🔴 MELHORES MOMENTOS DO MACRO SUMMIT BRASIL 2024 – ASSISTA AQUI

Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Back in Brazil

PagSeguro será primeira brasileira listada em Nova York a ter BDRs negociados na B3

A negociação com os papéis da empresa de maquininhas de cartão, que é listada originalmente na Nyse, começa no dia 1º de fevereiro, com o código PAGS34

Cerimônia do IPO da PagSeguro na bolsa de Nova York
Cerimônia do IPO da PagSeguro na bolsa de Nova York - Imagem: Reprodução Nyse

Dois anos depois inaugurar uma onda de empresas brasileiras que decidiu abrir o capital nas bolsas de Nova York, a PagSeguro será a primeira a ter BDRs (recibos de ações) na B3. A negociação com os papéis começa no dia 1º de fevereiro, com o código PAGS34.

A PagSeguro abriu o capital na bolsa de Nova York (Nyse) em janeiro de 2018. Desde então, as ações da empresa de meios de pagamento e maquininhas de cartão controlada pelo grupo UOL mais que dobraram de valor — em dólar.

Leia também:

A permissão para que empresas brasileiras listadas em bolsas estrangeiras sejam negociadas no país por meio de BDRs foi dada no ano passado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Na ocasião, a xerife do mercado de capitais também permitiu que qualquer investidor pudesse comprar os chamados BDRs "não patrocinados", como é o caso dos papéis da PagSeguro. Antes a negociação era restrita aos investidores qualificados, que possuem pelo menos R$ 1 milhão.

Antes da liberação da CVM, o investidor brasileiro que quisesse se tornar acionista dessas companhias precisava abrir uma conta em corretora no exterior para comprar os papéis lá fora.

A expectativa agora é que outras empresas que possuem ações listadas nas bolsas norte-americanas, como Stone e XP, também tenham BDRs negociados na B3.

A permissão tanto para a listagem como do investimento de pessoas físicas em BDRs é limitada para as ações de países de "mercados reconhecidos", como é o caso das bolsas norte-americanas.

A ideia é evitar a repetição de problemas ocorridos no passado, com empresas que se listavam em bolsas estrangeiras e depois emitiam BDRs apenas para escapar da regulação brasileira. O caso mais notório é o da Laep, empresa que detinha os direitos da marca Parmalat no país.

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies