Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-06-15T19:26:55-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Gestão na crise

De olho no trem das commodities na bolsa, MOS Capital aposta nas ações que ainda não deixaram a estação

Entre as principais posições da gestora estão ações de empresas que ganham com as commodities em alta, como Rumo Logística (RAIL3) e Camil (CAML3)

15 de junho de 2021
15:57 - atualizado às 19:26
Trem com o logo da Rumo
Trens da Rumo Logística, principal posição do fundo da MOS Capital Imagem: Divulgação

As gestoras de fundos que não contam com posições relevantes em ações de empresas de commodities acabaram ficando para trás em relação ao Ibovespa neste ano. Mas a MOS Capital ainda espera embarcar nesse trem. Literalmente.

A principal aposta da gestora hoje está nas ações da Rumo Logística (RAIL3). Responsável por escoar boa parte da safra de soja e milho do país, a empresa de ferrovias se beneficia do bom momento dos preços dos grãos.

“Na nossa leitura, a Rumo está subavaliada”, me disse Fernando Fanchin, sócio e gestor da MOS Capital, gestora que até o ano passado se chamava Teorema e cuidava exclusivamente dos recursos da família do investidor Guilherme Affonso Ferreira.

A mudança de nome veio acompanhada da abertura do principal fundo da casa em plataformas como BTG Pactual Digital, Andbank, Daycoval, RB Investimentos e Singulare — por enquanto apenas para investidores qualificados (com pelo menos R$ 1 milhão em patrimônio).

As ações da Rumo até sobem no acumulado do ano, mas o desempenho segue abaixo do Ibovespa. Para Fanchin, a alta das cotações das commodities agrícolas provoca um efeito negativo de curto prazo, com o produtor tentando acertar o melhor momento para escoar a produção. “Mas o mercado vai se dar conta de que a soja e o milho em alta beneficiam a Rumo.”

Ainda que o ciclo de valorização das commodities seja apenas um fenômeno temporário, o gestor da MOS avalia que as ferrovias da Rumo devem seguir no médio prazo como a melhor alternativa para os produtores escoarem a produção.

Camil (CAML3) e M.Dias Branco (MDIA3)

Ainda na linha das commodities, a MOS Capital também aposta no bom e velho arroz com feijão. A produtora de alimentos Camil é outra posição relevante da gestora, e basta dar um pulo no supermercado para entender por quê.

O preço do pacote de 5kg de arroz, o produto mais tradicional da marca, quase triplicou desde o fim de 2019. Era de se esperar que as ações da Camil (CAML3) acompanhassem o movimento assim como aconteceu com as produtoras de commodities metálicas, como as siderúrgicas, mas não foi o que aconteceu.

Ainda que os preços dos alimentos não se sustentem nos níveis atuais, eles devem se acomodar bem acima dos patamares de antes da pandemia, segundo Fanchin. “A capacidade de geração de caixa da Camil não está sendo percebida”, disse o gestor, que também possui posição em M. Dias Branco (MDIA3), dona da marca de massas e biscoitos Adria, no setor de alimentos.

Fernando Fanchin, sócio e gestor da MOS Capital
Fernando Fanchin, sócio e gestor da MOS Capital

Energisa (ENGI11) — bola de segurança

Referência em como empregar bem o dinheiro dos acionistas, a Energisa (ENGI11) é outra ação que ficou para trás nos primeiros meses deste ano. Mas para Fanchin, as ações do grupo de distribuição de energia elétrica são uma espécie de “bola de segurança” dentro da carteira.

A presença da Energisa no fundo remete ao próprio nome da MOS, cuja sigla significa “Margin of Safety”, termo cunhado por Benjamin Graham, o “pai” do chamado value investing, o estilo de investimentos consagrado pelo bilionário Warren Buffett.

O desempenho mais fraco das ações neste ano é também reflexo da disciplina de capital da empresa, segundo o gestor. “A Energisa não entrou nos leilões de saneamento, como fez a Equatorial, e o mercado gosta da temática de crescimento.”

Ainda que o grupo não tenha entrado em novas operações, Fanchin aposta que os resultados dos negócios adquiridos nos últimos anos ainda estão por aparecer.

E o aumento do risco de um novo racionamento de energia? “Naturalmente estamos monitorando a situação, mas nossa visão é que Energisa não será afetada de forma estrutural.”

Leia também:

B3 (B3SA3) — crescimento e dividendo

O banqueiro André Esteves, do BTG Pactual, cunhou o termo “financial deepening”, que representa a tendência de sofisticação dos investimentos dos brasileiros com a queda dos juros.

O próprio BTG procura ganhar com esse movimento, mas na visão do gestor da MOS a ação que mais se beneficia da onda é a B3 (B3SA3), a dona da bolsa de valores.

As ações da B3 sofreram recentemente com a percepção do mercado de que o fluxo de novos investidores para a bolsa pode diminuir com o processo de alta da taxa básica de juros (Selic). Mais recentemente, as especulações sobre uma futura concorrência também pesaram sobre os papéis.

Mas para o gestor da MOS, a B3 se defende bem mesmo que o “financial deepening” acabe não se revelando tão profundo assim. “A penetração do investimento em bolsa entre os brasileiros ainda é baixa e, mesmo com o juro mais alto, as pessoas ainda vão precisar ter parte dos recursos em ativos de risco.”

Se a perspectiva de crescimento não é suficiente, Fanchin destaca outro ponto que torna o investimento nas ações da B3 atrativo: os dividendos.

A dona da bolsa pode pagar até 150% do lucro aos acionistas, o que representa uma perspectiva de retorno com dividendos (dividend yield) de até 6% nos próximos 12 meses, nos cálculos de Fanchin. “A B3 é um caso raro de empresa que cresce pagando dividendo alto.”

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

EXILE ON WALL STREET

Gaiola de investimento: não existe blindagem perfeita, mas é possível construir um portfólio robusto e uma carteira forte

Para construir uma carteira, são necessárias três decisões: alocação estratégica, alocação tática e a seleção dos fundos. Na série Os Melhores Fundos de Investimento você verá o resultado das carteiras recomendadas que inspiram os fundos de fundos (FoFs) da Vitreo

ADAPTANDO-SE À MODA

Em meio a dança das cadeiras, Lojas Renner (LREN3) troca CFO e anuncia plano de recompra de mais de R$ 450 milhões em ações

Varejista da moda embarca nas recompras em um momento no qual a bolsa parece começar a se recuperar da queda em 2021

Mercados Hoje

Ibovespa abre em queda e opera instável, com cautela no exterior; risco fiscal volta ao radar com PEC dos combustíveis

Na semana, o índice brasileiro ainda acumula alta de mais de 1%; veja o que movimenta o mercado hoje

MERCADO BITCOIN LIVRE

Mercado Livre compra participação no Mercado Bitcoin com foco em criptomoedas; parceria inclui acordo com Paxos, empresa de tecnologia blockchain

Esta não é a primeira vez que o Mercado Livre entra no mercado de criptomoedas: em 2021, a empresa havia comprado cerca de US$ 7,8 milhões em bitcoin

Tendências da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro abre em queda e acompanha Nova York, enquanto dólar sobe para R$ 5,44

Com agenda esvaziada, tanto por aqui quanto no exterior, investidores devem ficar de olho no último dia do Fórum Econômico Mundial, enquanto aguardam reunião do Fed, agendada para a semana que vem

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies