Menu
2021-02-19T08:28:41-03:00
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo
Esquenta dos Mercados

Bolsa deve reagir a nova ameaça de interferência na Petrobras após fala de Bolsonaro

Investidores também acompanham decisão da Câmara sobre a prisão do deputado Daniel Silveira (PSL) por apologia ao AI-5 e ataques ao STF

19 de fevereiro de 2021
8:14 - atualizado às 8:28
Petrobras Mercados Baixa Ancora Balão
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

À espera de novas doses da vacina contra o coronavírus e atento à nova crise política em Brasília, o mercado deve iniciar os negócios nesta sexta-feira com as atenções voltadas para a Petrobras.

Os investidores devem reagir à fala do presidente Jair Bolsonaro, que anunciou a redução de tributos federais sobre o diesel, por dois meses, e sobre o gás de cozinha, para sempre.

Não satisfeito, Bolsonaro voltou a despertar o risco de interferências na Petrobras, dizendo que “algo iria acontecer”, sem especificar exatamente o quê.

Para fechar o cenário interno, hoje ocorre no Congresso a sessão para julgar a prisão do deputado federal Daniel Silveira (PSL), o que deve atrasar ainda mais o andamento de pautas econômicas na Câmara.

Bolsonaro e Petrobras

Em uma nova rodada de afirmações sobre combustíveis, o presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) disse que irá zerar os tributos federais que incidem no preço do diesel. A medida passa a valer em primeiro de março e terá duração de dois meses.

Bolsonaro também zerou os tributos sobre o gás de cozinha, mas em caráter permanente. "Hoje à tarde, reunido com a equipe econômica, tendo à frente o ministro Paulo Guedes, decisão nossa, a partir de 1º de março agora, não haverá mais qualquer tributo federal no gás de cozinha, ad aeternum", afirmou.

Sem entrar em maiores detalhes, o presidente também afirmou que “alguma coisa” irá acontecer com a Petrobras. O velho fantasma da intervenção do governo na estatal voltou a ficar aparente, o que deve ser encarado de maneira pessimista pelos investidores.

Nem a equipe econômica ou o ministro da Economia se pronunciaram sobre a fala do presidente até o momento.

Enquanto isso, na Câmara...

A Câmara decide hoje se mantém o deputado Daniel Silveira (PSL) preso por apologia ao Ato Institucional número 5, o AI-5, e ataques ao STF. Parlamentares estão receosos em manter a prisão de Silveira, pois isso abriria um precedente para que outros membros do Congresso também pudessem ser detidos, o que não é possível hoje graças à imunidade parlamentar. 

Mas isso não é necessariamente o problema para o mercado. O que aperta o calo da bolsa é o atraso na aprovação do pacote de reformas. A Câmara deveria ter julgado ontem essa pauta, abrindo caminho para outros debates sobre a meta fiscal. O receio é de que o tema se arraste e atrase ainda mais temas importantes para a retomada econômica.

Vacinação

O ministério da Saúde deve revisar o plano de distribuição de doses de vacina contra o coronavírus relativas ao mês de fevereiro. O ministro Eduardo Pazuello terá de lidar com o atraso do Instituto Butantã na entrega dos imunizantes.

O Instituto afirmou, em nota, que montou uma força-tarefa para acelerar a produção e envio das doses para os estados, mas acusa o ministério de atraso para a compra de insumos e pede mais logística por parte de Pazuello. Das 11,3 milhões de vacinas que estavam previstas para chegar em fevereiro, o Butantã deverá entregar apenas 30% do total, aproximadamente 2,7 milhões.

Fechamento

A cautela do investidor e a menor liquidez do mercado é um fenômeno que acontece antes e depois dos feriados. Com o carnaval e o fim do ano novo lunar acabando na mesma semana, o mundo inteiro colocou o pé no freio e ligou o alerta de aversão ao risco. 

Ao fim do dia de ontem, o Ibovespa interrompeu uma sequência de três altas e recuou 0,96%, aos 119.198 pontos. Já o dólar à vista refletiu as tensões em Brasília e ganhou força, subindo 0,48%, a R$ 5,441.

Exterior

Os dados do mercado de trabalho dos Estados Unidos acabaram frustrando os investidores de Wall Street na quinta-feira e acabaram reforçando a cautela, fazendo as bolsas de Nova York encerrarem o pregão de ontem no vermelho. Mas agora pela manhã os futuros de Wall Street ensaiam uma recuperação e operam em alta.

O desempenho das commodities lá fora também deve influenciar as cotações das ações brasileiras. O rali observado nas últimas semanas deu uma pausa ontem, com a visão de que a alta na demanda não ocorra de maneira tão elevada devido a dificuldade de retomada da economia global.

Agenda do dia

Para hoje, devem ser divulgados os dados da FGV/Ibre do monitor do PIB de dezembro de 2020 (sem hora definida) e está marcada a sessão de julgamento da prisão de Daniel Silveira (17h). 

Após o fechamento, o EDP divulgará dados do seu balanço trimestral, enquanto IRB e JHSF fazem teleconferência sobre seus balanços divulgados ontem.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Novela sem fim

Senadores articulam aprovação da MP da Eletrobras sem os ‘jabutis’ polêmicos, mas fazem novas adições ao texto

Os senadores sabem, no entanto, que essa alternativa pode não ser bem sucedida e que a Câmara vai resgatar os trechos retirados

Parlamentares furiosos

CPI suspende trabalhos pede condução coercitiva do empresário Carlos Wizard

Wizard é apontado como um dos integrantes de um suposto “gabinete paralelo” de aconselhamento ao governo para ações de combate à pandemia

Sobre shoppings e alianças

Como “compra por vingança”, casamentos adiados e bebês podem beneficiar a Vivara

Ao reafirmar recomendação de compra, XP explica como retomada de planos familiares e a vontade de consumir vão beneficiar a produtora de joias

Indenização ao governo

Ford deve pagar R$ 2,5 bilhões ao governo da Bahia

O acerto deve ser anunciado nos próximos dias, segundo fontes dos setores automotivo e jurídico

Força do campo

Prestes a realizar IPO, AgriBrasil aposta em sustentabilidade e expansão geográfica

Empresa que atua no ramo de exportação de grãos foi fundada em 2013 por Frederico Humberg, que vai aproveitar oferta para vender ações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies