um caminho de sucesso na integração dos novos ativos, o que cria valor em diversas frentes: aquisição de insumos, crescimento no número de leitos, credenciamento dos seus hospitais nas maiores operadoras do país, melhora no uso dos hospitais, integração que deve diminuir os custos administrativos e otimização do capital

Agora com o dinheiro levantado no IPO, a companhia deve continuar crescendo de forma saudável, robusta e inorgânica. O plano é ousado, dobrar o número de hospitais em cinco anos, mas os analistas das duas instituições acreditam que é possível.

A má execução do plano de expansão é um dos riscos que o papel oferece, sendo citado tanto pelos analistas do BTG Pactual como pelo Credit Suisse. Além disso, o banco suíço cita eventuais quedas na demanda (que pode ter como gatilho novas ondas da pandemia do coronavírus).

Mirando o Ibovespa

Os analistas do BTG também acreditam que a empresa tem potencial para passar a fazer parte do Ibovespa, o principal índice da bolsa brasileira, em maio, quando a carteira for atualizada, o que pode ser um novo gatilho para alta.

Embora os dois relatórios divulgados hoje sejam positivos para a companhia, os papéis fecharam em queda de 0,22%, a R$ 67,25.

Credit Suisse: Consolidando o mercado de hospitais no Brasil
Recomendação: outperform (equivalente a compra)
Preço-alvo: R$ 78 (potencial de 15,72%)

BTG Pactual: Escalabilidade de integração e execução incomparável
Recomendação: buy (compra)
Preço-alvo: R$ 85 (potencial de 26,11%)

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

RAIO-X DO ORÇAMENTO

Fundo eleitoral, emendas do relator e reajuste dos servidores: 3 pontos do Orçamento para 2022 que mexem com a bolsa esta semana

Entre emendas parlamentares superavitárias e reajuste dos policiais federais, o Orçamento deve ser publicado no Diário Oficial na segunda-feira (24)

PEC DOS COMBUSTÍVEIS

Tesouro pode perder até R$ 240 bilhões com PEC dos Combustíveis e inflação pode ir para 1% — mas gasolina ficará só R$ 0,20 mais barata; confira análise

Se todos os estados aderirem à desoneração, a perda seria de cifras bilionárias aos cofres públicos, de acordo com a XP Investimentos

Seu Dinheiro no Sábado

E a bolsa ainda pulsa: os grandões do Ibovespa brilham e puxam o índice — mas e as demais empresas?

Além do ciclo aquecido das commodities e da entrada de recursos estrangeiros, também vale lembrar o desconto nos ativos domésticos

BITCOIN (BTC) HOJE

Bitcoin (BTC) aprofunda queda da semana e é negociado aos US$ 35 mil hoje pela primeira vez em seis meses; criptomoeda já caiu 17% em sete dias

Especialista dá dicas de como sobreviver ao momento de “sangria” do mercado de criptomoedas — e o que não fazer no desespero

Dê o play!

A bolsa ainda pulsa, mas será um último suspiro? O podcast Touros e Ursos discute o cenário para o Ibovespa

No programa desta semana, a equipe do Seu Dinheiro discute o cenário para o Ibovespa e os motivos que fazem a bolsa brasileira subir

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies